Simpósio discute “O Poder Naval e os desafios contemporâneos” no RJ

Evento reuniu pesquisadores, professores e estudantes na Escola de Guerra Naval

Por Segundo-Tenente (RM2-T) Milena

Para debater a relevância do Poder Naval, um dos pilares fundamentais para a segurança e a projeção de poder ao redor do mundo, cerca de 430 estudantes, civis e militares, acadêmicos e pesquisadores se encontraram no Simpósio “O Poder Naval e os Desafios Contemporâneos”, na última terça-feira (2), na Escola de Guerra Naval (EGN), no Rio de Janeiro.

Promovido pelo Centro de Estudos Político-Estratégicos da Marinha do Brasil (CEPE-MB), em parceria com a EGN, o encontro promoveu discussões sobre a defesa dos interesses marítimos do Brasil e a adaptabilidade constante da Força Naval diante da evolução e das novas dinâmicas geopolíticas. Um dos palestrantes, o Professor Doutor Ian Andrew Speller, da Universidade Maynooth (Irlanda), tratou sobre a complexidade da interconexão mundial que se manifesta por meio das mudanças climáticas, da transição energética e do acelerado crescimento das demandas pelo uso do mar.

Entre os destaques, Speller pontuou, ainda, que na base de todo o processo de planejamento estratégico naval, está a defesa dos interesses nacionais, inexistindo um padrão único de configuração de Marinha a ser seguido.

Para o presidente do CEPE-MB, Almirante de Esquadra (Fuzileiro Naval) Paulo Martino Zuccaro, existem ameaças contemporâneas que se unem às já tradicionais. “Algumas delas não são tão novas assim, como, por exemplo, a pirataria. Para fazer frente a essa combinação de possibilidades, as Marinhas do presente e do futuro têm que ser capazes de atuar em todo o espectro de possibilidades de emprego do Poder Naval, desde a cooperação até o conflito armado propriamente dito.”

Ainda segundo o Almirante (FN) Zuccaro, a importância desse encontro se justifica pela necessidade de se transformar a visão superficial que a sociedade tem em relação ao que, de fato, é a Defesa Nacional. “Ainda prevalece a noção equivocada de que o pacifismo que nos é peculiar é o bastante para isentar-nos de ameaças oriundas de outros atores do sistema internacional, dispensando a existência de Forças Armadas competentes, equipadas e aprestadas”.

Outros palestrantes também participaram do evento. O Capitão de Mar e Guerra (da Reserva) Professor Doutor William Moreira, falou sobre “O Pensamento Estratégico e o Poder Naval”. Já o tema “Preparando o Poder Naval” foi abordado pelo Contra-Almirante Dino Ávila Busso, Subchefe de Estratégia do Estado-Maior da Armada.

O CEPE-MB, que está inserido na estrutura do Estado-Maior da Armada (EMA), é dedicado à pesquisa e aos estudos sobre assuntos marítimos, defesa e Poder Naval. O próximo simpósio já está sendo preparado para outubro e abordará as tecnologias empregadas nos conflitos armados da atualidade.

Fonte: Agência Marinha de Notícias

Compartilhar:

Leia também

Inscreva-se na nossa newsletter