COBERTURA ESPECIAL - Minarete - Geopolítica

12 de Abril, 2022 - 11:10 ( Brasília )

Israel - Recorde Exportações de defesa em 2021, crescem clientes árabes

As exportações para os países do Acordo Abraão representam 7% de todas as exportações de defesa.

Nota DefesaNet

Como alertado anteriomente por DefesaNet o Acordo Abraão teria um impacto profundo no mercado de defesa dos páises árabes.

Um dos maiores afetados com perda de mercado pode ser o Brasil. Com ações tíbias e fracas e com receio do tititi interno a Base Industrial de Defesa  ressente-se de apoio governamental (diplomático e financeiro).

Ver as matérias:

BIDS - Roteiro para destruir uma Base Industrial de Defesa e Segurança
 
Estratégia do Brasil no Norte da África – Redefinição da Influência Política de Brasília e do Ingresso de Empresas Brasileiras do Segmento de Defesa na Líbia e Tunísia

O Editor


ANNA AHRONHEIM
Jesuralem Post
12 de abril de 2022

 
As exportações militares de Israel renderam US$ 11,2 bilhões no ano passado, com 7% disso indo para os países árabes, que assinaram os Acordos de Abraão, disse o Ministério da Defesa na quarta-feira passada.

O número marcou o número mais alto nos últimos 20 anos, com Israel arrecadando US$ 8,3 bilhões. em 2020, US$ 7,2 bilhões. em 2019, US$ 7,5 bilhões. em 2018 e US$ 9,3 bilhões. em 2017.

“Hoje, o Ministério da Defesa e as indústrias do setor de defesa marcam um marco histórico”, disse o Brig.-Gen. (res) Yair Kulas, chefe da SIBAT, a Diretoria de Cooperação Internacional em Defesa do Ministério da Defesa (unidade de exportação militar). “As exportações de defesa de Israel atingiram números de dois dígitos pela primeira vez, atingindo um aumento de 55% em dois anos.”

O volume de novos contratos assinados em 2021 saltou mais de 30% em relação a 2020.

“Durante o ano, cerca de 120 indústrias de defesa, com a ajuda e apoio do SIBAT e do Ministério da Defesa, conseguiram assinar centenas de contratos significativos em todo o mundo, incluindo meganegócios no valor de US$ 1 bilhão. e muito mais”, disse o ministério na segunda-feira.

O mundo busca segurança e inteligência em Israel há muitos anos, e a indústria de defesa tem empresas líderes internacionais que exportam para países de todo o mundo.

De acordo com o SIBAT, as empresas israelenses em 2021 exportaram os eqqupamentos:

- mísseis, foguetes e sistemas de defesa aérea (20% em comparação com 10% em 2020);
- sistemas de drones e UAVs (9% em comparação com 6%),
- radares e guerra eletrônica (9% em comparação com 16%);
- observação e optoeletrônica (5%);
- aeronaves tripuladas e aviônicos (9% em comparação com 13%),
- estações de armas e lançadores (7% em comparação com 8%);
- veículos e APCs (7% em comparação com 3%);
- C4I e sistemas de comunicação (6% contra 8%);
- munições e armamento (4% contra 16%);
- inteligência, informação e sistemas cibernéticos (4% contra 5%), e,
- serviços e outros (2%).


 

Israel também participa de programas internacionais como o F-35 produzindo asas e outros componentes tanto para as 50 aeronaves da Força Aérea de Israel e clientes internacionais do consórcio F-35     



A maior distribuição das exportações de defesa israelenses foi na:

- Europa, com 41% (acima de 30% em 2020);
- Ásia-Pacífico, com 34% (queda de 10% em relação a 2020);
- América do Norte, com 12% e 20% (abaixo de 20% em 2021 e 26% em 2019);
- países do Acordo de Abraham, com 7%;
- África, com 4%,  e,
- América Latina, com 3% (acima de 2%).


Segundo Kulas, a guerra na Ucrânia, assim como outros conflitos globais, levou países de todo o mundo a aumentar seus orçamentos de defesa, inclusive na América Latina.

"Todo país olha para o que acontece no campo de batalha e diz: 'Onde estou?'", disse ele. “'Com o que eu preciso estar equipado?' São países que não estão próximos da área geográfica do conflito... a história é que cada país entende que tem que se ajudar em suas questões de segurança, sem contando com qualquer poder ou país para protegê-lo.”

Embora o aumento significativo nas exportações de defesa em 2020 não esteja relacionado à guerra instigada pela Rússia, o ministro da Defesa Gantz disse: “Infelizmente, a guerra entre a Rússia e a Ucrânia mais uma vez prova ao mundo o que sempre foi claro para nós: que a segurança é uma necessidade nacional para cada país e não é um luxo.”

Embora “guerras geopolíticas sejam, obviamente, infelizes e terríveis”, a necessidade de segurança levará as exportações de Israel a aumentar ainda mais, disse ele.

E apesar da “acirrada concorrência” e das contínuas preocupações com o coronavírus, “a demanda por produtos de defesa israelenses aumentou no ano passado, manifestando-se no forte aumento das transações entre os países”, disse Kulas.

Segundo a SIBAT, cerca de 70% a 80% dos produtos de defesa israelenses são exportados, e Israel está entre os 10 maiores exportadores de defesa do mundo.

“Olhando para o futuro, a mudança de prioridades globais e parcerias como os Acordos de Abraham criam alta demanda pelos sistemas tecnológicos de ponta de Israel”, disse Kulas. “O Ministério da Defesa está trabalhando em conjunto com as indústrias de segurança para garantir o aumento contínuo da cooperação em defesa.”

“Se olharmos de forma realista para os próximos anos, há um grande potencial de mercado e, com uma avaliação cautelosa, esperamos atingir dois dígitos nos próximos anos com os países que assinaram os Acordos Abraâmicos”, disse Kulas.

Gantz disse que o Ministério da Defesa “coopera com parceiros em todo o mundo e expandiu seu mercado fortalecendo os laços na região, bem como construindo novos laços com países de todo o mundo”.

Gantz assinou memorandos de entendimento históricos com Marrocos e Bahrein no ano passado.

“As relações de segurança são um componente integral das relações políticas de Israel e nossa capacidade de cooperar com outros países, e trabalhamos para fortalecer esses laços e criar novas parcerias de segurança”, disse ele. “O pico dos acordos de defesa em 2021 é antes de tudo um meio de fortalecer a segurança do Estado de Israel.”

Um relatório de março do Instituto de Pesquisa da Paz de Estocolmo (SIPRI) descobriu que, embora o comércio global de grandes armas tenha diminuído 4,6% no ano passado, as importações de grandes armas pelos estados europeus foram 19% maiores de 2017-2021 do que de 2012-2016 e representaram por 13% das transferências globais de armas. Os maiores importadores de armas na Europa foram o Reino Unido (aumento de 74%), Noruega (aumento de 343%) e Holanda (aumento de 116%).

Israel ficou em 10º lugar geral como exportador de armas, e suas importações de armas aumentaram 19% de 2012-2016 e 2017-2021, com armas dos EUA representando 92% de todas as importações de armas, incluindo 31 caças furtivos F-35i e milhares de bombas guiadas.

As exportações de armas israelenses foram as mais altas de 2015 a 2019, representando 3% do total global, informou o SIPRI. Israel era então o oitavo maior fornecedor de armas do mundo, e suas exportações de armas foram 77% maiores do que em 2010-2014, segundo o relatório.

 



VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Relatório Otálvora

Relatório Otálvora

Última atualização 02 JUL, 14:20

MAIS LIDAS

Minarete