COBERTURA ESPECIAL - Guerra Informação e Híbrida - Inteligência

05 de Dezembro, 2021 - 17:00 ( Brasília )

Paula Schmitt - O portão e a realidade


Paula Schmitt

Jornalista, escritora e tem mestrado em Ciências Políticas e Estudos do Oriente Médio pela Universidade Americana de Beirute. É autora do livro de ficção "Eudemonia" e do de não-ficção "Spies". Venceu o Prêmio Bandeirantes de Radiojornalismo, foi correspondente no Oriente Médio para o SBT e Radio France e foi colunista de política dos jornais Folha de S.Paulo e Estado de S. Paulo. Publicou reportagens e artigos na Rolling Stone, Vogue Homem e 971mag, entre outros veículos.
Poder 360
02 Dezembro 2021

 
“O mundo inteiro pensa diferente, mas você, Paula Schmitt, é a única privilegiada que conhece a verdade.”

Foi mais ou menos com essas palavras que uma pessoa zombou de um post meu no Twitter, duvidando do que eu falava. De certa forma ela tem razão em desconfiar. É difícil acreditar na realidade quando você não tem contato com ela. E agora –em tempos de pandemia, quarentena, fique-em-casa, máscaras, distanciamento social e até segregação– a realidade que percebemos é cada vez menos imediata, e mais mediada. Ela só chega até nós depois de ser selecionada, editada e reescrita. Esse processo é conhecido em inglês como “gatekeeping”, um termo que para a surpresa de ninguém carece de correspondente no Brasil.

Gatekeeping é, em suma, o poder que a mídia tem de liberar apenas o que interessa, e esconder o que não se quer divulgar, como um porteiro que só deixa entrar e sair o que e quem ele quiser.

Uma das coisas que não passou do portão é a Great Barrington Declaration. Essa declaração, praticamente desconhecida dos brasileiros, propõe uma abordagem bem diferente para o combate à pandemia, e foi publicada por profissionais respeitados o suficiente para merecerem ter sua voz ouvida: Sunetra Gupta, epidemiologista de doenças infecciosas e professora de epidemiologia teorética da Universidade de Oxford, Jay Bhattacharya, professor de Medicina, diretor do Centro de Demografia e Economia da Saúde de Stanford e pesquisador do National Bureau of Economics, e Martin Kulldorff, professor de Medicina em Harvard, bioestatístico e conselheiro dos dois principais órgãos governamentais relacionados à saúde e à pandemia, o CDC e FDA.

Na versão em português, o grupo declara: “Como epidemiologistas de doenças infeciosas e cientistas da saúde pública, temos sérias preocupações sobre os impactos prejudiciais para a saúde física e mental das políticas prevalecentes da COVID-19, e recomendamos uma abordagem a que chamamos Proteção Focalizada. Viemos tanto da esquerda como da direita, e de todo o mundo, e temos dedicado as nossas carreiras à proteção das pessoas. As atuais políticas de confinamento estão a produzir efeitos devastadores na saúde pública a curto e longo prazo.”

Aqui, nesta entrevista de Bhattacharya com Peter Robinson do Uncommon Knowledge, um programa da Hoover Institution, Anthony Fauci é citado desmerecendo a teoria da Great Barrington. O que é interessante e bastante revelador da escuridão em que nos afundamos é que mesmo com os currículos impecáveis dos autores da declaração, Fauci conseguiu dizer em frente a jornalistas algo que qualquer jornalista sério teria desmentido na hora: “Qualquer pessoa que sabe o mínimo sobre epidemiologia vai lhe dizer que isso é uma besteira e é perigoso.” É assim que o gatekeeping funciona: eliminando do debate pessoas que tem até mais credenciais do que as que foram enaltecidas como fonte inquestionável da verdade.

Existem milhões de pessoas que já ouviram falar da ivermectina, mas poucas sabem que seu inventor, Satoshi Omura, ganhou um prêmio Nobel pela invenção do remédio. Muitos também ignoram que outro vencedor de um prêmio Nobel em ciência, Luc Montagnier, é contra a vacinação no meio de uma pandemia, porque ele acredita que isso fortalece e acelera a criação de variantes.

Montagnier é particularmente incisivo contra as injeções da covid pela sua ineficácia, mas mais ainda pelo que ele acredita poder vir a ser uma enxurrada de graves efeitos colaterais. O que Montagnier diz é assustador, e possivelmente exagerado, mas como é que pessoas com esse gabarito, cientistas que até anteontem estavam sendo premiados com as condecorações mais altas da ciência, hoje têm suas opiniões completamente eliminadas da pauta?

Como pode estar havendo tão pouco debate em um momento tão cheio de incertezas? Você já ouviu falar de Luigi Warren? É um dos cientistas que trabalhou na criação da tecnologia do RNA mensageiro, como conta essa reportagem do USA Today. Warren também é contra a vacina da covid, e a considera ineficaz, na melhor das hipóteses. Ele também diz que pessoas vacinadas podem “liberar” a proteína spike e possivelmente contaminar outras pessoas. Robert Malone, outro cientista envolvido com a criação da tecnologia do RNA mensageiro, também tem opinião oposta ao consenso midiático, e por isso ele é também ignorado e tem suas postagens às vezes banidas do Twitter, ou acompanhadas de um alerta questionando a veracidade da informação.

Geert Vanden Bossche, um virologista que teve cargo administrativo na Gavi, a fundação para o desenvolvimento de vacinas fundada por Bill Gates, também faz alertas bastante assustadores. Outro vencedor do Nobel, o biofísico e professor de Biologia Estrutural Michael Levitt vem criticando o lockdown como estratégia de contenção de contágio desde o começo da pandemia.

Existia ainda um outro prêmio Nobel, Kary Mullis, morto poucos meses antes do começo da pandemia, que deixou bem claro seu posicionamento. Premiado com o Nobel por ter inventado o teste de PCR, Mullis criticava o uso da sua própria invenção para a detecção de infecção viral. Existem vídeos no YouTube em que Mullis explica que o PCR, dependendo da sua calibragem, pode encontrar tudo que se quer achar, e, portanto, não serve como fator comprobatório de contaminação. Que coincidência fascinante explica o fato de todos esses cientistas terem tido suas teorias ignoradas durante a pandemia?
Outra coisa que alguns desses homens têm em comum é quase pitoresca: nenhum dos que estão no Twitter tem o selinho de verificação: Michael Levitt, Robert Malone, Luigi Warren.

É assim que o gatekeeping funciona, e é por isso que a defesa de uma teoria compartilhada por vencedores do prêmio Nobel é facilmente confundida com a fake news mais estapafúrdia porque essas pessoas e suas ideias foram tão diligentemente eliminadas da realidade que elas deixaram de parecer reais.

É por essa razão que pessoas que se informam apenas através da mídia tradicional estão ficando cada vez mais ignorantes –porque, agora que não veem a realidade com seus próprios olhos, tudo que conseguem enxergar é através dos óculos do Consenso Inc, o consórcio informal, porém eficientemente coeso, entre empresas de comunicação e as corporações que controlam a maior parte da riqueza do mundo, incluindo os próprios conglomerados de comunicação.

Eu não chequei as informações a seguir, mas será que o que dizem esses “meros” usuários do Twitter não seria algo digno de ser investigado? Segundo este aqui, existem mais de 60 incidências de atendimento por “mal súbito” pelo Corpo de Bombeiros de Santa Catarina em 24 horas, segundo seu próprio perfil oficial. Este outro usuário fez uma comparação com 2020, e segundo ele em novembro inteiro houve menos atendimento por mal súbito do que em um único dia de novembro deste ano. Este outro usuário, por sua vez, foi quem sugeriu a busca, e explicou como fazer a procura por datas específicas. Será que isso não deveria estar sendo investigado por jornalistas? Por que eu tenho mais informações cruciais sobre a vida e a morte nessa pandemia pelo meu telefone e contas anônimas no Telegram do que nos jornais para os quais um dia eu tive orgulho de trabalhar?

Este vídeo aqui, editado em 2018 e aqui legendado em português, mostra como é fácil ter uma mensagem única –literalmente– mesmo com dezenas de fontes de informação supostamente diferentes. Nesse caso a uniformidade foi mais fácil que o normal, porque as emissoras são de um mesmo grupo, Sinclair. Mas mesmo em grupos de mídia diferentes, com fundadores distintos, o discurso é cada vez mais homogêneo, entre outras razões porque cada vez mais esses grupos de mídia são de propriedade de um número cada vez menor de donos, que também são donos dos produtos que antes apareciam nos anúncios, mas agora fazem parte das “reportagens”.

Neste detalhado estudo de Harvard, é possível ver como um único grupo de investimento e gestão de ativos, BlackRock, tem o dedo em diversas empresas de comunicação que deveriam estar competindo entre si. Para quem acha que Pepsi e Coca-Cola ainda são emblemas do capitalismo de opções “competindo” entre si, recomendo o vídeo Monopólio – Quem Controla o Mundo. Ali você é informado que ambos são de propriedade parcial da mesma BlackRock, que também tem ativos em várias empresas da indústria farmacêutica, inclusive os maiores fabricantes de vacinas.

Voltando a Luc Montagnier, o cientista foi recentemente mencionado pelo Estadão. Exercendo um outro estilo de gatekeeping, o jornal outrora tão respeitado decidiu relegar as ideias do prêmio Nobel ao seu verificador de notícias (sic). O resultado foi de uma atrocidade intelectual embaraçosa. Em reportagem com o intuito de desmerecer as opiniões de Montagnier, o jornal comete uma das frases mais obtusas já escritas: “Não há evidências de que imunizantes de covid possam favorecer surgimento de novas cepas”. Essa frase é boba porque em algum momento ela poderia ter sido dita da mesma maneira –correta e redondamente equivocada– sobre o tabaco, a ingestão de cianureto, o uso da talidomida.

A verdade –ou a revelação da verdade– sempre foi intrínseca ao tempo. Um juiz que tem apenas 24 horas para analisar um crime e examinar evidências possivelmente terá conclusão diferente se lhe forem dados cem dias e novas evidências.

Tenho um exemplo que já citei em outro artigo mas faço questão de repetir. Eu tinha um telefone Nokia em que baixei um jogo de xadrez simples o suficiente para caber no telefone. Mas mesmo sendo simples, o jogo tinha diferentes níveis de dificuldade, indo do nível “monkey” ao “Kasparov”. E a única coisa que determinava a diferença entre esses níveis era o tempo que era dado ao computador do Nokia para calcular o melhor movimento –quanto mais tempo para calcular as possibilidades, melhor a jogada. Em outras palavras, a capacidade de cálculo era a mesma, mas os resultados melhoravam de maneira diretamente proporcional ao tempo. Efeitos colaterais funcionam da mesma maneira –quanto maior o tempo, mais eles se revelam. Aqui oEstadão usa a mesma frase: “Não há evidências que os imunizantes aprovados no Brasil possam causar infarto ou mortes.”

O gatekeeping bem feito –o que significa dizer, feito de forma imoral– permite a criação de unanimidades completamente artificiais, mesmo hoje, quando teoricamente temos acesso a todo tipo de informação. E mesmo quando a história já nos ensinou que a maioria nem sempre tem razão. De fato, frequentemente é o contrário: é exatamente por terem sido aceitos pela maioria que alguns dogmas terrivelmente equivocados se mantêm como sabedoria inquestionável por anos.

Na medicina, um dos exemplos mais chocantes da unanimidade criminosamente equivocada –talvez por isso mesmo um dos casos menos conhecidos– é a história de Ignaz Semmelweis, o médico que descobriu que lavar as mãos antes de procedimentos cirúrgicos e trabalho de parto poderia salvar vidas. Semmelweis morreu sozinho, desacreditado, desprezado por colegas, e foi embora deste mundo sem saber que anos mais tarde sua recomendação se tornaria universal, obrigatória em todo hospital que se preze. Recomendo efusivamente a leitura deste artigo da National Geographic sobre essa história, em Português.

Galileo é um outro exemplo dessa verdade, e ele pagou seu preço por ela. No belo e arrebatador A Filha de Galileo, a autora Dava Sobel cita um pensamento do cientista e polímata que tem a ver com a criação do consenso e a validação da maioria. Traduzo do inglês com algumas licenças, mas a passagem original do livro pode ser conferida aqui:

 

“Eu digo que o testemunho de muitos tem pouco mais valor do que o[testemunho]de poucos, já que o número de pessoas que raciocinam bem em questões complicadas é muito menor do que o das que raciocinam mal. Se a razão fosse como puxar [uma carroça], eu concordaria que mais pessoas raciocinando seria melhor do que apenas uma, assim como mais cavalos conseguem puxar mais sacos de grãos do que um cavalo apenas. Mas a razão é como uma corrida, e não como puxar peso, e um potro sozinho consegue superar dezenas de cavalos de carga.”


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


US RU OTAN

US RU OTAN

Última atualização 28 JAN, 16:50

MAIS LIDAS

Guerra Informação e Híbrida