COBERTURA ESPECIAL - Guerras Híbridas Latinas - Inteligência

05 de Dezembro, 2021 - 09:00 ( Brasília )

Guerra Híbrida Latina Ultra - Com ou sem Bolsonaro, a extrema direita e veio para ficar no Brasil

O fortalecimento da esquerda e a necessidade de destruí-la; a implementação das chamadas cotas raciais em busca da integração e a vontade de reescrever o passado do Brasil são alguns dos motivos que impulsionam a consolidação da direita brasileira.

 

Nota DefesaNet

Classificar todo e qualquer movimento, que não seja de esquerda, de neonazista, ultra-direita, etc, é a importação de uma discussão política da Europa, em especial da Alemanha, onde foi aperfeiçoada pelo governo Angela Merkel.

Veja a matéria:

Coup d´Presse - Na presença de Bolsonaro, FAB toca música de compositor exaltado por Hitler

Nota Editor

Janaína Figueiredo
La Nacion
Buenos Aires
27 de novembro de 2021

RÍO DE JANEIRO.- Em abril de 2011, o grupo neonazista White Pride World Wide organizou uma manifestação no Museu de Arte de San Pablo (MASP) para expressar seu apoio ao então deputado Jair Bolsonaro, quando ninguém no Brasil imaginava isso sete anos e meio depois esse mesmo deputado seria eleito presidente.

Para os acadêmicos brasileiros que nos últimos anos se dedicaram a estudar o crescimento e o fortalecimento da extrema direita no Brasil, o ato do MASP é considerado chave para a compreensão de um fenômeno que, todos concordam, veio para ficar.

Com ou sem Bolsonaro, a extrema direita se fortalece no país. Alguns dos acadêmicos que vêm acompanhando sua evolução criaram recentemente o Observatório da Extrema Direita do Brasil, dedicado a estudar uma corrente política que hoje, em grande parte, se sente representada pelo Bolsonaro. Mas é claro, dizem seus membros, que ela continuará existindo e gerando ruído na política nacional se o chefe de Estado, por algum motivo, decidir não comparecer nas eleições de 2022 - hipótese que tem circulado com certa intensidade na algumas esferas políticas - ou, em outro cenário possível, foi derrotado nas urnas.

O coordenador do observatório é Odilón Caldeira Neto, professor de História Contemporânea da Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Em entrevista à LA NACION, o especialista disse que “o neonazismo brasileiro emergiu com força da transição democrática [iniciada em 1985] e tem muitas facetas”.

“O Brasil dificilmente faz parte de um fenômeno que incorpora elementos de uma agenda internacional de direita. Existe uma história da extrema direita brasileira. Incorporamos, mas também exportamos nossos próprios elementos ”, explica Caldeira Neto. Para o professor, o movimento liderado nos Estados Unidos pelo ex-presidente Donald Trump, idolatrado publicamente por Bolsonaro, é "apenas o capítulo mais recente de um fenômeno mais amplo, que no Brasil tem elementos indígenas".

Seu colega Michel Gherman, coordenador do Núcleo de Estudos Judaicos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), compartilha dessa teoria e enumera alguns dos fatores que tornam a extrema direita no Brasil tão ampla: “O fortalecimento da esquerda e a necessidade de destruí-lo; a implantação das chamadas cotas raciais, para as quais, em 2020, havia, pela primeira vez, mais alunos negros do que brancos nas universidades federais brasileiras; e o desejo, por parte dessa nova direita, de reescrever o passado do Brasil, eliminando, por exemplo, qualquer sentimento de culpa ao longo dos longos anos de existência do sistema escravista ”.

O professor da UFRJ lembra que “o nazismo e os movimentos de extrema direita em geral têm uma ideia central que é o ressentimento. A convicção de que as pessoas poderiam ser melhores se não fossem os outros, os negros, os judeus, os homossexuais, as mulheres ”. A chegada do Bolsonaro ao poder fez com que, segundo os dois especialistas, movimentos que começaram a ser veiculados publicamente há cerca de dez anos se sentissem fortalecidos.

Dados da ONG Anti Defamation League (ADL) mostram que entre 2018 e 2022 os casos de anti-semitismo no Brasil aumentaram mais de 300%. No mesmo período, o número de grupos neonazistas cresceu 90%. “Isso não começou com o Bolsonaro e não vai acabar no dia que ele deixar o poder. O que queremos estudar no observatório é quais são os modelos de extrema direita que o Brasil já exporta para outros países da região, como Chile e Argentina ”, diz Caldeira Neto.

A antropóloga Adriana Dias, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), faz um acompanhamento permanente dos grupos neonazistas no Brasil e segundo sua pesquisa existem atualmente 50 grupos e 530 células (formadas por pessoas que estão na mesma cidade ou município) espalhados por todo o território nacional. Em 2019, ano em que Bolsonaro assumiu a presidência, o número de células era de 334. Em três anos houve um aumento de 158%.

Outra ONG que está muito atenta ao aumento de grupos que disseminam o discurso de ódio no Brasil é a SaferNet. Em 2019, segundo seus autos, foram recebidas e processadas 1.071 denúncias anônimas de manifestações neonazistas nas redes sociais brasileiras, o que, se detectado, pode ser objeto de denúncia criminal. No ano passado, foram 9004 reclamações. Percebe-se, argumentam especialistas, uma radicalização do discurso de ódio, amplamente incentivado pelo presidente e seus seguidores. Todos esses grupos se movem na chamada deep web, onde as leis brasileiras não os alcançam. A Lei 7.716, de 5 de janeiro de 1989, considera crime fabricar, comercializar, distribuir ou fazer circular símbolos, emblemas ou propaganda que utilizem símbolos nazistas.

A historiadora Ana María Dietrich, da Universidade Federal do ABC, de São Paulo, escreveu há alguns anos o livro Tropical Nazism, no qual revela que, fora da Alemanha, existia a maior sede do Partido Nazista no Brasil, entre 1928 e 1937 A festa brasileira esteve presente em 17 estados do país. Segundo outros estudos, os slogans do Partido Nazista penetraram no mundo militar nas décadas de 60 e 70, a exemplo da Brigada Paraquedista do estado do Rio de Janeiro, onde, entre outros integrantes de seu governo, passou o presidente Bolsonaro.



“O neonazismo brasileiro surgiu com força a partir da transição democrática [iniciada em 1985] e tem muitas facetas”, não somente de Bolsonaro, explica o coordenador do Observatório da Extrema Direita do Brasil, Odilón Caldeira Neto



Para muitos especialistas, o chefe de Estado ativou um imaginário social que já existia no Brasil e que muitos acadêmicos e intelectuais nunca identificaram. A surpresa na eleição de Bolsonaro em 2018 levou muitos deles a estudar e tentar entender o que havia acontecido no país. Hoje, a conclusão quase geral é que a extrema direita sempre esteve presente, mas por muito tempo não teve um líder que a representasse e a deixasse sair com a força que teve nas últimas eleições presidenciais.

Bolsonaro ainda é visto como o líder de todos esses movimentos, mas a extrema direita brasileira parece ir muito além do presidente. Para alguns, o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, já em campanha para as eleições de 2022, poderia desafiar Bolsonaro pela liderança.

O ex-juiz do Lava Jato vem ampliando seu apoio no mundo da direita, incorporando à sua equipe militares que estavam com o Bolsonaro, entre eles o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que deixou o Palácio do Planalto cinco meses após o início do governo , devido a discrepâncias com um dos filhos do presidente.

A expectativa de Moro é que outros soldados também se juntem à sua campanha e, assim, gerem danos consideráveis ??à base de apoio do presidente. Moro também tem uma boa chegada ao mundo financeiro, cada dia mais insatisfeito com a gestão do ministro Paulo Guedes e, portanto, do governo Bolsonaro.

O ex-ministro não faz menção a grupos neonazistas, mas quem o conhece diz que sua ambição de poder é gigantesca e pode levá-lo a adotar um discurso mais extremo, se seu cálculo político indicar que se volta mais para a extrema direita poderia beneficiá-lo. Na semana passada, Moro disse: “Vamos valorizar as Forças Armadas, devemos respeitá-las como instituição do Estado e nunca usá-las para promover ambições pessoais ou interesses eleitorais. As Forças Armadas são dos brasileiros e não de um governo ”. Uma mensagem direta ao chefe de Estado, que, no dia seguinte, declarou que os militares “representam a garantia de que podemos, sim, sonhar com dias melhores”.

Hoje ninguém duvida que a direita e a extrema direita são forças de enorme peso na política brasileira. Com o Bolsonaro foram incentivados a exprimir publicamente as suas ideias e nada parece indicar que este fenómeno que surpreendeu muitos em 2018 se tenha enfraquecido ou, ainda mais, possa desaparecer. Muito pelo contrário.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Pandemic War

Pandemic War

Última atualização 18 JAN, 21:40

MAIS LIDAS

Guerras Híbridas Latinas