COBERTURA ESPECIAL - Guerra Hibrida Brasil - Inteligência

09 de Junho, 2020 - 12:12 ( Brasília )

Coup d´Presse - Raoni - "Bolsonaro se aproveita de coronavírus para eliminar indígenas"


Nota DefesaNet

Coup d´Presse - Termo criado por DefesaNet para caracterizar os contínuos ataques difamatórios e agressivos de uma série de jornalistas, apoiados pelos grande órgãos de imprensa e grupos políticos, que visam atacar os militares poara obter inconfessáveis resultados políticos golpistas.

Para a série de matérias Coup d´Presse acesse nas tags abaixo.

O Editor




O novo coronavírus, que atinge mortalmente o Brasil, não poupa os indígenas da Amazônia, em uma pandemia na qual seu porta-voz emblemático, o cacique Raoni, acusa o presidente Jair Bolsonaro de querer "se aproveitar" para eliminar seu povo.

"O presidente Bolsonaro quer aproveitar e está falando que o índio tem que morrer, que os índios têm que acabar", acusa Raoni Metuktire, cacique do povo Kayapó, em entrevista à AFP feita por vídeo de sua aldeia na Amazônia.

Incansável defensor dos direitos de seu povo, o cacique, de 90 anos, não mede as palavras contra o presidente de extrema direita, cuja saída ele já pediu e que tem feito declarações depreciativas sobre os autóctones.

Enquanto o novo coronavírus deixa mais de 33.000 mortos em todo o Brasil, o presidente Bolsonaro "não pensa em nós, indígenas", critica o cacique.

Raoni menciona "a precariedade do atendimento da saúde" ao seu povo, no qual a mortalidade é duas vezes maior que entre o resto da população, afetando crianças, inclusive bebês, em razão de uma imunidade mais frágil.

"Aqui no Brasil, as autoridades nunca pensaram em remover um paciente nosso para ser tratado e curado em hospital de Brasília para depois retornar bem para sua aldeia", prosseguiu o cacique ancião, com seus tradicionais cocar de penas amarelas e disco labial.

"Não sabemos o que eles (em Brasília) pensam de melhorar o atendimento à saúde do povo indígena", insistiu o cacique.

"Não deixo ninguém ir para as cidades"

"Esta doença é muito perigosa. Ela já começou a matar meu povo indígena em cada região", lamentou.

O cacique está confinado na floresta, em sua aldeia de Metuktire, no estado do Mato Grosso.

"Só vou sair da minha aldeia quando normalizar tudo", disse Raoni, que já percorreu o mundo para se reunir com chefes de Estado. "Depois, irei a França vê-los, meus amigos".

"Em me preocupo muito com meu povo agora. Falo muito com meu povo para permanecer aqui dentro da aldeia e não estou deixando ninguém ir para as cidades", explica o cacique, falando em seu idioma kayapó.

"Alguns não me entendem, continuam indo para a cidade, principalmente meus parentes da aldeia Kateté, até que eles levaram a doença para eles mesmos e uns parentes que conheço foram a óbito com essa doença", relatou Raoni.

Na aldeia de Gorotire, no estado do Pará, "essa doença matou cinco pessoas", lamentou o cacique.

A ONG francesa Planète Amazone (Planeta Amazônia) arrecadou dois terços de uma campanha de arrecadação de fundos de 60 mil euros para assegurar o confinamento das comunidades indígenas.

Mais após três semanas, 10 toneladas de alimentos básicos e produtos de higiene destinadas aos Kayapó estão bloqueadas pelos fornecedores, segundo a Planète Amazone, cujo presidente, Gert-Peter Bruch, denunciou "um excesso criminoso de burocracia". Com a falta de produtos, os indígenas precisam ir até as cidades se abastecer.

Da mesma forma, o fornecimento de medicamentos pelas ONGs a indígenas foi complicada por uma circular de Brasília, em 20 de maio.

Segundo a Associação de Povos Indígenas do Brasil (APIB), ao menos 211 indígenas morreram de coronavírus de um total de 2.178 contágios.

Delimitação de terras

A pandemia impediu Raoni de ir a Brasília para defender outra causa essencial dos indígenas: a delimitação de suas terras.

O cacique queria se reunir com o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Uma instrução normativa editada recentemente pela Funai autoriza com efeito imediato o desmonte de 237 terras indígenas que não tinham sido ainda delimitadas por decreto presidencial.

Tratam-se de terras do tamanho do território de Portugal, que podem ser ocupadas e desmembradas.

"Não! Isso não pode acontecer!", insurge-se o cacique. "Nossa terra não pode ser ocupada pelos invasores", fazendeiros, madeireiros e garimpeiros ilegais.

"Ele, como presidente", prosseguiu, referindo-se a Bolsonaro, "tem que demarcar as terras que ainda não foram demarcadas para que meu povo possa ali viver e se sentir bem".

"A Funai é nossa. Como órgão, não pode falar contra os indígenas (...) Tem que fazer seu trabalho e fazer demarcar terras indígenas que ainda não estão demarcadas".

Matéria Relacionada

 

Conselho Mundial de Igrejas mobiliza suas tropas “amazônicas” contra o Brasil
Importante texto do Alerta Ambiental sobre a mobilização internacional com o foco na Amazônia. O real objetivo da atual crise política brasileira.
Maio 2020 DefesaNet


Denunciado 'genocídio' de indígenas isolados na Amazônia
junho 2020 DefesaNet


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 16 JUN, 14:12

MAIS LIDAS

Guerra Hibrida Brasil