COBERTURA ESPECIAL - Guerra Hibrida Brasil - Pensamento

19 de Julho, 2019 - 12:44 ( Brasília )

Guilherme Fiuza - "O chapa-branca arrependido"




Guilherme Fiuza


Jornalista e escritor com mais de 200 mil livros vendidos, autor dos best-sellers “Meu nome não é Johnny” (maior bilheteria do cinema nacional em 2008), “3.000 dias no bunker” (história do Plano Real, também adaptado para o cinema), “Bussunda – A vida do casseta”, entre outros. Escreveu o romance “O Império do Oprimido” e é coautor da minissérie “O Brado Retumbante” (TV Globo), indicada ao Emmy Internacional. Twitter: @GFiuza_Oficial

 
O tal do “bolsonarismo” tem sido um fenômeno revelador no debate político nacional. Um estudo antropológico sério – que nunca será feito, claro – mostraria que os brasileiros que se acham cultos e civilizados tendem a preferir as caricaturas à realidade. Não para de sair gente do armário.
 
Lancemos aqui as bases para o tratado antropológico que nunca será feito – dividindo de forma arbitrária (e fascista e ditatorial) os democratas carnavalescos em quatro categorias. Não entram no estudo aqueles que não votaram em Bolsonaro porque não quiseram e ponto final. Esses não estão fazendo proselitismo sobre caricaturas, portanto apenas seguem suas convicções e isso não tem a menor graça. Contemplaremos só os acrobatas da lenda – que são a maioria.
 
A primeira categoria é a dos que aderiram ao “Ele Não” na eleição para poder sair daquele armário petista genérico – e poder voltar a ficar ao lado dos que exaltam a doce e charmosa lenda do bom ladrão. Estavam cansados de ser patrulhados pela MPB.
 
A segunda categoria é a daqueles que cansaram a beleza de todo mundo com aquele papo chato e burro de “sou de direita” (tipo sou Corinthians ou sou Flamengo) para se sentir heróis da resistência ao petismo. No que apareceu a caricatura bolsonarista, deram uma cambalhota no playground ideológico deles e viraram petistas de sinal trocado. Aí, se Bolsonaro virasse o Mahatma Gandhi ou a Madre Tereza de Calcutá, eles iam se horrorizar do mesmo jeito com seus maus modos.
 
A terceira categoria é a dos que foram “Ele Sim” (para derrotar o PT) e no dia 1º de janeiro já estavam de-ce-pi-ci-o-na-dos e fazendo cara de nojo para tudo – e esses dispensam explicação porque você já entendeu.
 
A quarta categoria é a mais intrigante. É composta pelos que apoiaram o novo governo, inclusive duelando bravamente contras as três categorias acima – todas no modo sabotagem frenética. Aí se dá a grande alquimia.
 
Não mais que de repente, justamente quando o governo emplacava agendas positivas como a lendária reforma da Previdência, os alquimistas da quarta categoria saem do armário com sua mutação chocante de antibolsonaristas! Você não entendeu: não é que tenham passado a fazer críticas que não faziam antes. Viraram militantes, corneteiros, tarados pelo fetiche de detonar a caricatura que até anteontem era uma grande convicção.
 
Freud foi chamado às pressas para explicar essas almas, mas respondeu em alemão: “Me inclui fora dessa”. O VAR também foi chamado, mas os árbitros de vídeo mandaram dizer que estavam no banho.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 25 SET, 16:40

MAIS LIDAS

Guerra Hibrida Brasil