COBERTURA ESPECIAL - Geopolítica Híbrida - Geopolítica

09 de Junho, 2021 - 09:30 ( Brasília )

Senado dos EUA aprova histórica lei de inovação para se contrapor à China

China acusa EUA de "delírio paranoico" por lei para contra-atacar peso econômico de Pequim

O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta terça-feira (8) por ampla maioria um projeto de lei que prevê investimentos vultosos em ciência e tecnologia, apresentado como "histórico" para contrabalançar a ameaça econômica da China e seu modelo "autoritário".

O plano destina mais de 170 bilhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento com o objetivo de incentivar empresas a produzirem semicondutores nos Estados Unidos.

A escassez mundial destes componentes, fabricados sobretudo na Ásia, afeta vários setores-chave, como a indústria automotiva e as comunicações, evidenciando a importância em poder produzi-los.

O texto foi aprovado por 68 votos a favor e 32 contra no Senado. Agora, terá que ser aprovado em caráter definitivo pela Câmara de Representantes, em uma data não fixada, e ser sancionado pelo presidente Joe Biden.

O presidente democrata comemorou a aprovação do projeto de lei, afirmando em um comunicado que os Estados Unidos estão mergulhados "em uma competição para vencer o século XXI".

"Enquanto outros países continuam investindo em sua própria pesquisa e desenvolvimento, nós não podemos ficar para trás. Os Estados Unidos mantêm sua posição como a nação mais inovadora e produtiva do mundo", declarou Biden.

A China, em guerra econômica com os Estados Unidos desde o mandato de Donald Trump, é um dos poucos temas nos quais Biden está de acordo com seu antecessor republicano e que conta com amplo consenso no Congresso.

"O projeto de lei entrará para a história como uma das coisas mais importantes que esta Câmara fez em muito tempo, uma declaração de fé na capacidade dos Estados Unidos em aproveitar as oportunidades do século XXI", disse o líder da maioria democrata no Senado, Chuck Schumer, no plenário do Senado antes da votação.

"Quem vencer a corrida das tecnologias do futuro será o líder econômico mundial, com profundas consequências também para a política externa e a segurança nacional", acrescentou.

O líder da minoria republicana na Casa, Mitch McConnell, lamentou que o plano tenha deixado de fora algumas medidas, mas acabou votando a favor.

"Das cadeias de abastecimento críticas à propriedade intelectual e a contrainteligência, aborda questões-chave que ajudarão a definir nossos fundamentos estratégicos nas próximas décadas", assegurou.

O investimento proposto "oferece uma oportunidade para que os Estados Unidos deem um golpe, para que respondam à concorrência desleal que vemos por parte do Partido Comunista Chinês", disse o republicano Roger Wicker, número dois da comissão de Comércio, onde o texto foi negociado.

US$ 50 bi para semicondutores

Washington acusa com frequência Pequim de espionagem industrial e de ameaçar sua segurança nacional.

O projeto de lei prevê destinar 52 bilhões de dólares a um plano para aumentar a fabricação nacional destes componentes.

Em sua apresentação, os congressistas tinham destacado que o Partido Comunista Chinês estava investindo "consideravelmente com mais de 150 bilhões" nestas tecnologias.

O projeto americano também autoriza 120 bilhões de dólares em financiamento para uma agência governamental, a Fundação Nacional da Ciência, a fim de pesquisar áreas-chave como a inteligência artificial e a ciência quântica.

Também inclui a dotação de 1,5 bilhão de dólares para o desenvolvimento da rede 5G, um dos principais focos de tensão entre a China e os Estados Unidos.

O governo Biden leva meses procurando formas de impulsionar a produção nacional de uma série de componentes industriais, como chips, para reduzir sua dependência de fornecedores estrangeiros.

O presidente americano emitiu uma ordem executiva em fevereiro na qual pedia às agências federais que estudassem o tema no prazo de cem dias.

Nesta terça, o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, elogiou o trabalho do Congresso com Pequim, inclusive o plano de ação industrial, para "fortalecer os Estados Unidos".

Os "investimentos em nossa tecnologia, os investimentos em nossos trabalhadores, os investimentos em inovação, pesquisa e desenvolvimento, todas essas coisas juntas são a forma como enfrentamos a China de uma posição de força".

China acusa EUA de "delírio paranoico" por lei para contra-atacar peso econômico de Pequim

A China acusou nesta quarta-feira (9) o governo dos Estados Unidos de "delírio paranoico" após a aprovação pelo Senado americano de um projeto de lei de política industrial destinado a contra-atacar a crescente ameaça econômica de Pequim.

Os partidos americanos superaram as divisões e apoiaram na terça-feira um plano que destina mais de 170 bilhões de dólares para pesquisa e desenvolvimento, uma das conquistas mais significativas no Congresso desde o início da presidência de Joe Biden em janeiro.

A Lei de Inovação e Concorrência dos Estados Unidos representa o maior investimento em pesquisa científica e inovação tecnológica "em gerações", afirmou o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer.

"Estamos em uma competição para vencer o século XXI, e hoje foi dado o tiro de largada", disse Biden. "Enquanto outros países continuam investindo em sua própria pesquisa e desenvolvimento, nós não podemos ficar para trás", completou.

O projeto de lei é considerado crucial para os esforços dos Estados Unidos em sua disputa com a China por inovação tecnológica.

Mas a Comissão de Relações Exteriores da Assembleia Popular Nacional da China considerou o projeto a lei uma tentativa de interferir nos assuntos internos do país e privá-lo de seu "legítimo direito ao desenvolvimento por meio da tecnologia", informou a imprensa estatal.

"A lei mostra que o delírio paranoico do egoísmo distorceu a intenção original da inovação e concorrência", afirmou a Comissão, de acordo com a agência oficial de notícias Xinhua.

A Comissão do principal órgão legislativo chinês considera que o projeto está "repleto de mentalidade da Guerra Fria e preconceitos ideológicos".

Líder em inovação

O pacote de medidas, incluindo um dispositivo que aborda a escassez de semicondutores que provocou este ano a desaceleração da produção de automóveis nos Estados Unidos, ajudará a indústria americana a reforçar sua capacidade e a melhorar sua tecnologia.

O projeto de lei será enviado agora à Câmara de Representantes.

"O Senado deu um passo decisivo e bipartidário para faze os investimentos que precisamos para continuar o legado dos Estados Unidos como líder mundial em inovação", afirmou a secretária do Comércio dos Estados Unidos, Gina Raimondo, em um comunicado.

"Este financiamento não se limita a solucionar a atual escassez de chips semicondutores, trata-se de investimentos a longo prazo", completou.

Schumer considerou a medida "uma das coisas mais importantes que esta Câmara fez em muito tempo, uma declaração de fé na capacidade dos Estados Unidos em aproveitar as oportunidades do século XXI".

O projeto aborda uma séria de áreas tecnológicas nas quais o país ficou para trás da China e destina, entre outros valores, 52 bilhões de dólares a um plano para aumentar a fabricação nacional semicondutores.

Também financia com 120 bilhões de dólares em cinco anos as atividades da Fundação Nacional da Ciência, com o objetivo de desenvolver áreas-chave como a inteligência artificial e a ciência quântica.

Além disso, facilita a colaboração entre empresas privadas e universidades nas pesquisas.

Schumer declarou que o país que aproveitar de modo mais eficiente as tecnologias como a inteligência artificial, a robótica e a computação quântica poderá definir a inovação do futuro e criticou o presidente chinês Xi Jinping.

Um resumo do projeto de lei do Senado afirma que a China está "investindo agressivamente mais de 150 bilhões de dólares" na fabricação de semicondutores para controlar esta tecnologia avançada.

O líder da minoria republicana no Senado, Mitch McConnell, lamentou que as medidas continuam "incompletas", mas acabou votando a favor e o texto foi aprovado por ampla margem.

 

 



Outras coberturas especiais


Task Force Brazil

Task Force Brazil

Última atualização 15 JUN, 19:30

MAIS LIDAS

Geopolítica Híbrida