COBERTURA ESPECIAL - Front Interno - Segurança

21 de Janeiro, 2021 - 22:10 ( Brasília )

Fábio Costa Pereira – Inversão de Valores Midiática

A construção de uma narrativa que enfraquece a polícia, mas enaltece aquele bandido que poderá te matar



FABIO COSTA PEREIRA
Tribuna Diária

Ao assistir aos noticiários em geral e a análise de nossos “especialistas em Segurança Pública”, cuja vivência no dia a dia operacional é zero, em regra tenho o desprazer de ver e ouvir equivocadas análises sobre a área e os seus operadores.

Quando a análise se centra na atuação das policias brasileiras e de nossos policiais, o cenário analítico, então, apenas faz piorar.

Não raras vezes as polícias brasileiras são retratadas como violentas, por demais letais e que não respeitam os direitos e garantias individuais.

A virulência, a crueldade dos criminosos e a sua capacidade de causar danos ao contexto social pura e simplesmente é esquecida.

No verdadeiro julgamento público a que são submetidos, os policiais são colocados no banco dos réus e os criminosos tratados como vítimas.

É muito revoltante.

Falácias e mais falácias seguidas por afirmações ideologicamente construídas são vertidas como verdades.

Dizem os “analistas” que a nossa polícia mata por demais e que a maior parte dos policiais morre estando de folga, dando a entender, assim, que não morreram por sua singular condição de agentes da Lei e da Ordem, a justificar os crimes ao diluírem-nos nas estatísticas gerais.

O melhor, no entanto, como a cereja do bolo de construções abstratas, é que não falta quem sustente que a violência por parte da polícia gera mais violência , fazendo com que os criminosos, por esse motivo, tornem-se mais violentos.

Entenderam do que se trata? É o velho e bom discurso do vitimismo. Do afirmar que Bandidos são bons de “per si” e que o Estado, com a sua intolerância e repressão, torna-os bestas-feras.

Dessa forma, a responsabilidade pessoal do agente criminoso é coletivizada, criminalizando o opressor, no caso a polícia, e exculpando o bandido.

“Oh my God”, em que mundo este pessoal vive para fazer tais afirmações?

Não sabem eles que no Brasil policial é e deve ser policial 24h por dia? Que criminosos, ao matarem policiais, ganham prestígio no mundo da criminalidade e que isso fomenta a morte de mais policiais? Que o crime organizado, violento e de rua, é comandado por corporações criminosas que contam com milhares de “colaboradores”? Que a nossa polícia é obrigada a combater sicários fortemente armados com recursos materiais inferiores?

Os meus questionamentos, por óbvio, são meramente retóricos.  Eles sabem, e sabem muito bem, de tudo isso do que falei, mas objetivo de suas afirmações é a construção de uma narrativa que enfraqueça a polícia enquanto instituição.

O dia em que a mídia nacional quiser fazer uma reportagem séria sobre o assunto deverá ouvir os verdadeiros especialistas em segurança pública, os policiais que tomam tiros todos os dias para nos proteger, e não acadêmicos que conhecem o fenômeno pelas gravuras de seus livros ou fotos da internet.

Quando eles tiverem coragem de dizer que os policiais brasileiros têm mais do que o dobro da possibilidade de serem mortos por bandidos do que a população normal, começarei a ver a luz no fim do túnel (e não será o trem).

Até lá continuarei usando o jocoso Barão de Itararé como guia: “ de onde menos se espera, daí que não vem nada mesmo”.

E que Deus tenha piedade de nós!


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Especial Espaço

Especial Espaço

Última atualização 26 FEV, 21:13

MAIS LIDAS

Front Interno