COBERTURA ESPECIAL - Front Interno - Inteligência

14 de Março, 2020 - 22:30 ( Brasília )

Coup d´Centre: Dória - Bolsonaro desrespeita Congresso e Judiciário e estimula 'miliciamento' de polícias

Tucano sobe o tom contra o presidente, apoia o Parlamento e vê risco de miliciamento de polícias pelo governo


 

Igor Gielow
São Paulo
Folha de São Paulo


Para o governador João Doria (PSDB-SP), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desrespeita o Congresso e o Judiciário, aumentando a crise econômica e política do país e aglutinando contra si governadores de estado.

“Vejo com profunda preocupação. O afastamento entre Poderes aumenta a crise e gera insegurança entre investidores”, disse o tucano à Folha na noite de quinta (12), no Palácio dos Bandeirantes.

Após passar um ano se distanciando do presidente, apesar de ter surfado a onda conservadora que levou Bolsonaro à Presidência, Doria subiu bastante o tom e agora é só críticas ao titular do Planalto.

Segundo ele, “a política prejudicou a economia” e “o Brasil não pode ser governado com ódio”. Ficou ao lado da Câmara na disputa acerca do manejo de R$ 30 bilhões do Orçamento, rejeitou a convocação de atos contra o Congresso por Bolsonaro e não criticou a pauta-bomba de R$ 20 bilhões aprovada em retaliação por deputados.

Clima para impeachment? O governador não diz isso, mas lembra ironicamente que o próprio Bolsonaro poderia resolver sua dúvida acerca da legitimidade do pleito de 2018 convocando novas eleições.

Provável presidenciável em 2022, Doria disse que Bolsonaro logrou fazer uma união inédita entre governadores antes rivais, e vê com preocupação o precedente da condução da crise do motim da Polícia Militar do Ceará. Para ele, o governo estimula o “miliciamento de polícias” em todo o país, inclusive São Paulo.

Doria tentou se diferenciar de Bolsonaro como um ator racional na condução da crise do novo coronavírus —enquanto o presidente seria um “ausente”, ainda que o tucano elogie o trabalho do ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde).

A conversa ocorreu antes da definição sobre a infecção ou não de Bolsonaro pelo vírus. Em todo o palácio paulista há potes de álcool gel para desinfecção das mãos. “Não mudamos a rotina”, disse, ressalvando que “a decisão de hoje pode ser mudada amanhã”.

Governo de João Doria em São Paulo
 
Como o sr. avalia a condução da crise do coronavírus, do ponto de vista federal e dos outros estados? Eu não quero avaliar outros estados. Sobre o governo federal, são duas avaliações. Do ponto de vista de saúde, o ministro Luiz Henrique Mandetta tem conduzido até aqui muito bem o processo, com equilíbrio, amparo de informações corretas, e não de forma intuitiva ou política.
Ele tem realizado uma boa interação com o Governo de São Paulo. Espero que ele não se contamine. Não pelo vírus, mas pela falta de ação republicana. Até aqui, tem se comportado exemplarmente.

E o presidente?

O presidente está ausente desse processo, e cometeu o equívoco de minimizar o efeito do coronavírus. Creio que ele estava um pouco desinformado.

O sr. teme que a prudência adotada na crise, pregando maior racionalidade, possa se voltar contra o sr. caso a epidemia saia de controle?

Eu tenho deixado claro que a pandemia exige uma avaliação diária, com decisões diárias. O que você não pode fazer é prognósticos antecipados. Em saúde, você tem que trabalhar com pesquisa e informação, não com especulação.

A decisão de hoje pode ser revista amanhã. Neste momento, a minha obrigação é decidir baseado na medicina, não na política.

A decisão de ordem política é a mais fácil, mas é a mais dolorida e a que vai gerar mais vítimas, não só do ponto de vista da saúde, mas da economia, da movimentação, do abatimento psicológico.

O governo tem uma estimativa de impacto econômico da crise?

Antes que haja impacto, estamos preparando medidas que deverão ser anunciadas amanhã [nesta sexta, 13] para estimular a economia paulista. Será a primeira parte, em etapas, como as decisões sanitárias.

Não irei adiantá-las para não ser desleal à equipe. Vamos manter a vitalidade da economia do estado que mais cresceu em 2019, com 2,8% de aumento no PIB. Tivemos R$ 101 bilhões em novos investimentos em São Paulo no ano passado.

Falando em economia, como o sr. vê o momento atual? De repente, o ministro Paulo Guedes quer dar 15 semanas para “resolver tudo”, com a balbúrdia instalada no Congresso.

A política prejudicou a economia. A política econômica desenhada pelo Guedes, com uma visão liberal, privatizante, descentralizante, que poderia ter sido praticada ao longo desses primeiros 12 meses, foi totalmente prejudicada por uma índole política conturbada, agravada por ódios, ataques, distanciamento do Congresso, relações tumultuadas com o Judiciário, inadequadas com a imprensa, tudo isso gerou um clima de conflagração no país e, claro, prejuízo à economia.

O sr. não considera o Guedes como responsável também?

Não, essencialmente, mas ele acabou entrando dentro desse clima. Afinal, cabe o quê ao Paulo Guedes a não ser defender o presidente, que é o chefe dele? Ele tem duas opções: ou defende o presidente ou pede para sair.

E a crise escalou, com dólar batendo em R$ 5, impacto externo, Bolsa derretendo.

Vejo com preocupação, assim como na questão sanitária. Estamos mobilizados. Na área econômica, contamos com pessoas experientes, especialmente com o [secretário da Fazenda] Henrique Meirelles, que ajudou a resgatar uma economia em grave crise e a estabilizou nos dois anos em que foi ministro da Fazenda.

O PIB não vai crescer com comediante ridicularizando a imprensa, comentando o PIB [em referência ao episódio em que Bolsonaro levou o comediante Carioca, fantasiado de presidente, para tripudiar de jornalistas que queriam um comentário sobre o fraco desempenho da economia].

O clima no Congresso ecoa 2015, quando Eduardo Cunha presidia a Câmara e entrou em conflito com Dilma Rousseff, aprovando pautas-bombas, num processo que desaguou no impeachment. O sr. vê esse paralelo?

Vejo com profunda preocupação o desrespeito do Poder Executivo ao Poder Legislativo e ao Poder Judiciário. O afastamento entre Poderes aumenta a crise e gera insegurança entre investidores.

O sr. acha que a reação do Congresso na crise, aprovando uma pauta-bomba com a expansão de R$ 20 bilhões de gasto com o Benefício de Prestação Continuada, foi adequada? Não é algo no limite da irresponsabilidade?

Eu não quero fazer avaliação sobre o Congresso, até porque não estou lá, não sou capaz de fazer isso de forma completa e justa. O que posso avaliar é que o afastamento do Poder Executivo do Legislativo e do Judiciário, o estímulo a manifestações contra o Congresso, não contribuí para a estabilidade do país e para o processo democrático.

Não tenho nada contra manifestações públicas, elas são parte da democracia, mas não cabe a um Poder constituído estimulá-las.

O sr. vê uma situação de ruptura maior? A acomodação depende do presidente?

Ele foi eleito pelo voto popular, embora ele mesmo duvide de sua própria eleição, algo absolutamente incomum. Se há dúvida, que ele participe de uma nova eleição, aproveite que temos eleição em outubro e submeta-se novamente ao voto popular. Será uma forma de ele convocar o povo à rua. Não vai custar um centavo a mais, colocar um quadro a mais na urna eletrônica e ver quem são os candidatos.

O sr. concorreria?

Não estou falando isso [risos].

Sim, eu estou perguntado.

Não é hora. Ele que tem dúvida da eleição dele.

Desde o começo do ano, com a questão do ICMS da gasolina, passando por notas conjuntas, há uma coordenação que parece maior entre os governadores ante o Planalto. Como o sr. avalia isso e o fato de que os estados têm peso diferente na hora de se relacionar com Brasília, pois muitos dependem de repasses federais.

Os ataques do presidente Bolsonaro aos governadores e a forma desrespeitosa com que ele se dirigiu a alguns deles, entre os quais o Rui Costa [PT-BA], o Camilo Santana [PT-CE] e Wilson Witzel [PSC-RJ] e a mim mesmo, demonstram o desprezo dele pelo pacto federativo e a falta de compromisso democrático de governar com todos.

Para quem disse repetidas vezes “Menos Brasília, mais Brasil”, ele está fazendo exatamente o inverso. Muito de Brasília, nada de Brasil. O resultado disso é que os governadores do Brasil nunca estiveram tão unidos. Deixaram de lado diferenças partidárias, ideológicas, e caminham unidos. Não vou dizer 100%, mas majoritariamente.

Qual a natureza de sua aproximação recente com o Witzel, com o lançamento do Gustavo Bebianno como candidato a prefeito no Rio pelo PSDB? Os srs. eram vistos como rivais, apesar de terem sido eleitos na mesma onda conservadora.

Nossa relação sempre foi boa, eu, ele e o Ibaneis Rocha [MDB-DF] somos coordenadores do Fórum de Governadores. Mesmo quando o Witzel defendeu sua candidatura à Presidência, ou na disputa para sediar a Fórmula 1, nós nunca nos distanciamos. Posso dizer que agora, graças ao presidente Bolsonaro, a relação está mais forte do que nunca.

O que é uma curiosidade, dado que ambos foram eleitos com o mesmo voto que levou Bolsonaro ao Planalto e depois se afastaram do presidente.

É. O Brasil não pode ser governado com ódio.

O sr. vê um precedente perigoso no motim da PM do Ceará, com a atitude algo leniente do ministro Sergio Moro, o quase cancelamento da ajuda federal, o apoio ao movimento dado pelo diretor da Força Nacional?

Abriu-se sim. O governo conduziu muito mal o processo da GLO [Operação de Garantia da Lei e da Ordem, a intervenção com tropas federais]. Nessa insubordinação de parte da PM do Ceará, o tratamento foi de quase indiferença. Só houve uma reação quando o governo ameaçou não renovar a GLO, e aí os governadores disseram que iriam enviar tropas de seus estados para auxiliar o Ceará. É preciso governar o Brasil, não a Aliança [partido que Bolsonaro pretende criar], ou para os que lhe são simpáticos e lhe adulam
.
Nessa questão dos motins na segurança, insatisfação salarial policial, o sr. tem alguma preocupação específica com São Paulo?

São Paulo tem sua situação com a Polícia Civil, PM, Polícia Científica e sistema prisional sob controle. Isso não implica não haver preocupação com que o estímulo ao miliciamento das polícias possa comprometer essa relação institucional em todos os estados, não só em São Paulo.

Está equacionada a questão da saída do coronel Marcelo Salles [ex-comandante da PM paulista, que deixou o cargo na semana passada]?

Nunca houve problema algum, zero.

Especula-se no mundo político sobre a possibilidade de o prefeito Bruno Covas [PSDB-SP] não poder dar continuidade à sua candidatura, em caso de o seu tratamento contra o câncer assim exigir. Como o sr. vê o quadro no caso de ele não poder concorrer?

Não há nenhuma dúvida em relação à candidatura do Bruno Covas. O tratamento que ele está recebendo permite a campanha e permitirá que ele assuma seu segundo mandato. Só há um plano B, de Bruno Covas.

E a vaga de vice? O sr. vê a possibilidade de o apresentador José Luiz Datena [MDB] entrar nela?

Isso será definido até o fim de abril. O protagonista dessa definição é o Bruno. Todas as possibilidades serão analisadas, uma delas será contemplada.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Dossiê EMBRAER

Dossiê EMBRAER

Última atualização 30 OUT, 13:20

MAIS LIDAS

Front Interno