COBERTURA ESPECIAL - Gripen F39E/F - Aviação

10 de Março, 2021 - 09:00 ( Brasília )

Gripen F-39 - Impacto da indústria da defesa na região do ABC pode atingir até R$ 16,5 bi

Estimativa considera os quatro anos em que braço da Saab vai produzir peças para aviões-caça em São Bernardo

Soraia Abreu Pedrozo
Diário do Grande ABC
07 Março 2021

 

O impacto da indústria da defesa no Grande ABC pode chegar a até R$ 16,5 bilhões em quatro anos. O montante equivale a 13,4% do PIB (Produto Interno Bruto) estimado para o Grande ABC em 2020, de R$ 123,2 bilhões, conforme cálculos do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura da Universidade Municipal de São Caetano).

A projeção de movimentação da economia da região pelo setor da defesa foi realizada com base nos números do Projeto Gripen, que contempla a aquisição, até 2024, de 36 aviões-caças pela FAB (Força Aérea Brasileira), a fim de renovar a frota para executar a defesa e segurança das fronteiras nacionais. Deste total, 15 modelos (42%) serão montados inteiramente no Brasil. O contrato, de 39,3 bilhões de coroas suecas, perfaz total estimado de US$ 4,67 bilhões (R$ 26,5 bilhões), dos quais US$ 1,95 bilhão (R$ 11,1 bilhões) será gerado no Brasil. Ou seja, este é o valor estimado da produção dos caças no País, mas como a indústria aeronáutica se concentra em São Paulo, os ganhos derivados destes US$ 1,95 bilhão estarão concentrados no Estado.

Não foram incluídos nos valores as aeronaves feitas parte lá e parte aqui porque há custos de logística envolvidos entre São Bernardo, onde está a SAM (Saab Aeronáutica Montagens), Gavião Peixoto (Interior), onde será feita a montagem dos caças pela Embraer, e Linköping, cidade sueca onde são montados os aviões.

Os cálculos foram feitos a pedido do Diário pelo pesquisador do Conjuscs e gestor do curso de ciências aeronáuticas da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Volney Gouveia, que também é autor do livro A economia do transporte aéreo. O especialista pondera, no entanto, que insuficiência de dados e a não divulgação de informações pelas empresas – que as julgam estratégicas – levaram à realização de estimativa com base nos dados divulgados pela imprensa e órgãos oficiais. “Com base nesses números, métodos de estimativa dos efeitos multiplicadores da produção sobre a renda de um conjunto de atividades econômicas foram utilizados”, explica Gouveia.
 
O voo inaugural do avião caça Gripen E no céu brasileiro, em setembro do ano passado, foi o gatilho de importante capítulo no desenvolvimento da indústria da defesa e na região, onde está a SAM, fábrica de aeroestruturas que começou a operar em julho de 2020. Em dezembro, foi entregue sua primeira encomenda, o cone de cauda e, na semana passada, foi anunciada a segunda, o par de freios aerodinâmicos – leia abaixo entrevista com Ola Rosén, diretor de operações da SAM.

Informação divulgada pela Saab no Senado à época da assinatura do contrato, em 2013, era a de que o Brasil seria parceiro do Gripen NG e teria “até 40% do desenvolvimento e até 80% da produção de estruturas com exclusividade mundial”. Neste sentido, Gouveia estimou os impactos para diferentes cenários de produção de parte do Gripen pela SAM: 20% e 80%.



REFLEXOS NA REGIÃO

Em um cenário mais conservador, a produção de 20% de US$ 1,95 bilhão no Grande ABC pode ter impacto global (portanto, em quatro anos) de US$ 730 milhões (R$ 4,16 bilhões), dos quais a indústria poderia responder por US$ 556 milhões (R$ 3,14 bilhões) ou 76% do total, seguida pelo segmento de serviços, com US$ 161 milhões (R$ 911 milhões) ou 22%. Tais valores se referem aos impactos nos diversos segmentos produtivos na região.

O pesquisador afirma que, caso consideremos o número da própria Saab, de 80% da produção dos componentes do Gripen, os efeitos serão mais expressivos: US$ 2,9 bilhões (R$ 16,5 bilhões) no período 2020 a 2024, com o setor da indústria podendo responder por US$ 2,2 bilhões (R$ 12,5 bilhões) e, o de serviços, US$ 640 milhões (R$ 3,6 bilhões). “No entanto, avalio esses números muito otimistas. Até porque existe uma cadeia de suprimentos bastante consolidada pelo Interior de São Paulo, que compete diretamente os investimentos com a região do Grande ABC.”

Experiência é oportunidade para ampliar produção e gerar empregos

Embora acredite que a injeção de 80% dos valores movimentados com a produção dos caças no Grande ABC seja otimista, o pesquisador do Conjuscs Volney Gouveia aponta que, potencialmente, há boas perspectivas de adensamento da indústria da região. E, mais que isso, existe grande oportunidade de diversificar a produção e gerar empregos.

“Isso dependeria da resposta dos investidores às alternativas de longo prazo. Como esse empreendimento tem ‘data para acabar’, é importante que outros caminhos se abram, como, por exemplo, a diversificação das plantas industriais para produzir não apenas componentes de aeronaves, mas também equipamentos de tráfego áereo e aeroespaciais, o que já tem sido feito pela SAM (Saab Aeronáutica Montagens)”, diz.

Outro fator relevante, conforme Gouveia, é a existência de troca de tecnologias entre os dois países, com profissionais brasileiros e suecos tendo acesso ao conhecimento gerado, o que permitirá ao Brasil entrar, no futuro, neste mercado de caças e passar a exportar, ampliando o portfólio da própria Embraer e abrindo perspectivas para expansão da participação do Grande ABC.

Nos últimos anos, tem havido na região o surgimento de cursos relacionados ao sistema de aviação civil e militar, lançados por instituições de ensino que já são bastante consolidadas. “É criarmos as condições para aproveitar toda a curva de aprendizado que se está formando”, assinala.

A indústria local não tinha tradição no ramo aeronáutico até 2013, quando o acordo com a Saab foi firmado. “Ao contrário de todas as compras feitas pelo Brasil até então, não havia troca de conhecimento e tecnologias. O acordo entre FAB e Saab abriu espaço para isso. Ou seja, a Embraer passará a incorporar técnicas de produção de caças, e isso é muito positivo porque, a exemplo do cargueiro KC-390, o Brasil poderá, no futuro breve, entrar também no mercado de caças e ampliar sua presença no mercado internacional.”



Instalações da SAM, em São Bernardo do Campo.

SAM começa 2021 a pleno vapor

Houve investimento adicional para que a produção dos freios aerodinâmicos tivesse início? Quanto já foi investido na produção?

A fábrica de aeroestruturas da Saab no Brasil, localizada em São Bernardo, trará grandes benefícios para a sociedade ao gerar empregos, movimentar a base da cadeia de suprimentos e serviços da cidade, além de contribuir com impostos. Por motivos comerciais, a Saab não fornece números de investimentos, mas temos a certeza de que esse investimento da Saab se traduz em desenvolvimento social e econômico para São Bernardo e todo o Grande ABC.

Fornecedores do Grande ABC participaram desse processo produtivo? Caso sim, quais? E quantos?

Temos contrato com diversos fornecedores da região para serviços de segurança, de limpeza, de consultoria de segurança e ambiental, de calibração, de suprimentos de ferramentas manuais simples, de tecnologia da informação e comunicação, entre outros. Por questões comerciais, não divulgamos informações sobre nossos fornecedores, mas buscamos continuamente prestadores de serviço elegíveis no Grande ABC.

A partir deste ano, as aeronaves serão montadas totalmente no Brasil, não? Qual a previsão?

A Saab é responsável pela produção de 13 Gripen E (monoposto) (biposto)inteiramente na Suécia. Oito aeronaves começarão a ser fabricadas na Suécia e finalizadas no Brasil, com a participação de técnicos e engenheiros brasileiros. Essa integração faz parte da transferência de tecnologia prevista em contrato e visa proporcionar conhecimentos práticos necessários à execução dessas mesmas atividades no Brasil. Quinze aeronaves Gripen E/F serão montadas inteiramente no Brasil.

Foram contratados profissionais para atuar na fábrica de São Bernardo recentemente? Caso sim, quantos? Existem vagas em aberto? A perspectiva no fim do ano passado era ampliar de 70 para 80 até o fim do ano. Quantos desses foram admitidos e quais oportunidades ainda estão em aberto? Como fazer para se candidatar?

Atualmente, a fábrica de aeroestruturas da Saab no Brasil conta com 70 profissionais altamente qualificados, a maioria engenheiros e montadores. Mais da metade deles passou por treinamento teórico e prático na Suécia, por períodos que variam de 12 a 24 meses. Avaliamos constantemente a necessidade de novas contratações, conforme ampliamos a nossa capacidade de produção.

Qual é o próximo passo da fábrica em São Bernardo? O que deve ser produzido a partir de agora?

A fábrica de aeroestruturas da Saab no Brasil entregou o primeiro cone de cauda para o Gripen E/F em dezembro de 2020, quando a peça foi enviada para Linköping (Suécia) para montagem final. Em março de 2021 temos a entrega do primeiro par de freios aerodinâmicos, que deverá ser enviada para a fábrica em Linköping no início de abril. A produção segue agora com a fuselagem dianteira monoposto, fuselagem traseira, caixão das asas e a fuselagem dianteira biposto.



Cerimônia de inauguração da SAM, em 2018. Foto MSL


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Doutrina Militar

Doutrina Militar

Última atualização 16 ABR, 20:00

MAIS LIDAS

Gripen F39E/F