COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Terrestre

25 de Agosto, 2021 - 08:00 ( Brasília )

Sabre original do Duque de Caxias será exibido em cerimônia do Dia do Soldado


O sabre utilizado pelo Patrono do Exército Brasileiro, o Duque de Caxias, nas campanhas que o marcaram na história do Brasil será exposto na solenidade alusiva ao Dia do Soldado, no próximo dia 25. Esta é a quarta vez em toda a história que a relíquia sai das dependências do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), no Rio de Janeiro, para ser exposta em uma cerimônia externa.

Adquirido pelo então Barão de Caxias em 1841, o sabre o acompanhou nas campanhas de pacificação das revoltas liberais em Minas Gerais e São Paulo; na pacificação da revolução Farroupilha; nas batalhas da Guerra do Prata; e na Guerra da Tríplice Aliança. De acordo com o Capitão Antônio Ripe, historiador militar, o sabre que será exposto no dia 25 foi o mesmo que Caxias ergueu para inflamar as tropas brasileiras na histórica Batalha de Itororó, na Guerra da Tríplice Aliança.

“Ele é mencionado pelo ex-ministro Dionísio Cerqueira no episódio do Itororó, ocasião em que o Duque de Caxias passou, com seu sabre desembainhado, em frente às tropas e se lançou contra a Ponte do Itororó, dizendo: ‘Sigam-me os que forem brasileiros’. Esse ato inflamou a todos na tropa brasileira, que se lançou ao combate e venceu a batalha”.

O sabre permaneceu em posse do Duque até sua morte e foi deixado em testamento para o Brigadeiro João de Souza da Fonseca Costa, ex-chefe do estado-maior de Caxias e amigo pessoal do general. Em 1925, a relíquia foi doada ao Instituto Histórico Geográfico Brasileiro, que detém sua guarda até os dias de hoje. Desde que passou a ficar sob os cuidados do Instituto, o sabre de Caxias havia saído apenas por três vezes: em 1939, em 1978 e em 1980, na ocasião do centenário da morte do Duque.

“O sabre é a perenização da imagem do Duque de Caxias. Foi o instrumento com o qual o Duque cumpriu sua missão de liderança e tornou-se o Pacificador. E é uma espada invicta, uma vez que, com ela, o Duque jamais perdeu uma batalha”, destacou o Capitão Antônio Ripe.

Sabre



Arma de combate com 92 cm de comprimento, o sabre possui punho liso e branco de marfim ou osso. A cruzeta, em metal dourado, mede cerca de 15 cm e possui, no seu centro, a face esculpida de um leão, e, nas abas laterais, dragões que simbolizam a Casa de Bragança.

Na lâmina, estão lavrados florões e motivos fitomórficos e militares, uma coroa, uma panóplia com troféus de guerra, o brasão imperial e a inscrição “Duque de Caxias”.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Pandemic War

Pandemic War

Última atualização 22 OUT, 11:11

MAIS LIDAS

Ecos - Guerras, Conflitos, Ações