COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Naval

27 de Julho, 2021 - 10:00 ( Brasília )

Marinha realiza cerimônia em Memória aos Mortos em Guerra


O Comando do 1º Distrito Naval realizou, no dia 21 de julho, a Cerimônia em Memória aos Mortos da Marinha em Guerra, no Mausoléu do Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, no Rio de Janeiro (RJ). A data faz alusão ao afundamento da Corveta “Camaquã” e homenageia todos os marinheiros que perderam suas vidas no mar durante os conflitos que o Brasil participou.

A solenidade foi presidida pelo Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos. Durante a cerimônia, o Comandante da Marinha falou sobre o valor da data para a Força. “Os marinheiros de hoje prestam uma justa homenagem aos heróis do passado, que no cumprimento do dever sacrificaram as próprias vidas, defendendo o Brasil no mar. Muitos desses bravos marinheiros pereceram em rios e oceanos longínquos, sem direito a um túmulo, onde amigos e familiares pudessem chorar a saudade. Por isso, em suas memórias, todos os anos lançamos, dos nossos navios, flores ao mar. Jamais serão esquecidos!

Comandante da Marinha presta continência em homenagem aos marinheiros das Marinhas de Guerra e Mercante que pereceram ao defender a Pátria

Em alocução por vídeo, o Presidente do Centro de Capitães da Marinha Mercante, Capitão de Longo Curso Alvaro José de Almeida Junior, destacou que as homenagens históricas trazem identidade e sentido a uma Nação.

Uma oração solene foi realizada pelo Capelão-Chefe da Marinha, seguida da aposição floral em memória dos que pereceram e, concomitantemente, do lançamento de pétalas ao mar pelos tripulantes do Aviso de Patrulha “Marlim”, que se encontrava fundeado nas proximidades do Monumento.

Cerimônia em homenagem aos mortos da Marinha em Guerra

Na ocasião, ocorreram o disparo de cargas de fuzilaria pelo destacamento de Honras Fúnebres do Grupamento de Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro e as execuções da Marcha Fúnebre e do Toque de Silêncio. Também foram entoados os Toques de Alvorada e Vitória, seguidos da canção dos Combatentes da Segunda Guerra Mundial, simbolizando o reconhecimento eterno da Marinha por aqueles que se imortalizaram no mar a serviço da Pátria.

A solenidade contou com a presença de Chefes Navais, Ministro do Superior Tribunal Militar, membros do Almirantado, Almirantes, representantes do Exército, da Força Aérea, do Clube Naval, do Centro de Capitães da Marinha Mercante, da Sociedade da Marinha do Rio de Janeiro, da Comunidade Marítima, de Escoteiros do Mar e dos Bombeiros Militares do Estado.

Comando do 2º Distrito Naval homenageia Mortos da Marinha em Guerra



No dia 21 de julho, foi realizada a cerimônia em Memória aos Mortos da Marinha em Guerra, na sede do Comando do 2° Distrito Naval (Com2ºDN), em Salvador (BA).

Na oportunidade, foi lida a Ordem do Dia do Comandante da Marinha, seguida de uma salva de tiros e da execução do toque de silêncio. Na sequência, uma coroa de flores foi depositada na Baía de Todos-os-Santos, enquanto eram executados os Toques da Alvorada e da Vitória.

Por fim, os presentes cantaram a canção da Divisão Naval em Operações de Guerra (DNOG), de autoria do Comandante do Navio Tender “Belmonte”, Capitão de Corveta Benjamim Goulart. Presidida pelo Comandante do 2º Distrito Naval, Vice-Almirante Humberto Caldas da Silveira Junior, a cerimônia marcou o aniversário do naufrágio da Corveta “Camaquã”, ocorrido em 21 de julho de 1944, durante missão de escolta na Segunda Guerra Mundial, data que ficou consagrada à memória daqueles que, nas Marinhas de Guerra e Mercante, perderam suas vidas no cumprimento do dever em tempos de guerra.

Dentre os presentes, estava Raul Barreto Neto, escritor e historiador, neto do Capitão de Fragata Raul Barreto, sobrevivente da Corveta “Camaquã”.



Outras coberturas especiais


Task Force Brazil

Task Force Brazil

Última atualização 21 SET, 01:00

MAIS LIDAS

Ecos - Guerras, Conflitos, Ações