COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Terrestre

18 de Março, 2021 - 09:09 ( Brasília )

Os desafios das atividades presenciais na condução da educação militar nas escolas de formação


Socorro Maria de Jesus Seabra Sarkis

“A disciplina militar prestante não se aprende, Senhor, na fantasia, sonhando, imaginando ou estudando, senão vendo, tratando e pelejando.”
(Luís Vaz de Camões)

A crise provocada pela covid-19 colocou em discussão a manutenção ou não de atividades presenciais na formação militar durante o contexto de crises, o que impulsionou o estudo da aplicabilidade do Ensino a Distância (EaD) nas escolas de formação e, consequentemente, a substituição das atividades presenciais por EaD.

Entende-se a Educação a Distância como modalidade educativa apoiada por tecnologias em que discentes e docentes não estão fisicamente presentes em um mesmo ambiente de ensino e aprendizagem.

Este artigo tem a intenção de propor reflexões sobre a importância das atividades presenciais nas escolas de formação do Exército Brasileiro (EB), levando-se em consideração as instruções tipicamente militares. Para tanto, é importante ressaltar alguns entendimentos relacionados aos fundamentos da educação no EB.

As bases da educação militar: ensino, pesquisa e desenvolvimento de valores atitudinais

A organização do ensino é distribuída, basicamente, em dois blocos: o das disciplinas acadêmicas, a maioria ministrada em sala de aula, que, com relativas perdas, podem ser mais facilmente ministradas a distância; e o das disciplinas profissionais, em sua maioria desenvolvidas de forma prática, com emprego de material militar (pistolas, fuzis, granadas, carros de combate e equipamentos de engenharia, entre outros), além de exercícios no terreno, que envolvem, necessariamente, atividades em grupo e tornam-se impossíveis de serem conduzidas a distância.

Nesse tipo de atividade, pratica-se o “aprender fazendo”, que exige a existência do material e a presença do grupo. Por sua vez, os valores atitudinais, ligados à disciplina, ao respeito à hierarquia, à postura militar e à camaradagem, entre outros, são assimilados e praticados na rotina diária, desde o despertar, com o toque de alvorada, a arrumação da cama e do alojamento, até o corte de cabelo, o cuidado com o uniforme, as formaturas, enfim, tudo que permeia o cotidiano do aluno no quartel.

E tudo isso não pode ser feito a distância. Vale ressaltar a existência de um valor caro à carreira das armas, o “espírito de corpo”, definido no manual de Liderança Militar como “a alma coletiva dos integrantes de um grupo”. Esse valor só se desenvolve no convívio diário e em coletividade.

E tudo começa desde os primeiros dias de bancos escolares. Para o oficial combatente do Exército Brasileiro, é na Escola Preparatória de Cadetes “onde tudo começa”. A letra da canção da EsPCEx traz essa mensagem de forma clara, como se observa no trecho a seguir: “Certos de que venceremos/ Luta mesmo desigual, / Ombro a ombro marcharemos/ Para conquistar nosso ideal.” Compartilhar “ombro a ombro” os desafios escolares constitui-se, em si, elemento de fundamental valor pedagógico na formação militar.

As escolas militares, com o regime de internato, proporcionam ao militar uma formação específica, baseada na vivência e no compartilhamento de situações difíceis que exigem uma maior integração entre os indivíduos, o que reforça a ideia de grupo em que os interesses são partilhados e o valor do grupo sobrepõe-se ao do indivíduo.

As atividades militares são baseadas no trabalho em grupo, e as instruções militares, desde o início, ensinam que a menor fração de emprego militar é o grupo, seja ele de combate, de engenharia etc. Na cultura militar, há ênfase na subordinação da vontade individual à vontade do grupo, o espírito de corpo, conforme já citado.

Esse valor é basilar, o que reforça a necessidade do internato. O grupo é a característica central da sociologia militar, segundo Samuel Huntington (1996). Para ele, uma das principais características da profissão militar é a “corporatividade”, pois a atividade militar é exercida em grupo o tempo inteiro, uma vez que não existe combate isolado.

O desafio de alinhar o EaD às atividades presenciais na formação militar

No Exército, a Educação a Distância teve início em 1963, com o Curso de Preparação para a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO). Mais recentemente, em 2015, foi criado o Centro de Educação a Distância do Exército (CEADEx), com a finalidade de aprimorar a coordenação e o suporte para a Educação a Distância desenvolvida nos estabelecimentos de ensino do Exército Brasileiro.

No entanto, a EaD nunca foi aplicada nas escolas de formação. Existem aspectos relacionados à instrução militar nas escolas de formação que sugerem a necessidade de atividades presenciais. Primeiramente, porque não basta o ensino teórico, pois as instruções exigem manuseios, manipulação e atividades práticas, como o treinamento físico, importantíssimo para a carreira militar, com atividades em grupo diariamente.

Além dos aspectos de natureza metodológica relacionados ao ensino prático, existem aqueles de natureza sociológica, relacionados ao fato de a atividade militar só ter sentido em grupo. Não existe operação militar individual, o que pode haver são tarefas individuais, daí a importância do processo de socialização militar.

A formação da cultura militar exige tempo de convivência em escolas militares em regime de internato, pois longos afastamentos das escolas prejudicam esse processo. Tudo isso mostra a relevância das atividades presenciais na condução da educação militar nas escolas de formação, sem desconsiderar as qualidades das ferramentas de EaD.

Embora a Educação a Distância tenha ganhado destaque e seja uma alternativa para facilitar e acelerar a aquisição de conhecimentos, é necessário alertar para a dificuldade de sua aplicabilidade plena em alguns casos.

A Educação a Distância não veio, necessariamente, para substituir a educação presencial, mas, em alguns casos, para complementá-la. Talvez seja esse o caso da educação nas escolas de formação do Exército. Por tudo que foi exposto, fica evidente a impossibilidade de sua aplicação integral em substituição ao regime de internato nos estabelecimentos de ensino do Exército Brasileiro.

-x-

Sobre o autor: Socorro Maria de Jesus Seabra Sarkis - Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). Professora do Sistema Colégio Militar do Brasil no Colégio Militar de Manaus (1985), Colégio Militar de Fortaleza (1990), Colégio Militar de Salvador (2001). Nesses colégios, ministrou as disciplinas de Ciências e Biologia, com destaque em Feiras de Ciências e Olimpíada de Biologia.

Finalmente na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, de 2009 a 2012, na disciplina de Biologia. De 2013 a 2020, organizou o Plano de Gestão Ambiental e assessorou a Seção de Licitações e Contratos na implementação das Licitações Sustentáveis. Ministra palestras com o tema da Dissertação sobre Valores Éticos da Cultura Militar, disponível no link: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-14052019-122606/pt-br.php. Escreveu artigo “Valores Éticos na Cultura Militar – Alicerces fundamentais dos projetos educacionais do Exército Brasileiro”, Anuário da Academia Militar das Agulhas Negras, Ano 9, nº 7, 2019.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


100 Anos Blindados

100 Anos Blindados

Última atualização 17 ABR, 14:10

MAIS LIDAS

Doutrina Militar

4
13 ABR, 09:30

O soldado do silêncio