Patrulhas aéreas e motorizadas auxiliam na identificação e no combate a incêndios

Tenente Flávia


Por meio de patrulhas aéreas e motorizadas, realizadas pelo Comando Conjunto Norte (CCjN), com o emprego de militares do 53º Batalhão de Infantaria de Selva (53º BIS), foram identificados e combatidos mais dois focos de incêndio na segunda-feira (31). A ação ocorreu no município de Novo Progresso, no Pará. Também na segunda-feira, militares do 52° BIS combateram dois focos de incêndio nas áreas urbana e rural dos municípios de São Felix do Xingu e Canaã dos Carajás, também no Pará.

O CCjN inspecionou, ainda, diversos rios, abrangendo várias localidades dos Estados do Pará, do Maranhão e do Amapá. Para isso, foram empregados meios do 4º Distrito Naval. No total, 171 embarcações passaram por vistoria, sendo que três foram notificadas.

O Comando Conjunto Amazônia (CCjA), por meio do 9º Distrito Naval, atuou na inspeção de 65 embarcações, sendo dez apreendidas em Manaus, Humaitá e Itacoatiara, no Amazonas, e 26 autuadas em Porto Velho, em Rondônia e nos mesmos municípios amazonenses onde as outras foram apreendidas. Os militares desse Comando ainda combateram 14 focos de incêndio em Apuí, no Amazonas, e em Nova União e Mirante da Serra, em Rondônia.

Já o Comando Conjunto Oeste (CCjO) prosseguiu nas ações de apoio a agentes do Ibama e da Força Nacional de Segurança Pública, na fiscalização contra delitos ambientais e no levantamento de áreas com queimadas irregulares nas localidades de Querência e Juína, ambas em Mato Grosso. O 66° e o 44º Batalhão de Infantaria Motorizado (BI Mtz), em ação conjunta com o Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, combateram cinco focos de incêndio em Cáceres e na Chapada dos Guimarães.

O Comando Conjunto Oeste contabilizou, ainda, a vistoria de 22 veículos em Palmarito, Corixa e Fortuna, em Mato Grosso.

Resultados

Desde a deflagração da Operação Verde Brasil 2, em 11 de maio, militares e agentes de órgãos parceiros realizaram 27,698 mil inspeções navais e terrestres, vistorias e revistas em embarcações, das quais 754 foram apreendidas. Nos postos de bloqueio e controle de estradas, foram retidos 221 veículos por irregularidades. Volume superior a 28,8 mil metros cúbicos de madeira ilegal também foi confiscado, bem como apreendidas 791 máquinas de serraria móvel, tratores, maquinário de mineração, balsas, dragas e acessórios. Até o momento, mais de R$ 615,3 milhões foram aplicados em multas e termos de infração.

Guerra contra incêndios no Pantanal emprega 14 aeronaves

A guerra contra os incêndios nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, no Centro-Oeste do Brasil, segue com a disponibilização de 14 aeronaves, 31 viaturas e uma embarcação. Em parceria com agências federais e estaduais, integrantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica empregam aeronaves que transportam brigadistas e despejam água, durante os sobrevoos, para conter as chamas.

Nessa segunda-feira (31), a Operação Pantanal envolveu a atuação de 315 pessoas, sendo 185 militares e 130 agentes civis. Eles combateram três focos de incêndio nas regiões de Porto Jofre, Hotel Pantanal Mato Grosso e Fazenda Campo Largo, todas no município de Poconé, Mato Grosso. Houve, também, combate a dois focos de incêndio, nas localidades de Fazenda Santa Maria e Fazenda Rio Novo, em Barão de Melgaço, no mesmo estado.

Ainda na Fazenda Santa Maria, houve reconhecimento aéreo e transporte de pessoal com a utilização de um helicóptero UH-12.

Operação Pantanal

As Forças Armadas atuam, desde o dia 25 de julho de 2020, no combate a incêndio no Pantanal sul-mato-grossense. No dia 5 de agosto, as ações foram estendidas ao Pantanal mato-grossense. O Ministério da Defesa atende à solicitação recebida pelos dois estados.

O Centro de Coordenação da Operação está instalado no aeródromo do Sesc Pantanal, em Poconé (MT), ponto estratégico para o emprego dos meios. Participam da operação embarcações e helicópteros da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, além de Fuzileiros Navais com curso em

 

Operação Verde Brasil 2

A Operação Verde Brasil 2 é coordenada pelo Ministério da Defesa. Está no escopo do Conselho Nacional da Amazônia (CNA), conselho regulado pela Vice-Presidência da República em apoio aos órgãos de controle ambiental e de segurança pública. A missão deflagrada pelo Governo Federal, em 11 de maio de 2020, visa ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais na Amazônia Legal. A determinação presidencial para emprego das Forças Armadas em Garantia da Lei e da Ordem (GLO) foi publicada no Diário Oficial da União por meio do Decreto n° 10.341, de 6 de maio de 2020. Em 9 de julho, a GLO foi renovada até 6 de novembro, por meio do decreto presidencial 10.421.

Para cumprir a determinação presidencial, o Ministério da Defesa ativou três Comandos Conjuntos. São eles: Comando Conjunto Norte (CCjN), Comando Conjunto Amazônia (CCjA) e Comando Conjunto Oeste (CCjO). O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), da FAB, dá suporte às ações aéreas, em caráter permanente. Assim como na Operação Verde Brasil ocorrida em 2019, o Centro de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa coordena as atividades a partir da capital federal.

Ainda participam da missão integrantes da Polícia Federal, Policia Rodoviária Federal, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), Força Nacional de Segurança Pública, Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) e Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam).

Compartilhar:

Leia também

Inscreva-se na nossa newsletter