COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Aviação

08 de Outubro, 2021 - 06:00 ( Brasília )

Militares da FAB participam de Exercício de Defesa Cibernética

O Guardião Cibernético 3.0 é considerado o maior evento da área no Hemisfério Sul e, acontece de 5 a 7 de outubro, em Brasília (DF)

Tenente Letícia Faria E Major Oliveira Lima

O Guardião Cibernético 3.0 é um exercício simulado de atividades práticas de proteção cibernética, com a participação de líderes e especialistas de tecnologia da informação. Coordenado pelo Comando de Defesa Cibernética (ComDCiber), localizado em Brasília (DF), o evento ocorre de 5 a 7 de outubro e reúne 65 organizações e 350 especialistas em tecnologia da informação dos setores estratégicos do Brasil, entre civis e militares. A ação consta no calendário do Ministério da Defesa como parte da Estratégia Nacional de Segurança do País.

Nessa quarta-feira (6), o exercício promoveu um encontro com autoridades e imprensa, com o objetivo de apresentar parte da programação. Participaram, o Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, General Augusto Heleno Ribeiro Pereira e o Ministro de Estado da Defesa, Walter Souza Braga Netto, além do Chefe de Logística e Mobilização do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Tenente-Brigadeiro do Ar Heraldo Luiz Rodrigues.

O Coordenador do Exercício Guardião 3.0, Contra-Almirante Rucley Cantarin, comenta sobre as conquistas da atividade. “Esse é o maior ganho do exercício: possibilitar um ambiente em que as discussões de possíveis soluções, temática envolvendo cada um dos incidentes cibernéticos e que atinge uma ou outra infraestrutura crítica, seja discutido em um ambiente conjunto, cooperativo e interagências”, explica.

O Exercício Guardião Cibernético conta com a participação de representantes de órgãos ligados à Defesa Cibernética das Forças Armadas, com destaque para o Centro de Tecnologia da Informação da Marinha (CTIM), Centro Integrado de Telemática do Exército (CITEx) e Centro de Computação da Aeronáutica de Brasília (CCA-BR), os quais integram equipe conjunta para tratamento de incidentes de rede durante o exercício.

Conforme o Subchefe do Estado-Maior Conjunto do ComDCiber, Coronel de Artilharia Luiz Claudio Cunha, militares das três Forças estão envolvidos em todas as etapas do exercício. “Temos militares inseridos no setor defesa, participando dentro de um gabinete de crise e temos aqueles que compõem a nossa Direção de Exercício (Direx) e as simulações construtiva e virtual”, salienta.

Saiba o que é o Guardião Cibernético 3.0

A atividade tem o propósito de incrementar a proteção do espaço cibernético no âmbito da Defesa, por meio da atuação colaborativa junto a infraestruturas críticas dos seguintes setores: água, elétrico, financeiro, nuclear, telecomunicações e transportes. Em uma plataforma virtual, é instalado um cenário hiper-realista, criado sob medida, onde são realizados os ataques. Os participantes precisam tomar decisões em tempo real para defender as infraestruturas críticas instaladas no cenário.

O Chefe do Departamento de Gestão Estratégica do ComDCiber, Brigadeiro Intendente Luiz Fernando Moraes da Silva, comentou acerca da contribuição da FAB no Guardião Cibernético 3.0. “A Força Aérea contribui aqui com os exercícios dentro do ambiente de simulação construtiva da defesa, do ambiente de simulação virtual com nossas equipes de Tecnologia da Informação e dos Centros de Computação, de forma que esta atuação conjunta permite uma interoperabilidade maior, bem como a troca de experiência entre as Forças Singulares e a potencialização da Defesa Cibernética dentro do MD e das Forças”, destaca.

O Chefe da Seção de Comando e Controle da Terceira Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER), Coronel Aviador Claudio Duarte Faria, conta que, representando também a FAB, participam as equipes do Núcleo de Defesa Cibernética da Aeronáutica. “Esta é uma nova Unidade Operacional, que estamos formando, dedicada a nossa capacidade de defesa dos nossos meios e serviços à sociedade no ciber espaço”, diz.

Por fim, o Coordenador de Carga Aérea da Secretaria de Aviação Civil, Nilo Arthur Ferreira, que esteve no evento como organização civil, ressaltou o cumprimento da integração. “O exercício promoveu a integração dessas estruturas de segurança cibernética das empresas e organizações de aviação civil”, finaliza.



Fotos: Sargento Müller Marin/CECOMSAER -  Vídeo. Soldado A. Soares/CECOMSAER


Outras coberturas especiais


Expansão Chinesa

Expansão Chinesa

Última atualização 26 OUT, 22:00

MAIS LIDAS

Cyberwar