COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Segurança

10 de Março, 2020 - 11:25 ( Brasília )

Senador dos EUA expressa a Bolsonaro preocupação com negócios da Huawei no Brasil




O senador republicano Marco Rubio se reuniu nesta segunda-feira (9) com o presidente Jair Bolsonaro e expressou sua preocupação com a possibilidade de a empresa de tecnologia Huawei fazer negócios no Brasil.

Segundo pessoas próximas, o parlamentar americano transmitiu sua avaliação negativa sobre a firma chinesa e ainda conversou sobre a crise na Venezuela durante a cerca de meia hora em que ficou com Bolsonaro.

O encontro aconteceu em uma das salas do hotel em que o presidente está hospedado em Miami.

Desde o ano passado, autoridades do governo Donald Trump têm intensificado o lobby contra a entrada da Huawei no mercado brasileiro de 5G.

Em reuniões com integrantes do governo Bolsonaro, por exemplo, os auxiliares de Trump aproveitam para levantar questões sobre a segurança dos equipamentos da empresa chinesa, que estariam suscetíveis a ataques cibernéticos ou espionagem.

Para os americanos, o Brasil deveria tratar o caso como um tema de segurança nacional.

Eleito pela Flórida, Rubio se alinha a Trump no duro discurso contra a ampliação das atividades da Hauwei e contra os regimes de Cuba e da Venezuela, o que agrada aos latinos conservadores no estado.

O senador é um grande entusiasta da pressão feita contra o regime de Nicolás Maduro, outro tema constante das conversas entre Brasil e EUA.

Ainda está pouco claro, porém, quais novas medidas os americanos poderiam tomar em parceria com o Planalto em relação à crise que assola Caracas.

"Nesta manhã, encontrei com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Discutimos Venezuela e Huawei e meu forte apoio para um acordo comercial entre Brasil e EUA, o país se tornando parceiro global da OTAN e sua entrada na OCDE", escreveu Rubio em seu Twitter.

No fim do ano passado, o senador enviou carta a Trump pedindo o apoio dos EUA ao ingresso do Brasil no clube dos países ricos depois que o governo americano não endossou o movimento junto a OCDE de forma objetiva.

Neste domingo (8), o Brasil assinou um acordo militar inédito com EUA para tentar ampliar a participação do país no mercado de defesa americano, o maior do mundo.

O tratado é um desdobramento do status de aliado extra-OTAN concedido ao Brasil em março do ano passado.

Sobre acordo comercial, porém, os países tentam avançar nas tratativas, mas por ora só há ações para facilitação de negócios e não um apontamento para um acordo de livre-comércio.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 06 AGO, 16:30

MAIS LIDAS

Cyberwar