COBERTURA ESPECIAL - Crise - Geopolítica

26 de Fevereiro, 2019 - 11:50 ( Brasília )

Índia realiza ataque aéreo a suposto campo de militantes no Paquistão


A Índia disse que seus aviões de guerra atacaram um campo de treinamento de militantes dentro do Paquistão nesta terça-feira, matando “um número muito grande” de combatentes e elevando o risco de um conflito entre os vizinhos com armas nucleares, mas autoridades paquistanesas negaram ter havido baixas.

O ataque aéreo perto da cidade de Balakot, situada a cerca de 50 quilômetros da fronteira, foi a incursão mais profunda da Índia através da divisa desde a última de suas três guerras com o Paquistão, em 1971.

Islamabad repudiou a ação indiana e disse que reagirá em um momento e um local de sua escolha.        

Segundo o governo indiano, os ataques aéreos atingiram um campo de treinamento do Jaish-e-Mohammed (JeM), que assumiu a autoria de um ataque suicida com carro-bomba que matou ao menos 40 policiais paramilitares indianos na Caxemira no dia 14 de fevereiro. A ação foi ordenada, disse a Índia, porque sua inteligência mostrou que o Jaish estava planejando mais ataques.

“Diante do perigo iminente, um ataque preventivo se tornou absolutamente necessário”, disse o secretário das Relações Exteriores, Vijay Gokhale, aos repórteres.

“A existência de tais instalações de treinamento, capazes de treinar centenas de jihadistas, não poderia ter funcionado sem o conhecimento das autoridades paquistanesas”, afirmou Gokhale.

O Paquistão nega abrigar o JeM, grupo originalmente anti-Índia que forjou laços com a Al Qaeda e está em uma lista de terroristas da Organização das Nações Unidas (ONU) desde 2001. Em dezembro de 2001, combatentes do Jaish, além de membros de outro grupo militante radicado no Paquistão, o Lashkar-e-Taiba, realizou um ataque contra o Parlamento indiano que quase provocou uma quarta guerra.

Gokhale disse que “um número muito grande” de militantes morreu nos ataques com caças franceses Mirage 2000 contra um campo de treinamento do Jaish próximo de Balakot, cidade da província paquistanesa de Khyber Pakhtunkhwa.
 

Segundo Gokhale, o comandante do campo era Maulana Yusuf Azhar, cunhado do líder do JeM, Masood Azhar.

Uma fonte de alto escalão de Nova Délhi disse que 300 militantes morreram nos ataques e que os aviões de guerra penetraram até 80 quilômetros no Paquistão – mas não surgiram indícios imediatos para sustentar as afirmações sobre baixas de militantes.

Paquistão rejeita comentários indianos sobre "campos de terror", diz que retaliará "agressão"

Os principais líderes civis e militares do Paquistão rejeitaram nesta terça-feira os comentários da Índia de que atacou “campos de terror” em território paquistanês, prometendo provar que as alegações indianas estão erradas e alertando que retaliará a agressão indiana.

O Comitê de Segurança Nacional do Paquistão, que inclui as principais autoridades do país como o primeiro-ministro, Imran Khan, e o comandante do Exército, Javed Bajwa, informou em comunicado que rejeita “enfaticamente a alegação indiana de que atingiu um alegado campo terrorista perto de Balakot e a alegação de várias baixas”

O comitê disse que Khan vai “se envolver com a liderança global para expor a irresponsável política indiana”. Também alertou que “o Paquistão responderá no momento e local de sua escolha” à agressão indiana.

Ataque aéreo indiano em território paquistanês mata 300 militantes, diz fonte do governo

Um ataque aéreo indiano em território paquistanês matou 300 supostos militantes, disse uma alta autoridade do governo da Índia nesta terça-feira.

O ataque em campo de treinamento comandado por um grupo de militantes sediado no Paquistão elevou dramaticamente as tensões entre os dois países, que têm armas nucleares e que já travaram três guerras entre si.

 



Outras coberturas especiais


Gripen F39E/F

Gripen F39E/F

Última atualização 17 SET, 16:00

MAIS LIDAS

Crise