COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Geopolítica

04 de Novembro, 2021 - 01:00 ( Brasília )

Estados Unidos divulga relatório sobre o poder militar Chinês

O crescimento das capacidades militares da China surpreende analistas do Pentágono como indicado no relatório deste ano.

 

Redação DefesaNet

 
O Departamento de Defesa divulgou hoje (03NOV2021) seu relatório anual sobre desenvolvimentos militares e de segurança envolvendo a China, comumente referido como Relatório do Poder Militar da China.(Nota DefesaNet - O relatório na íntegra pode ser acessado nesta página)

O relatório fornece informações sobre a estratégia nacional da China, objetivos de política externa, planos econômicos e desenvolvimento militar.

"O relatório fornece uma avaliação básica do principal desafio do departamento e traça a modernização do PLA [Exército de Libertação do Povo] ao longo de 2020", disse um oficial de defesa na terça-feira. "Isso inclui o desenvolvimento de capacidades do PLA para conduzir ataques de precisão conjuntos e de longo alcance em todos os domínios; capacidades cada vez mais sofisticadas de espaço, contra-espaço e cibernética; bem como a expansão acelerada das forças nucleares do PLA."

Uma revelação importante no relatório são os avanços da China em sua capacidade nuclear, incluindo que o ritmo acelerado de sua expansão nuclear pode permitir que a China tenha até 700 ogivas nucleares entregues até 2027.

"O ritmo acelerado da expansão nuclear do PLA pode permitir que a RPC [República Popular da China] tenha até cerca de 700 ogivas nucleares entregues até 2027", disse o funcionário. "E o relatório afirma que a RPC provavelmente pretende ter pelo menos 1.000 ogivas nucleares até 2030 - excedendo o ritmo e o tamanho que projetamos no relatório 2020 China Military Power."



O relatório também revela que a China pode já ter estabelecido uma tríade nuclear, que inclui a capacidade de lançar tais mísseis do ar, solo e mar.

"A RPC possivelmente já estabeleceu uma nascente 'tríade nuclear' com o desenvolvimento de um míssil balístico lançado do ar com capacidade nuclear e a melhoria de suas capacidades nucleares terrestres e marítimas", diz o relatório.

 


Novo no relatório deste ano é uma seção sobre os esforços de pesquisa química e biológica das forças armadas chinesas. Ele afirma que a China se envolveu em atividades biológicas com aplicações potenciais de uso duplo e que isso levanta preocupações em relação ao cumprimento da Convenção de Armas Biológicas e Toxinas e da Convenção de Armas Químicas.

O relatório conclui que a China continua sendo clara em suas ambições de ser competitiva com potências militares de classe mundial, disse o funcionário do DOD.

“As capacidades e conceitos em evolução do PLA continuam a fortalecer sua capacidade de lutar e vencer guerras, para usar sua própria frase, contra o que a RPC chama de 'inimigo forte' - novamente, outra frase que aparece em suas publicações. inimigo forte ', é claro, é muito provavelmente um eufemismo para os Estados Unidos ", disse ele.

De acordo com o relatório, uma grande parte do esforço da China para igualar a força de um "inimigo forte" envolve grandes esforços de modernização e reforma dentro do exército chinês. Esses esforços incluem um esforço contínuo para alcançar a "mecanização", que o relatório descreve como os esforços do exército chinês para modernizar suas armas e equipamentos para serem conectados em um "sistema de sistemas" e também utilizar tecnologias mais avançadas adequadas para "informatização" e guerra "inteligente".



Nota DefesaNet  a referência ao Brasil está como o quinto fornecedor de petróleo para a China


Também são importantes os esforços da China para projetar poder militar fora de suas próprias fronteiras.

“A RPC está buscando estabelecer uma logística no exterior mais robusta e infraestrutura de base para permitir que o PLA projete e sustente o poder militar a distâncias maiores”, disse o funcionário do DOD. "Estamos falando não apenas sobre os ambientes imediatos, ambientes no Indo-Pacífico, mas em toda a região Indo-Pacífico e, de fato, em todo o mundo."

O oficial disse que o Exército da China tem buscado modernizar suas capacidades e melhorar sua proficiência em todos os domínios da guerra, de modo que, como uma força combinada, possa conduzir a gama de operações terrestres, aéreas e marítimas previstas nas publicações do Exército. como no espaço, contra-espaço, guerra eletrônica e operações cibernéticas.


 



Outras coberturas especiais


US RU OTAN

US RU OTAN

Última atualização 28 JAN, 16:50

MAIS LIDAS

Expansão Chinesa