COBERTURA ESPECIAL - Base Industrial Defesa - Defesa

11 de Março, 2020 - 10:00 ( Brasília )

SIPRI: EUA e França aumentam drasticamente as principais exportações de Defesa

Três fatos são relevantes no período de 2014-2019. A Arábia Saudita como o maior importadora de sistemas de defesa, a queda da Rússia como exportadora e o giro da Índia aos fornecedores ocidentais.



As transferências internacionais de sistemas de defesa durante o período de cinco anos 2015–19 aumentaram 5,5% em comparação com 2010–14. De acordo com novos dados do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI), os maiores exportadores de armas nos últimos cinco anos foram Estados Unidos, Rússia, França, Alemanha e China. Os novos dados mostram que o fluxo de armas para o Oriente Médio aumentou, com a Arábia Saudita claramente sendo o maior importador do mundo.

Aumento significativo nas exportações de armas dos Estados Unidos e da França

Entre 2010–14 e 2015–19, as exportações de defesa dos EUA cresceram 23%, aumentando sua participação no total das exportações mundiais de defesa para 36%. Em 2015–19, o total de exportações de armas dos EUA foi 76% maior do que o do segundo maior exportador de armas do mundo, a Rússia. As exportações de defesa dos EUA foram para um total de 96 países.



Nota DefesaNet - Ao Afeganistão foi computado a venda das aeronave A-29 Super Tucano exportadas via os Estados Unidos. Indonésia o Sistemas ASTROS 2020 e Líbano viaturas blindadas IVECO Guarani



"Metade das exportações de defesa dos EUA nos últimos cinco anos foi para o Oriente Médio e metade delas foi para a Arábia Saudita", diz Pieter D. Wezeman, pesquisador sênior do SIPRI. "Ao mesmo tempo, a demanda por aeronaves militares avançadas dos EUA aumentou, principalmente na Europa, Austrália, Japão e Taiwan".
 
As exportações francesas de defesa atingiram seu nível mais alto em qualquer período de cinco anos desde 1990 e representaram 7,9% do total das exportações mundiais de armamento em 2015–19, um aumento de 72% em 2010–14. "A indústria de defesa francesa se beneficiou da demanda por armas no Egito, Catar e Índia", diz Diego Lopes Da Silva, pesquisador do SIPRI.



A Participação Global das exportações de armamentos no perído de 2015-2019.

Notável queda nas exportações de armas russas

As principais exportações de armas da Rússia diminuíram 18% entre 2010–14 e 2015–19. "A Rússia perdeu força na Índia - o principal destinatário a longo prazo das principais armas russas - o que levou a uma forte redução nas exportações de armas", diz Alexandra Kuimova, pesquisadora do SIPRI. "Essa redução não foi compensada pelo aumento das exportações de armas da Rússia para o Egito e o Iraque em 2015-19". (Nota DefesaNet – As sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos atingindo as exportações bélicas da Rússia tem afetado pesadamente o complexo industrial militar russo)


 
Avanços e recuos na participação das exportações de equipamentos de defesa no período 2015-2019



Fluxo de armas para países em conflito

As importações de armas por países do Oriente Médio aumentaram 61% entre 2010–14 e 2015–19 e representaram 35% do total das importações mundiais de armas nos últimos cinco anos.

A Arábia Saudita foi o maior importador de armas do mundo em 2015-19. Suas importações de armamento aumentaram 130% em comparação com o período de cinco anos anterior e representaram 12% das importações mundiais de armas em 2015–19. Apesar das amplas preocupações nos EUA e no Reino Unido sobre a intervenção militar da Arábia Saudita no Iêmen, os EUA e o Reino Unido continuaram a exportar armas para a Arábia Saudita em 2015–19. 73% das importações de armas da Arábia Saudita vieram dos EUA e 13% do Reino Unido.

A Índia foi o segundo maior importador de armas do mundo nos últimos cinco anos, com seu vizinho Paquistão na 11ª posição. "Como nos anos anteriores, em 2019, a Índia e o Paquistão - que são Estados com armas nucleares – entraram em conflito usando uma série de equipamentos  importados", diz Siemon T. Wezeman, pesquisador sênior do SIPRI. "Muitos dos maiores exportadores de armas do mundo fornecem a esses dois estados há décadas, geralmente exportando armas para os dois lados". (Notas Defesanet – A Índia adotava uma postura de ter sempre dois fornecedores. Assim tinha a União Soviética e depois a Rússia e países ocidentais (França e Reino Unidos). Agora tem centrado nos Estados Unidos  (contratos C-17, AH-64, P-8, etc) e a França com submarinos Scorpene e caças Dasault Rafale.)
 
Os Emirados Árabes Unidos (EAU) estiveram envolvidos militarmente na Líbia e no Iêmen nos últimos cinco anos e foram o oitavo maior importador de armas do mundo em 2015–19. Dois terços de suas importações de armas vieram dos EUA durante esse período. Em 2019, quando o envolvimento militar estrangeiro na Líbia foi condenado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, os Emirados Árabes Unidos tinham importantes acordos de importação de armamento em andamento com Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Rússia, África do Sul, Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido. e os EUA.

Em 2015–19, houve novamente confrontos armados entre a Armênia e o Azerbaijão. Ambos os países estão desenvolvendo sua capacidade militar por meio de importações, incluindo mísseis capazes de atacar alvos dentro do território um do outro. A Rússia foi responsável por quase todas as importações de armamento da Armênia nos últimos cinco anos. Um total de 60% das importações de armas do Azerbaijão vieram de Israel e 31% da Rússia.

Em 2015–19, as importações de armas da Turquia foram 48% menores do que no período de cinco anos anterior, apesar de seus militares combaterem os rebeldes curdos e estarem envolvidos nos conflitos na Líbia e na Síria. Essa redução nas importações pode ser explicada por atrasos nas entregas de algumas armas principais, cancelamento de um grande acordo com os EUA para aeronaves de combate e desenvolvimentos na capacidade da indústria de armas turca. ( Nota DefesaNet – A Turquia tem sofrido um embargo da OTAN o que tem afetado seus desenvolvimentos. Mesmo a compra do sistema de defesa aéreo S-400 da Rússia não alterou o resultado)

Outros Fator Relevantes

As exportações de defesa da Alemanha foram 17% maiores em 2015–19 do que em 2010–14.

A China foi o quinto maior exportador de armamento em 2015–19 e aumentou significativamente o número de destinatários de suas principais armas: de 40 em 2010–14 para 53 em 2015–19.

As exportações de defesa da Coréia do Sul aumentaram 143% entre 2010–14 e 2015–19 e entraram na lista dos 10 maiores exportadores pela primeira vez. (Nota DefesaNet -  a compra do obuseiro autopropulsado K9 pela Noruega, 24 unidades, foi uma grande vitória para a Reública da Coreia)

As exportações israelenses de armas aumentaram 77% entre 2010–14 e 2015–19, atingindo o nível mais alto de todos os tempos.

Os estados da Europa Ocidental e Central tinham pedidos pendentes no final de 2019 para a importação de 380 novos aviões de combate dos EUA. (Nota DefesaNet – o caça F-35 da Lockheed Martin  nas suas 3 versões tem dominado o mercado internacional)

As importações de armas do Egito triplicaram entre 2010–14 e 2015–19, tornando-se o terceiro maior importador de armas do mundo.

As importações de armas do Brasil em 2015–19 foram as mais altas da América do Sul, representando 31% das importações de armas da sub-região, apesar de uma queda de 37% em comparação com 2010–14.

A África do Sul, o maior importador de armas da África Subsaariana em 2005–2009, quase não importou armas importantes em 2015–19.



SIPRI - Trends in Internati... by nelson during on Scribd


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Dossiê EMBRAER

Dossiê EMBRAER

Última atualização 14 AGO, 15:00

MAIS LIDAS

Base Industrial Defesa