21 de Setembro, 2020 - 11:40 ( Brasília )

Aviação

Esquadrões de Busca e Salvamento da Força Aérea Brasileira treinam resgate na água

Esquadrão Pelicano e PARA-SAR realizam treinamento de içamento de vítimas em ambiente aquático na Base Aérea de Santos, no litoral paulista

Tenente Cristiane E Major Monteiro

O Segundo Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação (2°/10° GAV) - Esquadrão Pelicano e o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR), unidades militares da Força Aérea Brasileira (FAB), realizam, até o dia 19 de setembro, o Exercício Técnico (EXETEC) Içamento na Água, uma das modalidades de Busca e Salvamento (SAR, sigla em inglês para Search And Rescue). O adestramento ocorre na Base Aérea de Santos (BAST), no litoral paulista, e visa a capacitar os tripulantes para resgates em ambiente aquático utilizando o guincho do helicóptero H-60L Black Hawk.

O Comandante da BAST, Tenente-Coronel Aviador Francisco José Formaggio, lembra que a organização militar tem um histórico de atividades com aeronaves de asas rotativas. “Para a Base Aérea de Santos, que completa no mês de outubro 98 anos, é uma grande alegria e responsabilidade ao mesmo tempo, pois aqui foram formados cerca ­­­­de cinco mil tripulantes operacionais da aviação de asas rotativas. A retomada da operacionalidade com este Exercício nos enche de orgulho”, afirmou.

O EXETEC teve início no dia 10 de setembro e ocorre sob a coordenação do Comando de Preparo (COMPREP), responsável pelo desenvolvimento da doutrina utilizada no preparo operacional dos tripulantes. Ao final da atividade, as tripulações terão realizado cerca de 200 simulações de resgate.

O Sistema de Busca e Salvamento Aeronáutico atua em uma área de 22 milhões de Km², sendo grande parte sobre o Oceano Atlântico e sobre os rios. Por isto a importância da capacitação.

Durante o adestramento, ocorrem o içamento duplo molhado, quando o homem de resgate traz consigo a vítima presa em um estropo, e o içamento com maca, quando a vítima está em uma situação mais crítica ou inconsciente. O Tenente de Infantaria Marvio Ribeiro Ramos, militar do PARA-SAR, explica que desde 2019, o trabalho entre os dois Esquadrões é de união. “O PARA-SAR atua com os homens de resgate; e o Esquadrão Pelicano, com os meios aéreos. Neste treinamento de içamento na água, treinamento para salvamento no mar, o trabalho é em conjunto, tanto na doutrina, quanto na formação da equipe de resgate”, explica.

O Chefe da Célula de Doutrina do Esquadrão Pelicano, Capitão Aviador Thiago Maurício Marins de Barros, informa que este tipo de exercício tem como características essenciais rapidez, precisão e segurança. “Para que tempo e estas características possam estar alinhadas é preciso um adestramento perfeito das tripulações. Pilotos, tripulantes e homens de regaste precisam estar padronizados, doutrinados e cada um tendo a consciência do que vai fazer”, destaca.

Imagens: Tenente Cristiane e Sargento Santiago / CECOMSAER; Floriano Peixoto e Ricardo Borges / Albatroz Brasil Drones