17 de Setembro, 2020 - 11:00 ( Brasília )

Aviação

Ala 2 realiza workshop de Assalto Aeroterrestre


Major Daniel Souza E Major Monteiro

A Ala 2 realizou, entre os dias 1º e 3 de setembro, em Anápolis e Goiânia (GO), o 1° Workshop Aeroterrestre entre a Força Aérea Brasileira (FAB) e o Exército Brasileiro (EB). O evento  reuniu o Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1° GTT), a Brigada de Infantaria Paraquedista (Bda Inf Pqdt) e o Comando de Operações Especiais (COpEsp). O encontro permitiu a integração e a troca de conhecimento entre as Organizações Militares.

O evento serviu também para mostrar a capacidade de operação do novo vetor da FAB, a aeronave multimissão KC-390 Millennium, que em breve realizará missão conjunta com as organizações do Exército Brasileiro, como lançamento de tropa e de carga.

O Comandante da Ala 2, Coronel Aviador Gustavo Pestana Garcez, ressaltou a importância do Workshop: “Esse evento foi o primeiro de muitos que serão fundamentais para o aprimoramento doutrinário das atividades conjuntas com as demais Forças coirmãs", enfatizou.

A expectativa para o novo cenário de cooperação e treinamento em conjunto entre as Forças é a melhor possível, pois, para as tripulações da FAB e para as Unidades do Exército, surgem novas possibilidades de operações e treinamentos entre as Organizações Militares. O Major Aviador Daniel Elias Souza, Oficial coordenador do Workshop, destacou a importância do trabalho conjunto. "A proximidade entre as Forças é importante para incentivar a interoperabilidade e que, nesse momento, é essencial para desenvolvimento das capacidades da aeronave KC-390", disse.

Segundo o Major de Infantaria Edmar Souto Abreu Lima, da Brigada Paraquedista, o Workshop foi uma oportunidade de troca de conhecimento com a apresentação das capacidades da aeronave KC-390 Millennium, além das capacidades dos especialistas do Exército Brasileiro, particularmente, a Brigada de Infantaria Paraquedista e o Comando de Operações Especiais. "Dessa maneira, proporcionou diversas discussões doutrinárias e técnicas que, certamente, contribuirão para otimização do emprego e aperfeiçoamento do projeto. Atividades como essa estreitam os laços de camaradagem entre Exército e Força Aérea, exercendo a tão almejada interoperabilidade", explicou.

Para o Major de Infantaria Allander Rodrigues Durigon, do Comando de Operações Especiais, sempre foi uma necessidade das Forças de Operações Especiais a ligação com a Aviação de Transporte. "Estreitar laços, entender as possibilidades e limitações, sempre buscando a interoperabilidade em situações adversas, inerentes ao emprego das tropas de Operações Especiais. O fato do 1° GTT ser uma das Unidades da Ala 2, muito contribuirá para o desenvolvimento operacional do COpEsp, principalmente no que tange às atividades aeroterrestres", completou.

Fotos: Major Daniel Souza / 1º GTT