Base Aérea de Santa Maria realiza Exercício Operacional de IVR

Com objetivo adestrar as equipagens dos Esquadrões Aéreos que cumprem as Ações de Força Aérea de Reconhecimento Aeroespacial, Controle Aéreo Avançado, Interferência Eletrônica e Ataque

Agência Força Aérea – Revisão: Ten Alvarez

Base Aérea de Santa Maria (BASM) coordena, desde o dia 20/03 até o dia 04/04, o Exercício Operacional de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento (IVR), cujo objetivo é adestrar as equipagens dos Esquadrões Aéreos que cumprem as Ações de Força Aérea de Reconhecimento Aeroespacial, Controle Aéreo Avançado, Interferência Eletrônica e Ataque.

O treinamento envolve cerca de 160 militares, aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB), entre elas: o A-1, o R-99, o P-3AM, o P-95BM e as ARP RQ-450 e RQ-900, além de meios de Defesa Antiaérea IGLA-S, da Força Aérea Brasileira (FAB), e blindados M-113 e Gepard, do Exército Brasileiro (EB).  

Ao todo, 10 Unidades participam do Exercício, que envolve Esquadrões das Aviações de Caça, Reconhecimento e Patrulha, o Quarto Esquadrão do Primeiro Grupo De Comunicações E Controle (4º/1º GCC), Primeiro Grupo de Defesa Antiaérea (1.º GDAEE) e o Terceiro Grupo de Defesa Antiaérea.  O Exército Brasileiro participa do treinamento com meios do 29º Batalhão de Infantaria Blindado (29º BIB) de Santa Maria (RS) e da 6ª Bateria de Artilharia Antiaérea Autopropulsada (6º Bia AAAe Ap).

“O Exercício Operacional IVR 2023 destaca-se por ser um dos mais importantes do Comando de Preparo (COMPREP), devido ao foco em capacitações e adestramentos relativamente novos na FAB que precisam ser desenvolvidos. O desafio de explorarmos os limites dos sensores que equipam nossas aeronaves depende do conhecimento e experiência dos nossos tripulantes e analistas, mas também dos cenários que oferecemos durante o EXOP IVR. Este Exercício é a melhor oportunidade para aprimorarmos e sedimentarmos táticas, técnicas e procedimentos essenciais para garantir a eficiência no cumprimento das ações de inteligência, vigilância e reconhecimento”, explica o Comandante da BASM e Diretor do Exercício, Coronel Aviador Luciano Antonio Marchiorato Dobignies.

Para viabilizar o controle e as comunicações durante o Exercício, bem como propiciar emissões de sinais, o treinamento conta, ainda, com o apoio do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), por meio do Quarto Esquadrão do Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (4.º/1° GCC) — Esquadrão Mangrulho, que possibilita o Comando e Controle em regiões remotas.

“Outro aspecto importante deste exercício são os relatórios: Relatórios de Missão de Reconhecimento (REMIR) e de Vigilância (REVIG), que são também aprimorados ao final das análises de imagens, no intuito de tornar mais objetiva a relação entre o que se treina e o produto que se espera em missões de emprego” acrescentou o Coronel Marchiorato.

O EXOP IVR 2023 permitirá conhecer de forma mais profunda as capacidades dos sensores e analistas da FAB e, consequentemente, subsidiar a disseminação da doutrina e a programação de equipamentos de Guerra Eletrônica embarcados. 

Fotos: Soldado Kassiel/BASM

Compartilhar:

Leia também

Inscreva-se na nossa newsletter