COBERTURA ESPECIAL - Aviação do Exército - Terrestre

09 de Setembro, 2020 - 17:30 ( Brasília )

Sherpa – Decisão Fundamental para o Teatro de Operações da Amazônia

Nos próximos dias o Exército Brasileiro decidirá o futuro dos C-23 Sherpa e poderá colocar um ponto final ao tão sonhado e aguardado retorno da Aviação de Asa Fixa.


Nelson Düring
Editor-Chefe DefesaNet

 
Uma necessidade antiga na Força Terrestre, foi iniciada na gestão do General Villas Boas. As aeronaves de Asa Fixa teriam como principal tarefa prover apoio logístico aos Pelotões Especiais de Fronteira (PEF), as unidades especiais do Exército localizadas nas regiões mais remotas da fronteira amazônica, que há anos sofrem com a incapacidade da FAB de prover o apoio aerologistico na região, causada pela falta de meios aéreos disponíveis e outras prioridades.

Tanto é que o Comando Logístico do Exército (COLOG) aluga anualmente centenas de horas de voo de pequenas empresas para ressuprir suas unidades, gastando milhões de Reais que poderiam ser investidos na sua própria aviação.

O assunto C-23 já havia sido aprovado pelo Alto-Comando do Exército. Negociações haviam sido feitas com o Governo dos Estados Unidos, que repassou ao Brasil, seu parceiro estratégico um lote de aeronaves que estava destinado a outra nação.

Depois de quatro anos o Exército deverá cancelar o Projeto Modal Aéreo da Amazônia. Vai preferir gastar milhões de Reais em aluguéis de aeronaves e ceder às pressões do lobby dos operadores de helicópteros, que perderiam a hegemonia, afinal, os C-23 Sherpa poderiam carregar uma quantidade maior de carga e voar mais longe a uma fração do preço da hora de voo dos atuais helicópteros.

No Editorial C-23 SHERPA – Um projeto Estratégico sob Ameaça, publicado dia 21AGO2020, DefesaNet alertava que interesses menores poderiam afetar o retorno da Asa Fixa ao Exército Brasileiro após 70 anos. (ver Editorial C-23 SHERPA – Um projeto Estratégico sob Ameaça Link).

Fontes também responsabilizam o Ministro da Defesa por ter cedido às pressões da Força Aérea, que é contra o Exército operar novamente sua própria aviação. Brigadeiro na reserva, que teria gestionado posicão, contra a Aviação de Asa Fixa no Exército. 

O Ministro da Defesa Azevedo, que foi Chefe do Estado-Maior do Exército, conhecia bem o assunto, e por razões desconhecidas ou receio de se incompatibilizar com sua subordinada Força Aérea, irá tirar o tão sonhado projeto de Aviões do Exército por pressões de alguns Brigadeiros?

Triste para o Exército e para a Amazônia. Os aviões seriam fundamentais no apoio Pelotões Especiais de Fronteira (PEF) na sua árdua missão de defender as fronteiras mais remotas do Brasil.

Uma avaliação do Comando do Exército dava a seguinte tabela (abaixo) do custo de Hora de Voo. Observar que aeronaves maiores tem limitação de operar nas pistas de pouso localizadas juntos aos PEFs.





Em entrevista para DefesaNet, em 2008, o então comandante Militar da Amazônia, Gen Ex Augusto Heleno, alertava para necessidade de aeronaves de Comando e Controle (C2):
 
“Existe um estudo (Aeronaves de Asa Fixa) ao nível do Comando do Exército e Ministério da Defesa sobre a aquisição de aviões de Comando e Controle capazes de atender a determinados níveis de comando e que nos dariam uma mobilidade maior dentro de nossa área de atuação. Sobre outras aeronaves, entendo que o poder aeroespacial é responsabilidade da Força Aérea Brasileira e não queremos nada que possa interferir nas missões dela.”
 
Decepção para o Ex Comandante do Exército e Ex Comandante Militar da Amazônia, General Villas Boas, que com sábia visão estratégica, verá aquilo que seria seu grande legado à Força Terreste ser abandonado pela falta de decisão do seu Ex-Chefe do Estado-Maior e afilhado político.
 
O Teatro de Operações da Amazônia (TOA) escalou rapidamente em complexidade. A Operação Amazônia (2020), atualmente em curso, é um reflexo da nova situação, com o maior exercício militar da história da Amazônia Ocidental. Hoje a Amazônia assume os mais diferentes conflitos potenciais, em todos os espectros do verde.

A decisão não passa mais somente pela avaliação econômica ou maior liberdade para o Comandante do TO. Passamos a considerar o aspecto Estratégico e Geopolítico com ações que extrapolam o ambiente e análise militar como únicos pressupostos.


Repetimos a última frase do “Editorial - 7 de Setembro de 2020 – Nada para se comemorar”.

"Está na hora de agir e de assumir as responsabilidades. Vocês (Executivo, Ministro e Comandantes), serão reconhecidos pelo legado ou virem a ser cobrados e responsabilizados por sua omissão."


 

Declaração DefesaNet

DefesaNet declara-se abertamente Lobista. Sim, Lobista pelo Brasil.



Matérias Relacionadas

Editorial DefesaNet - C-23 Sherpa – Um projeto estratégico sob ameaça

Interesses menores afetam as relações Brasil-Estados Unidos

21 Agosto 2020 DefesaNet

Urgente - Revogado Decreto sobe a Aviação do Exército

Decreto assinado, dia 02JUN2020 permitindo que o Exército operasse aeronaves de asas Fixas e outros “vetores aéreos”. Retorna ao decreto anterior, de operar somente helicópteros
08 Junho 2020 DefesaNet 

Exército recria aviação de asas fixas e FAB critica

Decreto de Bolsonaro inclui avião para Exército; brigadeiros criticam Até então, norma de 1986 permitia que Força operasse apenas helicópteros; Oficiais da aeronáutica criticam momento da medida
05 Junho 2020 DefesaNet

A relação Brasil-EUA, o "soft power" e o mito do alinhamento

Analista militar defende que proximidade entre os países é menor do que o que estaria sendo propagandeado
15/16 Zero Hora / DefesaNet


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Cyberwar

Cyberwar

Última atualização 18 SET, 12:12

MAIS LIDAS

Aviação do Exército