COBERTURA ESPECIAL - Argentina - Naval

22 de Março, 2022 - 22:00 ( Brasília )

Armada Argentina analisa a compra de submarinos da França para substituir o ARA San Juan

São submarinos convencionais da classe Scorpene, semelhantes aos que o Chile e o Brasil possuem. O ministro Taiana se reunirá com seu homólogo francês.

Nota DefesaNet

A matéra do jornal bonarense  Clarin tem de ser lida com atenção. A Armada Argentina procurar o Naval Group francês como fornecedor dos submarinos após a fracassada tentativa do Plan Argentina com a associação com a alemã Thyssen Nordseewerke, nos anos 70, e o exitoso prograama dos OPVs tem sua lógica.
 

A procura de uma frota comum com o Brasil e Chile é interessante do ponto de vista da logística e apoio técnico. Resta superar as suspeições estratégicas dos três potenciais parceiros.

Porém, o texto gera uma dúvida, pois em dado momento indica que os submarinos poderiam ser fabricados nas instalações da Itaguaí Construções Navais (ICN), loalizado na mesma cidade, no estado do Rio de Janeiro, estaleiro onde são produzidos os submersíveis brasileiros.

Trazemos tanto o texto traduzido para o português como o original em espanhol.

O Editor

 Guido Braslavsky
Clarin
21 Março 2022

 O Ministério da Defesa e as Forças Armadas estudam a possibilidade de adquirir submarinos convencionais da França para recuperar capacidades militares perdidas, voltar a ter uma arma estratégica  de dissuasão e exercer a defesa ao longo da extensa costa argentina. Com a trágica perda do ARA San Juan em novembro de 2017, a Marinha atualmente não possui submarinos operacionais.

O projeto é de longo prazo e visa uma força de quatro submarinos convencionais da classe Scorpene, desenvolvidos pelo Grupo Naval Francês, mas fabricados no Rio de Janeiro, disseram ao Clarín fontes militares de alto escalão .

Consideram vantagens que tanto o Chile quanto o Brasil tenham submarinos desta classe, o que gera um padrão para operar regionalmente ; e que a aquisição da França tiraria o país dos dilemas de estar no meio das disputas entre Estados Unidos e China, questão que atravessa outro projeto da maior relevância, como a compra de caças.

O custo de um submarino com essas características chegaria a  700 milhões de dólares  pelos quais, e apesar de as Forças Armadas possuírem o Fundo de Defesa Nacional (Fondef), uma operação dessa magnitude exigiria financiamento internacional, disseram ao Clarín fontes militares.

O Fondef sancionado por lei em 2020, que administra a Defesa e o Estado Maior Conjunto das Forças Armadas liderados pelo tenente-general Juan Martín Paleo , como órgão responsável pelo Planejamento Estratégico Militar, teve cerca de US$ 35 bilhões no ano passado. Eles esperam cerca de US$ 69 milhões para o ano em curso.

Nesse sentido, nenhum projeto dessa natureza seria possível se o país entrasse em default . Por isso, a luz verde do Congresso para o acordo de refinanciamento da dívida com o Fundo Monetário Internacional foi recebida positivamente pela liderança das forças.

Após o naufrágio do ARA San Juan, a Marinha atualmente liderada pelo Almirante Julio Horacio Guardia desenvolveu o "Plano Gênesis" nas condições que a "sexta geração" de submarinos deveria ter, pensando em seis unidades com capacidade de patrulhar por 90 dias , com a premissa de que o submarino é "a única arma estratégica que a Argentina pode ter" para o controle da extensa costa marítima do Mar Argentino.

Consultados pelo Clarín , porta-vozes do Ministério da Defesa disseram que "a intenção do ministro (Jorge) Taiana de avançar em alguma negociação para recuperar capacidades submarinas é um dos eixos de sua gestão".
Taiana viajará para a França no dia 15 de abril para o lançamento do quarto Navio Patrulha Oceânica (OPV) recém adquirido do Grupo Naval, e manterá um encontro bilateral com sua homóloga francesa, Florence Parly , onde se estima discutirão a questão dos submarinos.

A possibilidade de submarinos franceses abriu-se como uma janela de oportunidade recentemente, explicaram as fontes militares. Em setembro do ano passado, Austrália, Reino Unido e Estados Unidos anunciaram a criação do chamado AUKUS (sigla em inglês para a soma das iniciais dos três países), uma aliança militar para combater o destacamento da China no região do Índico e do Pacífico.

Por meio desse pacto trilateral, os Estados Unidos fornecerão à Austrália submarinos movidos a energia nuclear, tecnologia que conta apenas com um seleto clube de países. A vantagem sobre os convencionais é que os submarinos nucleares podem permanecer submersos em grandes profundidades por vários meses.

Como consequência, a Austrália cancelou um contrato multimilionário com a França para a compra de seus submarinos convencionais. Seguiu -se um ruidoso cruzamento político e diplomático , com a França falando de uma "punhalada nas costas" e chamando de volta seus embaixadores na Austrália e nos Estados Unidos, enquanto a Austrália "lamentava a decepção" da França e justificava suas necessidades de "segurança nacional".

Por isso aqui consideram que existe a possibilidade de negociação com a França, que ficou indisponível devido aos seus contratos inacabados. Os Scorpene são feitos no Brasil por um mega acordo militar assinado em 2008 entre os então presidentes Lula da Silva e Nicolás Sarkozy que incluiu transferência de tecnologia para a fabricação de quatro submarinos convencionais e um quinto a ser convertido em propulsão nuclear pelo Brasil.

Desde o naufrágio do ARA San Juan, foram buscadas alternativas no mercado para voltar a ter um submarino. Ainda na gestão macrista, foi mencionada a possível aquisição de submarinos brasileiros usados ??e reparo, e com a mudança de governo, de oferta semelhante da Noruega. Em nenhum caso eles prosperaram.

Taiana, para a França

O ministro da Defesa, Jorge Taiana, viajará à França no dia 15 de abril para participar do lançamento do quarto e último Multipurpose Ocean Patrol Vessel (OPV), adquirido ao Naval Group Francês em 2018 durante a gestão de Mauricio Macri, com contrato de 320 milhões euros.

Durante sua estada em Paris, o ministro manterá um encontro bilateral com sua homóloga francesa, a ministra das Forças Armadas, Florence Parly. Espera-se que as conversas submarinas façam parte da reunião. 

O OPV já se chamava  ARA "Rear Admiral Cordero" e oferecerá as mesmas vantagens e características dos anteriores. Em fevereiro de 2020, foi recebido o primeiro OPV ARA “Bouchard” e em junho de 2021, o segundo ARA “Piedrabuena” chegou à Base Naval de Mar del Plata. O ARA "Storni" foi o terceiro, e foi recebido em dezembro passado no Posto Naval de Buenos Aires, por Taiana e o alto comando naval, em solene cerimônia.




OPV 53 ARA Storni foi o terceiro, e recebido em dezembro 2021 no Posto Naval de Buenos Aires, por Taiana e o alto comando naval, em solene cerimônia.

A missão destes navios é contribuir para a vigilância e controlo dos espaços marítimos e fluviais, jurisdicionais e de interesse estratégico, realizando missões de interdição marítima, proteção e controlo do comércio marítimo e costeiro, e ainda participação em operações de busca e salvamento ( SAR). ). Estão equipados com um canhão de 30 mm e duas metralhadoras; eles têm sensores, radares e sistemas de guerra eletrônica.

Taiana havia dito em dezembro ao receber o ARA "Storni", que "todos sabemos que não há controle real do espaço marítimo se não se tem o recurso da arma submarina. O submarino é uma necessidade para a Argentina realizar o exercício dos seus direitos sobre o seu próprio território.




VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Especial Espaço

Especial Espaço

Última atualização 26 MAI, 12:00

MAIS LIDAS

Argentina