COBERTURA ESPECIAL - Argentina - Aviação

27 de Junho, 2021 - 20:00 ( Brasília )

FAdeA entrega primeiro Pampa III Bloco II à Força Aérea Argentina

A Fábrica de Aeronaves Militares de Córdoba, outro eixo da encruzilhada entre o Kirchnerismo e o Macrismo. Alberto Fernández afirmou que o ex-prsidente Macri tinha encerrado as atividades da FAdeA


 

   La Nacion
Buenos Aires, Argentina
25b Junho 2021

 

   
CÓRDOBA - Na área de Defesa, a Fábrica de Aeronaves Argentina (FAdeA) - que o presidente Alberto Fernández visitou na sexta-feira (25JUN2021), em Córdoba - tornou-se mais um eixo da disputa entre o kirchnerismo e o macrismo. Quando Mauricio Macri assumiu o cargo, seus dirigentes denunciaram a paralisação da estatal e encomendaram uma auditoria à consultoria Deloitte, que indica que "nenhuma aeronave era fabricada há décadas" e que apenas tarefas de manutenção eram feitas para a Aeronáutica. "com resultados irregulares.”.

Hoje, no ato de entregar um novo Pampa III à Aeronáutica , o presidente afirmou que “é muito doloroso ver quantos projetos iniciados antes de 2015 foram frustrados e paralisados ??por uma decisão política de não investir nessas questões”.  Ele enfatizou que FAdeA "estava inativo por quatro anos".

Mirta Iriondo, presidente da FAdeA esclareceu : “A produção ficou mais lenta porque o contrato do Pucará foi interrompido, em 2016 os contratos do Pampa foram rinterrompidos, o contrato do Orion (Lockheed P-3 Orion) que estamos retomando e o do Hércules L-100. Isso não quer dizer que não tenha havido outros projetos como a manutenção de linhas aéreas comerciais, que surgiu em 2018 ”.

Em março de 2016, a procuradora federal Graciela López de Filoñuk deu início a uma investigação depois que a então presidente da FAdeA, Cristina Salzwedel, revelou - com base na auditoria - um déficit de US $ 1,4 bilhão em 2015 e suspeitou de que houve desvios de itens orçamentários.

Em 2009, a então presidente Cristina Kirchner reestatizou a empresa após 15 anos sob concessão da Lockheed Martin , multinacional de origem norte-americana cuja gestão também foi questionada. Em 2013 estava a cargo de La Cámpora, com Matías Savoca à frente. Ele substituiu Raúl Algarañaz, que sempre defendeu sua gestão perante este jornal contra as acusações de "inconsistências nas contas".

O relatório da Deloitte observou que o mercado de aeronaves é “altamente competitivo” e “flutuante” e a alta dependência dos negócios de Defesa apresenta “limitações e desvantagens competitivas”. A empresa contava com 1.700 funcionários em 2015, dos quais cerca de 600 ingressaram desde 2009.
“Falta de controle administrativo; contabilidade opaca. O FAdeA servia como fonte de financiamento para compras sem lucro e com despesas avultadas ”, diz a auditoria da Deloitte ordenada em 2016 que serviu de base ao inquérito judicial.

No final do governo Juntos por el Cambio, com Antonio Beltramone como presidente, FAdeA ficou com 822 trabalhadores e um déficit operacional 90% menor que em 2015 (em 2019 registrou um vermelho de US $ 60 milhões; em 2016, US $ 32 milhões; em 2017, US $ 42 milhões; US $ 12 milhões em 2018 e este ano será em torno de US $ 4,5 milhões).

A empresa fechou contratos fora da Força Aérea (para os quais entregou cinco Pampas IA 63) que contribuíram com cerca de 30% do faturamento total em 2019. Tratava- se de uma oficina de aeronaves para Flybondi, JetSmart e Norwegian (a empresa saiu do país) e acertou com a Etihad Engenharia dos Emirados Árabes Unidos a manutenção de cabines de aeronaves das famílias Boeing 737 e Airbus 320 da empresa Latam na América do Sul (acordo a seguir). Ele também trabalhou em oito helicópteros comprados da Itália para o Exército e a Gendarmaria. Por um acordo com a Nordex, ela produz turbinas eólicas.

Macri definiu a gestão na fábrica como um sucesso. "FAdeA deixou de ser uma vítima do esvaziamento e das mentiras para se tornar um orgulho nacional." Em julho de 2019, em cerimônia no local, ele afirmou: “O que mais me impressiona na FAdeA é que ela é a síntese de tudo o que acontece no país; era um ferro-velho, em 10 anos não construíam um único avião e esse gigante adormecido voltou à vida ”.

A idade de ouro foi nos anos 50 quando era o IAME e tinha cerca de 11.000 funcionários. Em 1957 a fábrica foi renomeada para Diretoria de Pesquisa e Fabricação Aeronáutica (Dinfia), e continuou com a fabricação de aeronáutica e veículos. Uma década depois foi transformada na Área de Material de Córdoba, que desenvolveu o Guaraní, o Pucará e o Pampa, ao mesmo tempo em que produzia o Rastrojero (deixou de ser feito na década de 70 por decreto do Ministro da Economia José Alfredo Martínez de Hoz).

Do Pucará, até 1975 foram construídas 108 unidades. O Pampa possui diversos modelos. Os anos da Lockheed foram um fracasso. Foi concedida em concessão por Carlos Menem em 1995 por 25 anos - a empresa iria construir uma base aeroespacial.

Nota DefesaNet

A FAdeA também produz peças em material composto para o EMBRAER KC-390.

O Editor


 



Outras coberturas especiais


07SET2021

07SET2021

Última atualização 24 SET, 18:00

MAIS LIDAS

Argentina