COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Geopolítica

17 de Julho, 2021 - 21:40 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Regime cubano confessa dependência dos Estados Unidos

Díaz-Canel reconheceu a dependência de Cuba dos Estados Unidos ao afirmar que suas "principais fontes de receita em divisas" foram cortadas.


Por EDGAR C. OTÁLVORA
Publicado no Diario las Americas

@ecotalvora


O governo cubano reconheceu sua dependência de divisas dos Estados Unidos.

A informação foi dada pelo primeiro-Secretário do Comitê Central do Partido Comunista Cubano e designado presidente Miguel Díaz-Canel, durante seu discurso, na rádio e na TV, no meio da tarde de domingo 11JUL2021, quando eclodiram os primeiros protestos de rua.

Díaz-Canel, em seu primeiro discurso quando a mídia global começou a mostrar protestos pacíficos em San Antonio de los Baños, apareceu sozinho diante das câmeras, pediu que "os revolucionários" saíssem para enfrentar os manifestantes "contra-revolucionários". E tentou justificar os fatos com base na situação de "carência" no país. A “escassez de alimentos” foi uma das “limitações” elencadas pelo cubano.

Clique para expandir a imagem

Presidente de Cuba Diaz-Canel

*****


Díaz-Canel confessou implicitamente a dependência que seu governo tem dos Estados Unidos ao afirmar que as “principais fontes de receita cambial” de Cuba foram cortadas, especialmente as correspondentes às despesas de turistas americanos e cubanos que se deslocaram à ilha. Bem como o envio de remessas de cubanos residentes nos Estados Unidos. Menção especial foi feita às "brigadas médicas cubanas" das quais "entrava uma parte importante da moeda estrangeira" e que segundo Díaz-Canel eram objeto de um "plano de descrédito.

Até o momento, o envio de pessoal médico ao exterior havia sido apresentado pelo regime cubano como ações de solidariedade internacional e não como uma operação de obtenção de divisas, embora as condições na qual os cubanos trabalham no exterior já seja de semiescravos, já que o governo retém uma boa parte da renda deles.

Vendendo os serviços de seu pessoal médico,  atraindo o público americano para fazer turismo "caribenho" em Cuba e aproveitando a sensibilidade dos cubanos residentes nos Estados Unidos ansiosos por ajudar seus familiares, essas são as formas de financiamento da ditadura cubana, segundo para Diaz-Canel.


***


Além da mensagem televisionada, de 11JUL2021, Díaz-Canel caminhou algumas quadras em San Antonio de los Baños naquele dia, acompanhado por quadros do partido, guarda-costas e cinegrafistas, na tentativa de apaziguar o crescente número de denúncias de protestos em toda a ilha. incluindo Havana. (ver foto da caminhada com raul Castro na capa deste Relatório). A ação não foi suficiente e naquela noite começou uma onda repressiva brutal, que ainda não terminou. Em 15JUL2021,  a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, exigiu que a delegação cubana na organização procurasse e localizasse 187 desaparecidos e protegesse suas vidas e integridade pessoal.

 

***
 

Em 16JUL2021, Joe Biden durante uma coletiva de imprensa conjunta com a chanceler alemã Angela Merkel na Casa Branca, referiu-se a Cuba a pedido de um dos correspondentes. Biden falou diretamente sobre a questão das sanções que tanto incomodam o regime cubano.

 

Cuba é - infelizmente - um estado falido que reprime seus cidadãos. Há uma série de coisas que consideraríamos fazer para ajudar o povo cubano, mas exigiria outra circunstância ou a garantia de que o governo não se aproveitaria delas, por exemplo, a possibilidade de enviar remessas a Cuba. Eu não faria isso agora porque o fato é que o regime muito provavelmente confiscará essas remessas ou uma grande parte delas. " Biden ofereceu ajuda para lidar com o COVID19 na ilha, mas também condicionou: “quanto às necessidades do COVID (...) eu estaria preparado para dar quantidades significativas de vacina se, de fato, me garantissem que uma organização internacional iria administrar essas vacinas e faria de forma que o cidadão médio tivesse acesso a essas vacinas”.


Por fim, abordou um aspecto crítico para o apoio às forças democráticas cubanas e que teria sido exposto pelo senador republicano Marco Rubio à Casa Branca. Biden disse ao jornalista “uma das coisas que ele não perguntou, mas que estamos considerando é que cortaram o acesso à Internet [em Cuba]. Estamos considerando se temos capacidade tecnológica para restaurar esse acesso.”

Como no caso venezuelano, o governo Biden em relação a Cuba não está disposto a reduzir a pressão representada pelas sanções.


*****


O estabelecimento de um mecanismo de “justiça de transição” para enfrentar as violações dos direitos humanos na Venezuela seria um dos temas que a oposição venezuelana liderada por Juan Guaidó estaria promovendo na agenda de eventuais negociações com o governo de fato de Nicolás Maduro. A afirmação é de Gerardo Blyde, nomeado por Guaidó como negociador, em longas e inusitadas declarações proferidas em 21 de julho a Román Lozinski na rádio Circuito Éxitos de Caracas. O Ministério das Relações Exteriores do reino da Noruega continuou a atuar como intermediário entre Guaidó e Maduro no que eles chamam de um processo pendular que ainda estaria em fase de definição de uma agenda acordada por ambas as partes. O governo do México teria se oferecido para sediar as eventuais negociações diretas.

Blyde chefiou uma delegação que visitou Washington, Madrid, Bruxelas e Berlim no final de junho, onde o rumo da ação na Venezuela foi discutido com os governos locais. "A negociação deve gerar uma discussão sobre o poder e um voto para quem é procurado", disse Blyde a Lozinski. Blyde sublinhou que é a primeira vez que existe uma posição coordenada entre os EUA e a União Europeia na rota para a Venezuela.

 

***


No dia 08JUL2021, chegou a Caracas uma missão "técnica exploratória" enviada pelo Alto Representante Europeu Josep Borrell. O objetivo da missão, que ficaria na Venezuela por três semanas, é avaliar "a utilidade, conveniência e viabilidade" para que o Conselho de Ministros das Relações Exteriores da UE autorize a organização e envio de uma missão de observação eleitoral para as votações regionais convocado pelo regime para 21 de novembro. O regime chavista tende a se recusar a receber missões de observação internacional e prefere "observadores internacionais" sem capacidade ou disposição para emitir relatórios de avaliação dos processos eleitorais.

O Serviço de Relações Exteriores da União Européia, consultado pelo Relatório Otálvora, recusou-se a revelar os nomes e áreas de atuação dos membros da missão. “Nunca comunicamos quaisquer detalhes sobre o trabalho dos nossos especialistas a nível técnico. Nem na Venezuela, nem na Moldávia, nem na África. Isso é apenas um trabalho normal de especialista e não um evento de mídia. Se houver uma missão de alto nível, iremos comunicá-la com todos os detalhes”, disse Peter Stano, porta-voz oficial para os Negócios Estrangeiros da Comissão Europeia.

Stano, em todo o caso, esclareceu que “o envio desta missão exploratória em si não implica que a UE deva enviar uma missão de observação nas eleições regionais e locais na Venezuela em novembro”. Diplomatas e técnicos eleitorais integram a delegação enviada por Borrell a Caracas.

 

***


A missão da UE em Caracas manteve encontros com altos funcionários do regime, incluindo o Ministro dos Negócios Estrangeiros Jorge Arreaza e o Ministro da Defesa Vladimir Padrino, com as autoridades eleitorais designadas pelo governo de facto e com vários sectores da oposição. No dia, 09JUL2021, uma dessas reuniões teve lugar na sede da União Europeia, em Caracas, na qual participaram vários dirigentes da oposição, entre os quais Fredy Guevara.

Aliado próximo de Guaidó, Guevara é um dos promotores das negociações promovidas pela Noruega e patrocinadas pelos EUA e pela UE. Poucas horas depois do encontro de Guevara com a UE, o ativista do partido Voluntad Popular foi detido pela polícia política e desapareceu por dois dias. O Ministério Público do regime acusou-o de terrorismo, violação da ordem constitucional, formação de quadrilha para cometer crime e traição” e um tribunal do regime validou a detenção e ordenou que fosse detido numa das sedes da Polícia Política. Jorge Rodríguez, que atualmente exerce as funções de presidente da "Assembleia Nacional" do regime, transmitiu um programa de televisão, a 13JUL2021, no qual ordenou ao Ministério Público que prendesse três outros dirigentes da oposição, que também acusou de terrorismo e de várias tentativas de homicídio.

 

***


A prisão de Guevara, o anúncio de novas detenções de líderes próximos a Guaidó, ocorreu em meio a uma onda de encarceramentos e reides contra ativistas de ONGs de direitos humanos.

As possíveis negociações entre Gauidó e Maduro foram seriamente interrompidas após a ofensiva do regime. No dia, 13JUL2021, o denominado Grupo de Contato Internacional, patrocinado pela União Europeia, emitiu um comunicado tentando salvar as negociações. "Os membros do GCI apóiam os esforços renovados de diálogo em prol de uma solução acordada para a crise e convocam ambas as partes a participarem de forma construtiva na mesa de negociações." O GIC é formado por Argentina, Chile, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Panamá, Uruguai, Alemanha, Espanha, França, Itália, Holanda, Portugal, Suécia e a União Europeia como um todo.

A eventual validação pela União Europeia dos votos convocados pelo regime é vista pelo regime como uma espécie de carta de "boa conduta" para exigir o levantamento das sanções. Para vários chanceleres latino-americanos e europeus, as negociações Guaidó-Maduro seriam uma saída para uma gestão exaustiva e malsucedida da longa crise venezuelana. Mas, como no caso da Nicarágua e de Cuba, o regime chavista opta pela via repressiva como esquema central para permanecer no poder.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Task Force Brazil

Task Force Brazil

Última atualização 21 SET, 01:00

MAIS LIDAS

America Latina