COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Geopolítica

09 de Março, 2020 - 10:25 ( Brasília )

Colômbia deve voltar a despejar glifosato em plantações de coca

País parou de usar herbicida em 2015, mas EUA pressionam por nova ofensiva diante do aumento da produção de cocaína. Ativistas temem retrocesso no processo de paz e retorno de tempos brutais na luta contra as drogas.

Pedro Arenas teme que aviões com glifosato voltem a voar na Colômbia. "Acho que isso vai acontecer já nos próximos meses", comenta. Desde o fim de 2019 há, em todo o país, nove aviões pulverizadores do modelo AT-802.

Eles deverão ajudar a combater um problema que já causou muitas mortes e guerra na Colômbia: a cocaína. Seus tanques estão cheios do herbicida glifosato, que, segundo a imprensa colombiana, foi fabricado por uma empresa chinesa.

Ativo em várias ONGs, Arenas luta pelos direitos das pessoas que vivem nas regiões mais isoladas da Colômbia. Ele também já foi deputado em Bogotá e prefeito de sua cidade natal, San José del Guaviare. A cidade fica no sopé da Cordilheira Oriental dos Andes colombianos.

Em algumas partes da região, quase não há cidades ou estradas, apenas vários hectares de plantações de coca. A última coisa que Arenas gostaria que acontecesse ali é o retorno dos aviões.

Ele tinha 23 anos quando a primeira ofensiva com glifosato ocorreu, em 1994. Bananas, mandioca, milho: muitas plantações foram destruídas. "Alguns conhecidos tiveram que deixar suas terras porque não tinham mais condições de viver nelas", diz Arenas.

Na Europa, o glifosato está no centro de um debate sobre o futuro do modelo agrícola local. Nos Estados Unidos, há quase 50 mil ações na Justiça contra a Monsanto, principal fabricante do herbicida.

Para Arenas, o glifosato está no centro de uma luta brutal contra as drogas. Na Colômbia, tudo mudou em 2015. A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o herbicida de possivelmente cancerígeno. O governo colombiano reagiu em seguida e interrompeu as pulverizações.

Um ano depois, o acordo de paz com as Farc incluía uma nova abordagem para as plantações de cocaína: menos confronto, mais cooperação. Os agricultores deveriam destruir eles mesmos as plantas de coca. Quem tivesse acesso a mercados locais poderia participar de programas de substituição por culturas alternativas.

Só que, até agora, esse novo caminho cooperativo não trouxe muitos resultados. "A Colômbia ainda tem o nível mais elevado de plantio desde que começamos as medições", diz o encarregado das Nações Unidas para o combate às drogas na Colômbia, Pierre Lapaque. A área plantada é de cerca de 200 mil hectares, e a produção anual de cocaína pura aumentou para 951 toneladas métricas.

Isso é visível também na Europa. As autoridades europeias falam em abundância da droga: nunca tanta e tão pura cocaína foi apreendida. A verdadeira luta por cada grama do pó não acontece nas grandes cidades ricas, como Nova York, Berlim ou Paris – ela está nos vilarejos mais remotos da Colômbia, onde o crime organizado dita as regras.

O atual presidente, Iván Duque, é um opositor do acordo de paz com as Farc. Talvez por isso o Estado tenha falhado em chegar aos locais mais distantes. É principalmente lá que se planta, hoje, mais coca do que antes do acordo, diz Arenas.

O programa colombiano de substituição está em crise, afirma a especialista Elizabeth Dickinson, da ONG Crisis Group, voltada à resolução e prevenção de conflitos armados internacionais. Segundo ela, faltam recursos, e as autoridades pagam com muito atraso aos agricultores pela destruição das plantas de coca. "Isso faz com que os agricultores se tornem vulneráveis à estrutura da qual, na verdade, gostariam de escapar", diz Dickinson.

É apenas uma questão de tempo até que Duque mande os aviões pulverizadores sobrevoarem as regiões produtoras. "É assim que o governo pretende diminuir os números de produção de cocaína", comenta Dickinson.

O presidente colombiano tem o apoio do governo americano. "Você terá que pulverizar. Senão você não conseguirá se livrar das plantações", ouviu ele de Trump durante uma visita à Casa Branca, nesta semana.

"Os Estados Unidos são um dos principais credores da Colômbia, e os dois países colaboram de forma estreita na área militar. Bogotá não pode se permitir perder o apoio de Washington", comenta Dickinson.
 

Os colombianos já fazem piada com o "aluno" Duque, que quer impressionar seu "professor" Trump com números sobre a área de plantio de coca, mas só recebe notas ruins. Em 2017, Trump ameaçou encerrar a parceria militar entre os dois países por causa do aumento na área de plantio.

Para Arenas, o uso de glifosato faz parte da estratégia de Duque para impressionar Trump. "Aí o nosso presidente terá alguns bons números para apresentar", diz. A ofensiva de pulverização nos anos 1990 também reduziu o plantio no curto prazo. Poucos anos depois, a produção já era de novo recorde.

"Temo que a pulverização possa piorar ainda mais os conflitos sociais já existentes", diz Dickinson. Já Arenas teme que o uso do glifosato possa fazer com que as pessoas nas comunidades mais isoladas percam definitivamente a confiança nas instituições e no acordo de paz.

Pelo menos ele tem aliados poderosos. O tribunal constitucional da Colômbia determinou regras rígidas para a pulverização com glifosato. Conforme essas regras, as comunidades das regiões atingidas devem dar seu aval à prática. Mas Arenas teme que Duque consiga burlar a regra. "Se os aviões levantarem voo, vamos questionar isso na instância mais elevada", assegura.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Brasil - EUA

Brasil - EUA

Última atualização 03 AGO, 21:00

MAIS LIDAS

America Latina