COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Geopolítica

06 de Agosto, 2013 - 23:01 ( Brasília )

Paraguai: Franco diz que países do Mercosul foram "rosário de amargura"

Federico Franco chegou ao poder após a cassação em meados de 2012 do presidente Fernando Lugo

O presidente paraguaio Federico Franco disse nesta terça-feira que os vizinhos do Mercosul "foram um rosário de dor e amargura" durante sua gestão, que termina no próximo dia 15 de agosto.

Franco, que chegou ao poder após a cassação em meados de 2012 do presidente Fernando Lugo, denunciou, em entrevista à rádio Primero de Marzo, que os parceiros do Mercosul submeteram seu país a uma "marginalização injusta e ilegal".

"A comunidade vizinha foi um rosário de dor e amargura", se queixou o presidente. Após a cassação de Lugo, o Paraguai foi suspenso do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), que não reconheceram o governo de Franco.

O líder criticou que os países do Mercosul tenham permitido o "ingresso arbitrário" e "pela janela" da Venezuela, enquanto o Paraguai permaneceu suspenso do bloco, e acrescentou que "o verdadeiro golpe foi dado por eles".

O presidente em fim de mandato agradeceu "aos países que mantiveram suas embaixadas e aos que retornaram seus embaixadores" ao Paraguai depois da crise pela destituição de Lugo.

Franco reconheceu que foi "dolorosa a fala de convite para os eventos do Mercosul e da Unasul, os comentários dos presidentes vizinhos, ou quando os ministros participaram de eventos internacionais e vetaram nosso acesso".

O líder paraguaio destacou "a mudança fundamental que significou na política internacional o fato de não olhar mais o Atlântico, se não olhar ao Pacifico", já que sob seu mandato o Paraguai foi incluído como membro observador da Aliança do Pacífico, bloco integrado por Chile, Colômbia, México e Peru.

"Reconheço que tivemos sombras, a História vai julgar, mas fica a satisfação de ter restaurado a democracia e devolvido a paz, a ordem e a tranquilidade no país", acrescentou.

Franco também disse estar feliz com sua gestão durante este ano e dois meses, embora reconheça que "não é o que tinha desejado" e que "a satisfação não é completa". O atual líder entregará o comando do país a Horácio Cartes, presidente eleito nas eleições gerais de 21 de abril pelo Partido Colorado, no dia15 de agosto.



Outras coberturas especiais


Task Force Brazil

Task Force Brazil

Última atualização 19 JAN, 14:40

MAIS LIDAS

America Latina