COBERTURA ESPECIAL - Mão Amiga - Terrestre

15 de Setembro, 2020 - 10:50 ( Brasília )

EB participa de convênio para construção de lote da Ferrovia de Integração Oeste-Leste


Exército Brasileiro e Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. firmaram uma parceria para a construção do Lote 6 da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL). A assinatura da Ordem de Serviço ocorreu durante a visita do Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, ao Lote 7 da FIOL, na manhã do dia 11 de setembro, em São Desidério, no oeste da Bahia.

Assinaram o documento o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas; o Comandante Militar do Nordeste, General de Exército Marco Antônio Freire Gomes; o Chefe do Departamento de Engenharia e Construção, General de Exército Júlio Cesar de Arruda; e o Diretor-Presidente da Valec, André Kuhn. Outras autoridades estavam presentes, entre as quais o Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.



No prazo de dois anos, a Engenharia do Exército construirá 18,34 quilômetros de ferrovia no Lote 6 da FIOL, um trecho entre Bom Jesus da Lapa (BA) e São Desidério (BA). A força de trabalho será de mais de 300 militares e civis, com o emprego de cerca de 200 equipamentos e viaturas.

Na primeira fase da operação, serão realizados os serviços preliminares até o término da infraestrutura e, na segunda fase, os serviços de superestrutura da obra.

A operação abrangerá a atuação de diversas organizações militares do Comando Militar do Nordeste, em especial, o 1º Grupamento de Engenharia, com sede em João Pessoa (PB), na coordenação da obra; o 4º Batalhão de Engenharia de Construção, em Barreiras (BA), como executor responsável, contando, também, com o apoio do 7º Batalhão de Engenharia de Combate, em Natal (RN), na construção das pontes de equipagem; e do 2º Batalhão Ferroviário, sediado em Araguari (MG), na execução da superestrutura da ferrovia.

Durante a execução da obra, será possível adestrar as equipes dos Batalhões de Engenharia do Nordeste nos serviços de desmatamento, terraplenagem, drenagem, produção de brita, obras de arte especial (pontes e viadutos), além dos serviços de infraestrutura e superestrutura de ferrovias.

Haverá, ainda, uma ampliação da capacidade logística e da operacionalidade das tropas de Engenharia do Comando Militar do Nordeste, com o aumento expressivo da disponibilidade da frota de equipamentos pesados e de viaturas do 1º Grupamento de Engenharia.

Para o Nordeste, trata-se de mais um importante passo na busca por estabelecer conexões indispensáveis à circulação da produção regional e por gerar novas possibilidades para aproveitar o potencial econômico do interior, ampliando a capacidade de escoamento da produção de grãos e minérios.


Fonte: 1º Gpt E