COBERTURA ESPECIAL - 11/Setembro - Geopolítica

13 de Setembro, 2021 - 10:10 ( Brasília )

FBI libera documento de 11 de setembro após pedido de Biden

o que dizem os documentos secretos divulgados pelo FBI

O FBI divulgou no sábado o primeiro documento relacionado à investigação dos ataques de 11 de setembro de 2001 aos Estados Unidos e às alegações de apoio do governo saudita aos sequestradores, após uma ordem executiva do presidente norte-americano, Joe Biden.

Parentes das vítimas haviam pedido a Biden que passasse os eventos memoriais para marcar o 20º aniversário no sábado se ele não divulgasse os documentos que eles afirmam que mostram que as autoridades da Arábia Saudita apoiaram o plano.

O documento de 16 páginas parcialmente editado e divulgado pelo FBI expôs contatos entre os sequestradores e associados sauditas, mas nenhuma evidência de que o governo em Riade foi cúmplice dos ataques, que mataram quase 3.000 pessoas. A Arábia Saudita há muito diz que não teve nenhum papel nos ataques.

A embaixada saudita em Washington não respondeu imediatamente a um pedido de comentários enviado na noite de sábado. Em um comunicado divulgado em 8 de setembro, a embaixada disse que a Arábia Saudita sempre defendeu a transparência em torno dos eventos de 11 de setembro de 2001 e saúda a divulgação pelos EUA de documentos confidenciais relacionados aos ataques.

Quinze dos 19 sequestradores eram da Arábia Saudita. Uma comissão do governo dos EUA não encontrou evidências de que a Arábia Saudita financiou diretamente a Al Qaeda. Ficou em aberto se as autoridades sauditas individuais poderiam ter feito isso. As famílias de cerca de 2.500 dos mortos e mais de 20.000 pessoas feridas, empresas e várias seguradoras processaram a Arábia Saudita em busca de bilhões de dólares.

Em comunicado em nome da organização 9/11 Families United, Terry Strada, cujo marido Tom foi morto em 11 de setembro, disse que o documento divulgado pelo FBI no sábado eliminou quaisquer dúvidas sobre a cumplicidade saudita nos ataques. "Agora os segredos dos sauditas foram expostos e já passou da hora de o Reino assumir o papel de seus agentes no assassinato de milhares em solo americano", disse o comunicado.

O que dizem os documentos secretos divulgados pelo FBI¹


No 20º aniversário do ataque mais mortal em solo americano, o FBI (a polícia federal americana, que atua também como serviço de inteligência) liberou acesso a um documento analisando possíveis conexões entre vários cidadãos sauditas nos Estados Unidos e dois dos homens que executaram os atentados de 11 de setembro de 2001.

Parentes das vítimas dos ataques das Torres Gêmeas solicitavam há anos a liberação desses arquivos confidenciais, argumentando que as autoridades sauditas tinham conhecimento prévio do ataque e não tentaram impedi-lo.

Dos 19 homens que sequestraram os aviões naquele dia, 15 eram sauditas.

No entanto, o documento — o primeiro de vários que se espera que sejam tornados públicos — não fornece qualquer evidência de que o governo saudita estava ligado ou tinha conhecimento do complô contra as Torres Gêmeas.

A embaixada saudita em Washington já vinha manifestando ser a favor de que os arquivos fossem liberados. A embaixada nega qualquer vínculo entre seu país e os sequestradores e afirma que essas alegações são "falsas e maliciosas".

O que o documento diz?

O documento de 16 páginas do FBI é baseado em entrevistas com uma fonte cuja identidade é mantida sob sigilo (chamada PII) e descreve os contatos entre vários cidadãos sauditas e dois dos sequestradores dos aviões — Nawaf al-Hazmi e Khalid al-Midhar.

Ambos fingiram ser estudantes para entrar nos EUA em 2000.

O memorando do FBI diz que mais tarde eles receberam apoio logístico significativo de Omar al-Bayoumi, que, segundo testemunhas, era um visitante frequente do Consulado Saudita em Los Angeles, apesar de seu status oficial na época ser o de estudante.

Segundo a fonte do FBI, Bayoumi tinha "um status muito alto" no consulado.

"A assistência de Bayoumi a Hamzi e Midhar incluiu tradução, viagens, hospedagem e financiamento", diz o documento.

Por outro lado, o documento do FBI também mostra que havia ligações entre os dois sequestradores e Fahad al-Thumairy, um imã (líder muçulmano) da Mesquita do Rei Fahad, em Los Angeles, que as fontes citadas descrevem como uma pessoa "de crenças extremistas".

Bayoumi e Thumairy deixaram os EUA semanas antes dos ataques de 11 de setembro, de acordo com a agência de notícias AP.

A agência também citou Jim Kreindler, um advogado dos parentes das vítimas do 11 de setembro, dizendo que o documento publicado "valida os argumentos que eles apresentaram no litígio em relação à responsabilidade do governo saudita nos ataques de 11 de setembro".

No mês passado, um processo iniciado por parentes levou vários ex-oficiais sauditas a serem interrogados.

Os governos anteriores — de George W. Bush, Barack Obama e Donald Trump — se recusaram a divulgar os documentos, alegando que haveria ameaça à segurança nacional.

Mas o atual presidente, Joe Biden, ordenou na semana passada uma revisão dos documentos e pediu às autoridades que liberassem o que pudessem nos próximos seis meses.

Há anos se especula sobre os laços oficiais da Arábia Saudita com o ataque, dado o número de cidadãos sauditas envolvidos e os antecedentes do líder da Al Qaeda, Osama bin Laden.

Os EUA e a Arábia Saudita são aliados há muito tempo, embora a relação às vezes seja complexa. O ex-presidente Donald Trump estreitou os laços entre seu país e a monarquia saudita. Mas Biden chegou a chamar a Arábia Saudita de "pária" depois que um relatório da inteligência dos EUA em fevereiro deste ano implicou o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018.

Bin Salman nega ter ordenado o assassinato, que ocorreu no consulado saudita em Istambul. O correspondente de segurança da BBC, Frank Gardner, disse que Biden, desde então, suavizou sua postura em relação ao homem mais poderoso da Arábia Saudita, refletindo a importância da aliança entre os dois países.

¹com BBC


VEJA MAIS