COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

16 de Setembro, 2018 - 16:50 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Militares do Brasil e da Venezuela falam sobre crise de imigração




EDGAR C. OTÁLVORA
@ecotalvora

 
Para o governo chinês, a presença na Venezuela é uma peça importante em seu jogo estratégico de projeção política e econômica na América Latina, assunto que começa a abalar a diplomacia de Washington.

Adquirir a dívida (operações de crédito público) em nome da Venezuela , aprovar o orçamento das receitas e despesas de todas as entidades públicas e obter financiamento em troca de "recursos estratégicos" sem "submissão às autorizações ou aprovações de outras autoridades públicas" são parte dos novos poderes, que Nicolás Maduro concedeu a si mesmo através de um decreto presidencial emitido em 10SET2018. No mesmo decreto, Maduro tem o poder de impor "mecanismos de registro e identificação" para a entrega de "subsídios e outros benefícios públicos".

*****

Maduro emitiu dezessete decretos, desde 14JAN2016,  através dos quais estabeleceu e renovou um "estado de emergência" permanente com a suspensão das garantias constitucionais sob a figura do "estado de emergência econômica". De acordo com a Constituição em vigor na Venezuela, a declaração do estado de emergência e sua extensão deve ser confirmada pela Assembleia Nacional, que também poderá revogá-la a qualquer momento.

Quando o estado de exceção for por "emergência econômica", sua duração "será de até sessenta dias, prorrogável por igual prazo". Nenhum dos decretos que estabelecem ou renovam o estado de exceção foi aprovado pela Assembleia Nacional. A cada sessenta dias, Maduro emite um novo decreto estendendo o estado de emergência e atribuindo funções,

*****

Para o governo chinês, a presença na Venezuela é uma peça importante em seu jogo estratégico de projeção política e econômica na América Latina, assunto que começa a abalar a diplomacia de Washington. O governo americano chamou para consultas, 08SET2018, os chefes das missões diplomáticas americanas, no Panamá, El Salvador e República Dominicana após a ruptura nas relações destes países com Taiwan e estabelecerem relações diplomáticas com a China.

Os três diplomatas retornaram às respectivas missões, no dia 14SET2018, mas a viagem a Washington deixou em evidência a sensibilidade que, nos setores diplomático e militar norte-americano, começa a gerar a presença chinesa na América Latina.
 
*****

Durante a conferência de imprensa, 13SET2018, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, falou longamente sobre a Venezuela em conexão com os três dias de visita de Nicolas Maduro em Pequim, que incluiu um "banquete" de Estado, oferecido pelo Presidente Xi Jinping.

De acordo com Geng "situação interna [na Venezuela] tem melhorado" e disse que as recentes "reformas económicas e financeiras foram bem-vindas" pelos venezuelanos. O porta-voz chinês assumiu assim a versão de propaganda do regime de chaviusta. Questionado sobre o anúncio pelo governo Maduro em um novo crédito chinês de US $ 5 bilhões, Geng foi evasivo para confirmar isso, mas disse que "a cooperação financeira entre empresas", chinesas e venezuelanas tem "como base as regras do mercado".

Sem que tenha sido perguntado sobre o tema específico, Geng disse que "os contratos de empréstimo que assinamos atendem às normas internacionais e todas as operações são legais e legítimos". No dia seguinte,os dois governos assinaram vinte e oito (28) acordos cujos conteúdos não foram tornados públicos mas incluíam novas concessões petrolífera e minerais às empresas chinesas.

Maduro chegou à Pequim, na noite de 13SET2018. A bordo de um gigante Airbus A330 da companhia Turkish Airlines, com capacidade para mais de trezentos passageiros. Imagens oficiais mostraram Maduro e sua esposa, 12SET2018, ao pé da escada do avião oficial Airbus ACJ319 “FAV 001”durante a cerimônia de despedida no aeroporto de Maiquetia, mas na chegada em Pequim,  o casal desceu de uma aeronave de bandeira turca.

*****

Sem ser previamente divulgada à imprensa, o ministro da Defesa do Brasil Gen Ex R1 Joaquim Silva e Luna realizou uma reunião, 11SET2018 com o seu homólogo venezuelano General Vladimir Padrino, na base aérea militar em Puerto Ordaz, Ciudad Guayana, sul da Venezuela. A reunião foi um evento raro, dado que as relações diplomáticas entre os dois governos estão praticamente paralisadas desde o impedimento da presidente Dilma Rousseff.

Padrino, de acordo com a versão oficial venezuelana, foi citado como tendo dito durante a reunião que "às vezes um clima de entropia, desequilíbrio, devemos manobrar soldados para manter a soberania e desenvolvimento das nossas nações é gerado".

Segundo o ministro brasileiro, a reunião foi solicitada por Padrino, em maio, e foi realizada com o consentimento do presidente Michel Temer, sem participação direta do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Depois da reunião, os ministros emitiram declarações em que Padrino estendeu a lista de assuntos que haviam sido expostos a Silva, que estava poupando quando chegou sua vez de falar. Padrino, segundo sua própria versão, teria exposto o brasileiro à necessidade de retomar o Conselho de Defesa da UNASUL, queixando-se dos laços da Colômbia com a OTAN, referindo-se à migração dos venezuelanos como consequência da "guerra econômica" e negou a existência de uma crise humanitária na Venezuela. Tanto em suas palavras faladas na Venezuela quanto em uma declaração oficial do Ministério da Defesa do Brasil.

 



*****
 
No dia seguinte à reunião dos ministros da Defesa, o jornal carioca O Globo publicou uma longa entrevista com o general Silva e Luna, na qual ofereceu sua própria versão da conversa com Padrino. "Ele me disse que não há tradição de migração para o Brasil. Agora isso acontece por causa do problema econômico. Eles não têm dinheiro para alimentar o seu povo e admite que eles estão saindo por causa da fome. Ele acusa o embargo econômico. Não há condições econômicas para as pessoas de lá. Não há emprego, não há trabalho ". Na entrevista assinada pelo jornalista Vinicius Sassine, o ministro brasileiro diz que Padrino estava disposto a aceitar ajuda de países vizinhos para facilitar o retorno dos imigrantes venezuelanos.

Todavia, na alta cúpula do governo colombiano, em Bogotá, circula a versão segundo a qual o chanceler Jorge Arreaza do governo Maduro, tem feito tentativas frustradas de estabelecer contatos com o chanceler colombiano Carlos Holmes Trujillo. Não há interesse no governo de Ivan Duque em aceitar uma reunião de ministros das Relações Exteriores, digamos, no Palácio de San Carlos, em Bogotá.

*****

Evo Morales inaugurou, 12SET2018, um prédio para servir como sede de uma organização internacional que não existe. A um custo de US$ 71 milhões, o governo boliviano construiu em San Benito, trinta quilómetros da cidade de Cochabamba, um complexo para abrigar a organização "Parlamento Sul-Americano", criado em 2008 como parte da UNASUL, mas até agora não foi ocupado. O edifício inclui salas de reuniões, auditórios e áreas de escritório. O projeto original incluía a designação para cada um dos países membros da UNASUL de um terreno para a construção de seus respectivos escritórios e alojamentos. Nenhuma autoridade estrangeira  compareceu à cerimônia de inauguração.

Enquanto Morales testemunhou um show de música popular em Cochabamba, quase simultaneamente a partir da fronteira da cidade com a Venezuela Arauca, o ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo disse à imprensa que "a UNASUL é um cadáver insepulto e só tem servido os interesses da ditadura da Venezuela" . As palavras de Holmes Trujillo refletem o estado de paralisia e dissolução virtual em que o corpo sul-americano se encontra. Até a Colômbia já notificou formalmente sua retirada da UNASUL, que se materializará em fevereiro de 2019.



Sede do Parlamento da UNASUL inaugurada na Bolívia.


O presidente boliviano, quer que façam no Parlamento da UNASUL "eventos, formaturas, casamentos", como já acontece no prédio recentemente inaugurado em La Paz como a sede da Presidência. "Se eu estivesse na direção de escolas, eu faria meus atos neste lugar. Eu faria congressos de organizações sociais aqui ", disse Morales em relação ao prédio do parlamento sul-americano.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Russia Docs

Russia Docs

Última atualização 11 DEZ, 15:30

MAIS LIDAS

Venezuela