COBERTURA ESPECIAL - Venezuela

07 de Agosto, 2017 - 18:30 ( Brasília )

Após matéria de DefesaNet Embaixador Brasileiro segue instruções do Itamaraty



O embaixador brasileiro Ruy Pereira esteve presente na “Asamblea Nacional Venezoelana”, na segunda-feira (07AGO2017), mostrando o apoio do governo brasileiro à agora dissolvida Assembleia Nacional, pela Assembleia Constituinte, eleita dia 30JUL2017. O fato foi convenientemente tuitado (ver abaixo 2) pelo Presidente da Assembleia Nacional, Julio Borges, como o embaixador Ruy Pereira liderando diplomatas na Assembleia Nacional. A Assembleia Constituinte não é reconhecida pelo governo Brasileiro.


DefesaNet, em artigo no dia 27JUL2017, mencionou no título a posição ambígua do embaixador brasileiro Ruy Pereira, em relação com o governo Maduro.

O Artigo foi publicado com o título: Exclusivo - Embaixador Brasileiro em Caracas tem agenda dupla ou é..? Link

No dia 30JUL2017, o Diário do Poder publicou uma nota telegrafada pelo Itamaraty mencionando DefesaNet como “oposição venezuelana”.
 
A Nota do Diário do Poder / Itamaraty mostra que a ambiguidade do Embaixador Ruy Pereira é relevada pela Chancelaria Brasileira, e não desmentiu DefesaNet, inclusive confirma os receios .

Nota na íntegra do  Diário do Poder / Itamaraty publicada  30JUL2017, abaixo:

Relação com Maduro expõe embaixador do Brasil

Relação do brasileiro com Maduro indigna oposição venezuelana
 
Voltou a Caracas no início do mês (Julho 2017) o embaixador Ruy Carlos Pereira, chamado de volta a Brasília em setembro de 2016, quando desandou a relação entre os países. Ao retomar contatos com o regime autoritário de Nicolás Maduro, indignou a oposição venezuelana. Mas colegas o respeitam: “Maduro pode achar que ele é confiável. Melhor que pense. Ele é confiável para nós”, afirma alta fonte do Itamaraty. “Tenho-lhe horror”, diz um embaixador, “mas na guerra eu o quero ao meu lado”. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Ruy Pereira foi chamado de volta quando a Venezuela levou o seu embaixador, no impeachment de Dilma. O venezuelano não retornou.

O Itamaraty avaliou que a Maduro ignoraria o pedido de agréement de eventual substituto de Ruy Pereira, só para hostilizar o governo Temer.

Com Ruy Pereira, o governo Temer fez opção por um embaixador capaz de fazer chegar suas mensagens ao governo venezuelano.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 20 JAN, 12:00

MAIS LIDAS

Venezuela