COBERTURA ESPECIAL - Vant - Tecnologia

17 de Abril, 2018 - 10:20 ( Brasília )

Pesquisadores acabam com boicote após universidade negar 'robôs assassinos'


Mais de 50 pesquisadores de inteligência artificial terminaram um boicote à principal universidade da Coreia do Sul após a instituição concordar em não desenvolver "robôs assassinos". O grupo temia que a Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia (Kaist) elaborasse armas letais autônomas a partir de uma parceira com a maior fabricante de armamentos do país.

Em fevereiro, a Kaist e a Hanwha Systems lançaram um projeto de defesa e inteligência artificial. O negócio acendeu um alerta na comunidade científica por se tratar de um contrato entre a universidade e a maior fabricante de armamentos do país, inclusive de munição cluster — projéteis de grande alcance e letalidade, que despejam bombas do ar.

Representantes de 120 países das Nações Unidas se reúnem nesta segunda-feira, em Genebra, para debater os desafios postos por armas autônomas, chamadas pelos críticos de "robôs assassinos".

Pesquisadores baseados em 30 países anunciaram, na semana passada, que se recusariam a visitar a Kaist, receber funcionários da instituição ou cooperar em programas de estudos até a confirmação de que a parceria não desenvolveria armas e máquinas sem a dependência do controle humano.

UNIVERSIDADE DIZ QUE FOCO É SISTEMA

A Kaist se manifestou horas depois do boicote e destacou que a abertura do Centro de Pesquisas para a Convergência da Defesa Nacional e Inteligência Artificial não tinha em seus planos desenvolver "armas autônomas e robôs assassinos". O presidente da universidade, Sung-Chul Shin, disse que o foco é em sistemas de comando e controle, navegação autônoma para submarinos, treinamento de aeronaves inteligentes e reconhecimento de objetos.

"Eu reafirmo que a Kaist não irá conduzir qualquer atividade de pesquisa contra a dignidade humana, incluindo armamentos autônomos sem controle humano significativo", ressaltou Shin, em comunicado.

Nesta segunda-feira, o professor Toby Walsh, da Universidade de Nova Gales do Sul, em Sidney, Austrália frisou que o boicote organizado por ele terminou. O pesquisador ressaltou que a Kaist mostrou "compromisso rápido com o uso responsável da inteligência artificial no desenvolvimento de armas", de forma "pública e clara".

"Nós não devemos passar a decisão de quem vive ou morre para uma máquina. Isso ultrapassa uma linha moral", ressaltou Walsh no lançamento do boicote.



Outras coberturas especiais


Dossiê EMBRAER

Dossiê EMBRAER

Última atualização 20 ABR, 12:10

MAIS LIDAS

Vant