COBERTURA ESPECIAL - Vant - Aviação

05 de Abril, 2016 - 10:50 ( Brasília )

Drones são a nova ameaça para segurança aérea


Justin Bachman


Você está aterrissando no aeroporto LaGuardia, em Nova York, na abordagem "expressway" - chama-se assim porque você voa baixo o suficiente para agitar a Grand Central Parkway e Citi Field do Mets antes de descer rapidamente em uma pista no meio de uma baía. Esse é um dos desembarques mais bruscos nos EUA, então, o que aconteceria se um drone aparecesse de repente no caminho do voo?

A ameaça nos últimos anos de pilotos cegos por lasers de alta potência em breve poderá ser substituída por esta perspectiva potencialmente mais temível: drones se movendo em espaço aéreo restrito em torno dos aeroportos. A cada mês, os pilotos e controladores de tráfego aéreo relatam mais de 100 "observações" de drones para a Administração Federal de Aviação (FAA), que começou a compilar e liberar relatórios periódicos sobre esses encontros. A FAA diz que tais relatórios aumentaram desde 2014, com mais de 1.200 incidentes em todo o país no último ano.

No último período de referência, de agosto de 2015 até janeiro deste ano, a área metropolitana de Nova York liderou as observações de drones por pilotos de avião com 43. A área de Los Angeles veio em seguida, com 25, de acordo com uma análise dos dados da FAA lançado em 25 de março. A área de Dallas está em terceiro, com 18.

Os pilotos consideram drones um risco de segurança que não deve ser subestimado. "Não estamos brincando quando dizemos que deve ser atenuado como uma ameaça", disse Tim Canoll, presidente da Associação de Pilotos de Linha Aérea, ou ALPA, ele mesmo um amador dos drones. "Sua imaginação pode correr solta com os problemas de choque com objetos de metal duro, a cerca de 321 quilômetros por hora".

Um dos incidentes mais recentes ocorreu em 18 de março, quando um voo da Lufthansa de Frankfurt que se aproximava do Aeroporto Internacional de Los Angeles informou um drone voando cerca de sessenta metros acima do Airbus A380. Helicópteros da polícia foram enviados para procurar o drone, informou o Los Angeles Times.

Por causa de incidentes como este, os reguladores estão trabalhando arduamente para formular regras para incorporar operações com drones comerciais no espaço aéreo dos EUA e tentando educar os entusiastas a ficar fora do caminho dos aviões.

Perigoso e ilegal

Em uma declaração que acompanha seus dados, a FAA disse que queria "enviar uma mensagem clara de que operar drones perto de aviões e helicópteros é perigoso e ilegal".


As regras atuais da FAA impedem que os operadores de drones voem dentro de oito quilômetros de um aeroporto e acima de 121 metros. Cerca de 92 por cento das mais recentes observações de pilotos ocorrem acima de 121 metros; 60 por cento estavam mais próximos do que o limite de oito quilômetros. Então, aparentemente, muitas pessoas não estão ouvindo.

Tirando 11 casos, estes encontros não exigiram nenhuma ação evasiva dos pilotos, nem ficou claro se os drones estavam muito perto da aeronave. Em duas dezenas de casos, o drone chegou a menos de quinze metros de uma aeronave tripulada, de acordo com uma análise detalhada dos dados brutos da FAA pelo centro de drones.

Pesquisadores do CRASH Lab (Crashworthiness for Aerospace Structures and Hybrids) da Virginia Tech realizaram simulações. Em um cenário, engenheiros introduziram um rotor quadcóptero de cerca de três quilos em um ventilador de motor grande, de quase 3 metros de diâmetro encontrado normalmente em modelos de jatos de longo alcance, como o Boeing 777 e o Airbus A380.

O dano foi rápido - com uma velocidade de 1.115 quilômetros em menos de 1/200 de um segundo - e catastrófico, com a destruição do drone dizimando as pás da hélice e levando a uma falha no motor. O estudo visa determinar se alguma ingestão de drones cria um cenário onde o dano não está contido dentro do alojamento do motor. Essa é uma distinção crucial, porque as lâminas de turbina não contidas representam riscos para outras partes do avião quando são ejetadas.

Motores a jato comerciais são certificados para perigos como colisões com pássaros, falhas de lâmina, chuva forte, granizo e vários tipos de gelo, dentro de certos limites. Para testar as colisões com pássaros, os engenheiros construíram "canhões de frango" para disparar aves mortas em motores. Muitos aviões sofreram uma única falha do motor devido a colisões com pássaros ou outras falhas. Todos os modelos atuais devem ser capazes de voar com apenas um motor.