COBERTURA ESPECIAL - Vant - Aviação

11 de Março, 2016 - 10:30 ( Brasília )

Rossato, comandante da FAB, fala sobre utilização compartilhada de equipamentos

VANT, por exemplo, atende simultaneamente demandas da FAB, IBAMA e Polícia Federal

O Comandante da Aeronáutica (Força Aérea Brasileira - FAB), Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, falou sobre o projeto desenvolvido pela Aeronáutica visando à consecução dos objetivos futuros da instituição a quase 200 alunos do Curso Superior de Defesa. A palestra foi realizada na segunda-feira (07/03) na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), no Rio de Janeiro (RJ).

O Tenente-Brigadeiro Rossato destacou a necessidade da concepção de um planejamento que leve em consideração a atual situação do país, em face das presentes dificuldades econômicas e expectativas para os próximos anos. Citou a importância da valorização das Forças Armadas por parte da sociedade e dos setores governamentais e dos altos custos despendidos para manter a soberania e o controle do espaço aéreo nacional.

O oficial-general discorreu ainda sobre as modificações estruturais indispensáveis para o cumprimento da missão da Força Aérea Brasileira (FAB), como a redução progressiva no quadro de militares com a implementação de tecnologia e mão de obra terceirizada, visto que 60% dos recursos são destinados ao pagamento de pessoal, à otimização de processos operacionais, logísticos e administrativos. "Em um futuro próximo, poderá ser utilizado um modelo de estruturas militares compartilhadas entre as Forças, colocando em prática a interoperabilidade e a adesão à utilização de simuladores de voo, já amplamente utilizados em outros países", ressaltou.

Para concluir, o Comandante falou sobre a utilização do Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT) que pode, simultaneamente, atender as demandas de diversos setores, como as Forças Armadas, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), a Polícia Federal, entre outros. E, finalmente, lembrou da urgência de se recuperar o atraso de quase 40 anos na aquisição de um satélite nacional, como também os investimentos nos sistemas espaciais, que, atualmente, são de apenas 0,01% do Produto Interno Bruto (PIB).

O CURSO - O Curso Superior de Defesa, do qual fazem parte alunos da Escola Superior de Guerra (ESG), Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), da Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR) e da Escola de Guerra Naval (EGN) destina-se a preparar civis e militares das Forças Armadas, das Forças Auxiliares e das Nações Amigas para o exercício de funções de assessoramento de alto nível, que envolva assuntos de defesa, tanto no âmbito do Ministério da Defesa (MD), como nos demais órgãos governamentais de interesse da Defesa Nacional, promovendo a interação entre os integrantes dos Cursos de Altos Estudos realizados pelas Forças Armadas e pela ESG.

A turma deste ano é composta por 184 integrantes, sendo 26 civis de órgãos governamentais de diferentes regiões do país, 150 militares das Forças Armadas, cinco das Nações Amigas (Líbano, Argentina, Estados Unidos da América, Suécia e Venezuela) e três das Forças Auxiliares estaduais provenientes da Bahia, Minas Gerais e Pará.