COBERTURA ESPECIAL - Vant - Aviação

26 de Dezembro, 2014 - 16:20 ( Brasília )

Força Aérea Portuguesa lançou primeiro curso de pilotos de drones

No espaço de dois anos, desenvolveu-se um sector de ponta em Portugal. Centrado na área da defesa e segurança, começa agora a dar os primeiros passos na transferência de tecnologia.


Não falam de “drones” mas de Sistemas Aéreos Autónomos Não-Tripulados (Nota: no Brasil há duas formas - Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT)  ou Veículo Aéreo Remotamente Pilotado (VARP), ou ainda também chamado UAV (do inglês Unmanned Aerial Vehicle). Também não chamam pilotos a quem os controla, mas sim “operadores”. Mas o imaginário instalou-se antes da realidade e é disto que se fala de há dois anos para cá.

O interesse e as aplicações reais da tecnologia destas pequenas aeronaves dispararam nos últimos anos. O projecto da Força Aérea – Pitvant – já tem mais de mil horas de voo no espaço aéreo nacional e tecnologia privada portuguesa já sobrevoa o Kosovo, Cabo Verde e a Amazónia brasileira.

E o mais recente sinal da evolução da tecnologia em Portugal foi o início do primeiro curso para operadores de UAV (Unmanned Aereal Vehicles) em Portugal, ministrado, em Sintra, pela Academia da Força Aérea na Base Aérea n.º1. Desde o dia 15 deste mês que oito militares daquele ramo das Forças Armadas se apresentam aí para as primeiras das 450 horas de aulas teóricas, de uma formação que se vai estender ao longo de quase cinco meses.

Na primeira fase – explica o capitão Marco Casquilho, da Direcção de Instrução que delineou o curso – os alunos serão sujeitos a uma aprendizagem “muito equivalente à que é ministrada aos pilotos da Força Aérea”.

Para os formandos, os espessos manuais de Legislação Aérea, Meteorologia, Navegação, Performance ou Sistemas de Aeronaves, entre outros, serão leituras obrigatórias. Depois, terão quatro semanas de aulas práticas para cumprir 50 missões no aeroporto da Base da Ota, que já foi a mais importante base aérea militar do país e que hoje é o palco exclusivo para os testes do projecto militar UAV.

O objectivo é que, no final desse período, os formandos saibam “tudo o que sabe um piloto para efectuar as suas missões em segurança”. O capitão Marco Casquilho afirma que o curso foi pensado de uma forma “generalista”. Embora "mais vocacionado" para o sistema utilizado pela Força Aérea, está igualmente desenhado de modo a que “os operadores se possam adaptar a diferentes sistemas”.

Ou seja, a outros veículos não-tripulados que existem no mercado, não sendo por isso de descartar que a formação venha a ser aberta a civis. “Depende da procura externa”, admite o oficial. A decisão de avançar com o curso resultou da necessidade. “Dada a dimensão que este sector está a tomar, a Força Aérea sentiu a necessidade de ter operadores devidamente habilitados para que possam efectuar operações em conjunto com o resto da aviação”, explica Marco Casquilho.

Até agora os UAV militares voavam em “espaço aéreo segregado [zona que não entra em conflito com corredores aéreos]”. Mas a evolução do projecto vai forçar, no futuro próximo, os aparelhos Alfa e UAS 30, que aquele ramo das Forças Armadas está a desenvolver com a CEIIA (Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel) e a empresa UAVision, a operar fora dessa zona segura.

Os militares inspiraram-se nas "boas práticas" da NATO, das autoridades aeronáuticas inglesa e canadiana, bem como da Força Aérea Norte-Americana para preparar o currículo académico. E, no restrito meio dos drones portugueses, o curso já despertou atenção. “Já temos pessoas a solicitar informações”, confirma o capitão Marco Casquilho. “Contactos informais” de entidades públicas e até de civis interessados em explorar “a nível comercial” o mercado dos UAV.

O curso é apenas mais um sinal de que esta tecnologia ganhou asas em Portugal. Há mais indícios de que o projecto da Força Aérea está a um passo de atingir a sua fase de maioridade. Ou seja, de passar da fase de investigação à fase de “transferência de tecnologia”.

Depois de um “desafio lançado pela EDP há dois anos”, um modelo idealizado em parceria com a CEIIA, com sensores da UAVision, deverá começar os “primeiros testes” em Março de 2015. O objectivo, segundo o coronel José Morgado, do Centro de Investigação da Academia da Força Aérea (CIAFA), é concretizar a “monitorização automáticas das linhas de alta tensão” da EDP e da REN.

O projecto incorporará as mais recentes evoluções técnicas testadas na OTA. O UAS 30 – aparelho com capacidade de carga de oito quilos para câmaras de vídeo, infra-vermelhos, térmica de lazer – não necessitará de pista para descolar nem para aterrar. Para o levantar voo foi desenvolvida uma catapulta. Para o regressar a terra, bastará uma rede.

O objectivo é que uma equipa – composta por apenas um UAS 30 e dois homens – seja capaz de cobrir os 20 mil quilómetros de linhas.