COBERTURA ESPECIAL - TOA

02 de Setembro, 2011 - 09:10 ( Brasília )

Pior ameaça na Amazônia é miséria, indica estudo

Artigo de O Estado de São Paulo comenta do a nota do IISS


Para acesso a íntegra do estudo do IISS - Brazil´s porous Jungle Borders - Link

Segundo levantamento do IISS, apesar de "paranoia" com temor de invasão por potência estrangeira, Brasil corre maior risco com avanço da pobreza.

É a miséria, e não falta de tropas ou de um novo sistema de radares, que está transformando a Amazônia em uma das principais rotas do tráfico internacional de armas e drogas no mundo. A constatação é do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), sigla em inglês.

Para a entidade, o projeto do governo brasileiro de investir R$ 10 bilhões para proteger as fronteiras amazônicas do País tem grande chance de fracassar enquanto a pobreza não for erradicada nas comunidades que vivem na região. Segundo os especialistas, apesar da "paranoia" brasileira sobre o risco de uma suposta invasão da região por potências estrangeiras, a realidade é que o Brasil abandonou a Amazônia, militarmente e principalmente socialmente.

O IISS é um dos principais centros de estudos sobre estratégia no mundo, com sede em Londres, e acaba de publicar um novo levantamento sobre a situação das fronteiras no Brasil. Segundo o estudo, a Estratégia Nacional de Defesa de 2008 foi "incapaz" de conter o tráfico de armas e drogas na Amazônia e acusa o País de ainda ter uma avaliação estratégica "ultrapassada" sobre os riscos que a região enfrenta. Enquanto o Brasil insiste que o maior perigo é a invasão da Amazônia por outro governo, a realidade é que a floresta já está sendo ocupada por "grupos armados ilegais".

Rota - Os especialistas afirmam que, apesar dos esforços brasileiros nos últimos anos, a Amazônia passou a ser rota do tráfico internacional, mantendo uma relação direta com a violência nas favelas do Rio de Janeiro e de São Paulo e um caminho cada vez mais frequente para a droga que sai da Bolívia e do Peru.

Parte da inclusão da Amazônia na rota ocorreu pela mudança no padrão de demanda mundial. Houve queda no consumo americano, mas na Europa o volume explodiu em uma década.

Existem ainda fatores locais que explicam a nova tendência. Um deles é o "sucesso do governo da Colômbia na luta contra as Farc, que forçou o grupo a cruzar a fronteira com o Brasil". O estudo cita uma série de reportagens do Estado nesse sentido.

O IISS admite que, no fim do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, houve uma maior atenção à questão das fronteiras, o que seria confirmado com Dilma Rousseff e seu plano de gastar R$ 10 bilhões até 2019 e quase dobrar soldados na região para patrulhar os limites do Brasil. Mas o levantamento alerta que a meta de lidar com o tráfico apenas com essas medidas pode não dar os resultados esperados.

"Parar a infiltração na floresta tropical, porém, é uma meta ambiciosa e ainda é incerto se as políticas anunciadas serão suficientes", disse a entidade. Para os especialistas, a luta contra o tráfico terá de ser também uma luta contra a pobreza na região.

"A pobreza é generalizada, o que significa que o envolvimento de grupos estrangeiros ilegais pode ser uma maneira atrativa de ganhar a vida", avaliam. Os estrategistas citam como indígenas da tribo Tikuna aceitaram atuar como "mulas" para produtores de drogas da Bolívia e do Peru. Apontam ainda a situação de pobreza dos índios que vivem na reserva Raposa Serra do Sol (RR).

A Estratégia de Defesa Nacional reconhece a relação entre a segurança e o desenvolvimento sustentável da Amazônia. "Mas os brasileiros estão tomando apenas passos tímidos na direção de lidar com a exclusão social e miséria que permitem que grupos armados estrangeiros se proliferem pela Amazônia", afirma o IISS.


Veja as matérias da Operação Ágata I na sessão Especial Fronteiras Link