COBERTURA ESPECIAL - TOA - Aviação

11 de Agosto, 2015 - 10:50 ( Brasília )

TOA - FAB apoia Exército na fronteira

``A gente não consegue imaginar o Exército operando sem o apoio da Força Aérea´´. Frase é do Gen-Brig Antonio Manoel de Barros, Comandante da 2ª BIS

O apoio da Força Aérea Brasileira (FAB) à ONG Expedicionários da Saúde, que realizou na semana passada atendimento médico aos índios da região de fronteira entre o Brasil e a Venezuela, revela a atuação das Forças Armadas na região Amazônica. "A gente não consegue imaginar o Exército operando sem o apoio da Força Aérea", afirma o General de Brigada Antonio Manoel de Barros, Comandante da 2ª Brigada de Infantaria de Selva.

Somente em apoio aos Expedicionários da Saúde, a FAB levou um avião e um helicóptero para o Pelotão Especial de Fronteira de Maturacá. O trabalho, no entanto, é constante. "Tem quase 80 toneladas de suprimentos por mês que eu preciso colocar aqui", explica o general.

Se no Pelotão Especial de Fronteira de Maturacá a pista de pouso construída pela Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA) tem 1.500 metros de comprimento e já não é o principal desafio para os aviadores, em outros lugares da Amazônia eles continuam a voar com técnicas de combate. Onde a pista é pequena, é necessário realizar um pouso que exige perícia dos tripulantes e características especiais das aeronaves militares. "É um pouso de assalto", resume o Capitão Davi Augusto Paveleck, piloto da aeronave C-105 Amazonas.

As aeronaves operam em pistas despreparadas, às vezes de grama ou de terra, com pequenas dimensões. “É parar rápido. Conseguir pousar com uma grande carga e velocidade considerável o mais rápido possível”, diz o piloto. Os C-105 operados pelo Esquadrão Arara (1°/9° GAV), sediado em Manaus (AM), têm capacidade de levar mais de 9 toneladas de carga ou 71 passageiros e podem decolar em uma pista de 670 metros de comprimento, segundo o fabricante. Para se ter uma ideia, uma das pistas do Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, tem quatro mil metros de comprimento.

O papel realizado hoje pelos C-105 Amazonas já esteve sob a responsabilidade de modelos já fora de uso, como o C-115 Búfalo e o hidroavião CA-10 Catalina. "Os precursores aeronavegantes da FAB abriram os primeiros caminhos para que, hoje, alguns Pelotões Especiais de Fronteira pudessem existir. Por isso, manter nossa soberania terrestre não seria possível se antes não a tivéssemos conquistada pelo ar", afirma o Comandante do Comando Militar da Amazônia (CMA), General de Exército Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira.

Somente o CMA, com jurisdição sobre os estados do Amazonas, do Acre, de Roraima e de Rondônia, tem 21 Pelotões Especiais de Fronteira sob seu comando, além de outras unidades operacionais. A logística para manter esses postos avançados na região de fronteira acontece com o apoio da FAB. "A Força Aérea Brasileira foi, é, e sempre será um vetor determinante para a integração da nossa Amazônia. Muitos dos nossos Pelotões Especiais de Fronteira só têm razão de existir graças à expertise das destemidas tripulações da FAB que, ainda hoje, voam em direção aos pontos mais remotos da Amazônia Ocidental", descreve o oficial-general.

Além dos C-105, a FAB também opera na região com outros modelos, como os C-95 Bandeirante, C-97 Brasília, C-98 Caravan, C-99 e C-130 Hércules. A Marinha do Brasil também conta com o apoio da Força Aérea Brasileira na região Amazônica



Outras coberturas especiais


US

US

Última atualização 22 NOV, 10:40

MAIS LIDAS

TOA