COBERTURA ESPECIAL - Especial Terror - Segurança

31 de Outubro, 2011 - 12:45 ( Brasília )

Vulnerabilidades do BRASIL Frente ao Terrorismo Internacional


André Luís Woloszyn,
Analista de Assuntos Estratégicos, Pós–graduado em Ciências Penais e Criminologia,
especialista em terrorismo (EUA), diplomado pela Escola Superior  de Guerra.


Embora este tema ainda seja considerado um tabu para grande parte das autoridades brasileiras, chega-se a um momento em que não podemos mais ignorá-lo, especialmente quando estamos na iminência de sediar eventos de abrangência internacional como a Conferência Rio + 20 em 2012,  a Copa das Confederações  e  especialmente, a Copa do Mundo de  2014.

Como país em vias do desenvolvimento, entramos no rol dos vulneráveis a ameaças contra a segurança global, entre estas, a do terrorismo internacional. Paradoxalmente, os fatores que tem propiciado esta projeção também nos torna  potencialmente vulneráveis. Os resultados  altamente  positivos obtidos pela economia, a conseqüente exposição sistemática na mídia global, o crescimento constante do cosmopolitismo das cidades, a possibilidade  de aumento significativo de postos de trabalho  transformam o país em um “Novo Mundo”, entre  mares  de crises políticas e especialmente econômicas que assolam países do chamado primeiro mundo.

Assim, nos transformamos em um foco das atenções internacionais e qualquer ato ou ação terrorista perpetuada em território nacional deverá alcançar grandes dimensões, constituindo-se em um alvo  altamente  atraente  exatamente por conta destas  repercussões.       Nossas vulnerabilidades são muitas e diversificadas. Começamos a elencá-las pelas grandes extensões territoriais com milhares de pistas de pouso clandestinas em vazios demográficos, grandes extensões de fronteiras terrestres e marítimas  e a  dificuldade  no controle e fiscalização destas. A multiplicidade de zonas e locais de homizio nas metrópoles, o descontrole nos aeroportos,  a falta de “nohall”  das autoridades de segurança em relação ao problema aliada as deficiências materiais e tecnológicas das polícias são um ingrediente perigoso para aumentar o grau de probabilidade  da ocorrência  deste tipo de ameaça. Outro fator, não menos importante, é a cultura do país que não aposta  na  prevenção como ferramenta  para minimizar riscos.

De outra forma, sabemos que mesmo com o desenvolvimento de novas tecnologias e mecanismos de segurança a partir dos atentados de 11 de setembro, especialmente nesta última década, a prática do terrorismo  não foi intimidada e ocorreram dezenas de tentativas fracassadas e de ações de sucesso em países que  implementaram estas tecnologias. A  conseqüência  imediata foi  uma  segmentação de  suas lideranças e integrantes com o surgimento de diversas células independentes incluindo o chamado “lobo solitário”, considerado na atualidade a maior ameaça, pois atua  sozinho e por conta própria, realizando ações de maneira inesperada e sem planejamento prévio, com o objetivo de  dificultar a  detecção por parte dos  agentes governamentais.

Se levarmos em conta que a realização de atentados terroristas depende fundamentalmente da capacidade de penetração de seus atores no país alvo, suas articulações e a dependência de atividades complementares para o sucesso de suas ações, então, nosso grau de vulnerabilidade  passa a  ser considerado alto.
 

DefesaNet

Milícias se alastram pelo país - Paramilitares atuam em, pelo menos, 11 estados; na Bahia, políticos são investigados - O Globo - 30 Outubro 2011 Link

Vulnerabilidades do BRASIL Frente ao Terrorismo Internacional - Andre Woloszyn - outubro 2011 - Link

Análise - As UPPs e a Guerra Urbana do Tráfico - Andre Woloszyn - Maio 2011 - Link

Nova Legislação Penal Enfraquece UPPs e Fortalece as Facções do Tráfico - Andre Woloszyn - Junho 2011 -Link

ANÁLISE - Terrorismo ou Crime Organizado - Andre Woloszyn - Junho 2011 -Link