COBERTURA ESPECIAL - Especial Terror - Geopolítica

08 de Janeiro, 2015 - 09:30 ( Brasília )

Grupos alemães dizem que ataque em Paris revela ameaça islâmica


Grupos anti-imigrantes na Alemanha, como o Pegida e o partido Alternativa para a Alemanha (AfD), aproveitaram o ataque mortal desta quarta-feira em Paris para dizer que o acontecimento evidenciou a ameaça da violência islâmica.

Pelo menos 12 pessoas foram mortas quando homens armados invadiram a redação de uma revista satírica francesa conhecida por satirizar o Islamismo radical.

"Este banho de sangue comprova que estão errados aqueles que riram ou ignoraram os temores de tantas pessoas sobre o perigo iminente do islamismo", disse Alexander Gauland, líder regional do AfD. "Isso dá um novo poder para as demandas do Pegida."

O movimento Pegida, ou Europeus Patrióticos contra a Islamização do Ocidente, reagiu fortemente ao ataque de Paris.

"Os islâmicos, contra quem o Pegida vem alertando ao longo das últimas 12 semanas, mostraram hoje na França que eles não são capazes de (praticar a) democracia, mas que veem a violência e a morte como solução", escreveu o movimento em sua página no Facebook.

"Nossos líderes políticos querem nos fazer acreditar que o contrário é verdadeiro?", acrescentou o grupo. "Será que primeiro uma tragédia como esta terá de acontecer na Alemanha?"

Um importante aliado da chanceler alemã, Angela Merkel, criticou os comentários do partido eurocético AfD. "É sórdido instrumentalizar o ataque para fins políticos", disse o líder parlamentar Volker Kauder à revista online Focus.

Merkel e seu governo condenaram o movimento popular Pegida, que atraiu um público recorde de 18 mil pessoas à sua mais recente manifestação em Dresden na segunda-feira.

O Pegida tem atraído o apoio de alemães comuns e de extrema-direita alarmados com um aumento acentuado no número de refugiados no país, muitos dos quais estão fugindo de conflitos no Oriente Médio.

Policial é morta em ataque a tiros no sul de Paris, diz fonte da polícia

Uma policial foi morta em um ataque a tiros no sul de Paris nesta quinta-feira, disse uma fonte da polícia.

A policial e um agente de trânsito foram atacados a tiros por ao menos um homem, que fugiu em um carro.

Segundo a fonte da polícia, ainda não está claro se há alguma ligação entre o incidente e o ataque de quarta-feira ao semanário de Paris Charlie Hebdo.

A polícia francesa está realizando uma enorme caçada pelos dois irmãos suspeitos de terem matado 12 pessoas no ataque à sede do jornal semanal satírico, em um suposto ataque jihadista.

Autoridades divulgaram nesta quinta-feira as fotos de dois cidadãos franceses ainda foragidos. Os suspeitos foram descritos como "armados e perigosos".

Sete pessoas já foram presas como parte da investigação, disse o primeiro-ministro da França, Manuel Valls.

Explosão atinge restaurante perto de mesquita no leste da França, diz fonte da polícia

Uma explosão atingiu um restaurante de kebab perto de uma mesquita em Villefrance-sur-Saone, no leste da França, na manhã desta quinta-feira, disse à Reuters uma fonte da polícia.

"A janela explodiu. A venda de kebab é vizinha a uma mesquita", disse a fonte, acrescentando que o incidente parecia ser um ato terrorista.

A mídia francesa disse não haver feridos.

A França está em nível alto de alerta depois que homens armados e encapuzados mataram 12 pessoas, em Paris, na sede do semanário Charlie Hebdo, uma publicação satírica reconhecida por fazer piadas com o Islã e outras religiões.