22 de Fevereiro, 2012 - 09:56 ( Brasília )

Terrestre

Novo tanque russo planejado para 2013

Com plataforma de lagarta unificada, Rússia poderá construir sobre uma mesma base veículos de combate, de comando e de controle, de artilharia, entre outros. Técnica pode ser estendida a veículos de rodas.

Aleksandr Korolkov

Em 2013, a fábrica Uralvagonzavod vai construir o primeiro protótipo do novo tanque de batalha Armata.

Os novos tanques planejados para as Forças Armadas, entretanto, só devem entrar em produção em 2015, segundo declararam o Ministro da Defesa russo, Anatóli Serdukov, e o diretor-geral da Uralvagonzavod, Oleg Sienko, em encontro com o primeiro-ministro Vladímir Pútin. 

De acordo com Sienko, a empresa realiza testes do equipamento e de suas principais peças  em cooperação com o exército.

“Em 2015, as Forças Armadas receberão um novo tanque com características de desempenho completamente novas”, declarou Iúri Kovalenko, tenente-general e ex-chefe-adjunto da agência de automóveis e tanques do Ministério da Defesa, ainda em abril de 2011.

O novo projeto chama a atenção de especialistas porque, pela primeira vez na história do exército russo, uma série de veículos militares poderá ser baseada em uma única plataforma comum, a Armata. Isso trará economia ao ministério e aumento da mobilidade do exército.

A plataforma será utilizada para construir novos tanques, veículos de combate de infantaria e outros equipamentos para infantaria mecanizada.

De acordo com o editor da revista Independent Military Review, Víktor Litóvkin, a ideia de uma plataforma comum é bem-sucedida.

"Na União Soviética existiam três tanques com as mesmas características: o T-80, o T 64 e o T-72. Mas as peças de um tanque não serviam para os outros, o que custava caro. A plataforma comum a ser criada pelo Ministério da Defesa será rentável e eficaz, do ponto de vista militar", afirma Litóvkin.

Plataformas comuns para diferentes tipos de técnica militar são usadas em muitos países. Os Estados Unidos estão desenvolvendo uma plataforma modular comum de veículos de combate terrestre Ground Combat Vehicle (GCV), que deve ser empregada pelo exército norte-americano a partir de 2015.

O GCV deve substituir todos os veículos de apoio à infantaria, como o M113 e o Stryker, e todos os tipos de veículos blindados, com exceção de tanques pesados.

Litóvkin sugere que, enquanto a Armata ainda é uma plataforma de impulsão da lagarta (esteira que exerce função de roda em tanques), podem surgir veículos sobre o Armata de rodas.

"Com a elaboração da plataforma comum de impulsão da lagarta, é provável que o Ministério da Defesa crie uma plataforma de rodas. Nos Estados Unidos, todos os veículos têm uma base comum, com exceção dos tanques pesados", adicionou.

O tenente-general Iúri Kovalenko ressalta que o bloco de carregamento do Armata terá 32 munições de diversos tipos. O novo canhão – que terá, provavelmente, 125 mm - será instalado dentro de uma torre não-tripulada e estabilizado em dois eixos.

A Armata é uma plataforma unificada para os veículos de massa de 30 a 65 toneladas. A plataforma poderá ser usada para construção de veículos de combate, de comando e de controle, de artilharia e para armamento de foguetes, automóveis e equipamento de defesa aérea e logística.