12 de Setembro, 2018 - 10:10 ( Brasília )

Terrestre

Comemorações do Dia da Independência do Brasil na “Capital dos Blindados” reúne cerca de 30 mil pessoas


As comemorações do Dia da Independência do Brasil na “Capital dos Blindados”, foi marcado pela chegada do Fogo Simbólico da Pátria ao local do desfile, reunindo civis e militares em tradicional demonstração de civismo e patriotismo.

A solenidade contou com a participação do Comandante da 3ª Divisão de Exército (3ª DE), Divisão Encouraçada, General de Divisão Mauro Sinott Lopes; do Chefe do Poder Executivo Municipal; do Arcebispo da Arquidiocese de Santa Maria; do Secretário da Segurança Pública do Rio Grande do Sul; do Comandante da 6ª Brigada de Infantaria Blindada (6ª Bda Inf Bld), Brigada Niederauer, General de Brigada Giovany Carrião de Freitas; e de diversas autoridades civis e militares.

A distribuição de milhares de bandeirinhas do Brasil como parte do Projeto “Pátria Amada: aqui pulsa o amor por ti”, deu um colorido especial ao evento que contou com um público de cerca de 30 mil pessoas. Este projeto, de iniciativa da 3ª DE e da 6ª Bda Inf Bld, teve por objetivo incentivar o espírito cívico em crianças e adolescentes e fortalecer, nos adultos, o patriotismo cultivado na infância.

A comissão organizadora da Semana da Pátria, coordenada pela prefeitura da cidade, abriu o desfile cívico-militar de 7 de setembro, na Avenida Nossa Senhora Medianeira, dando um destaque principal a homenagem realizada à Divisão Encouraçada, em virtude de ter completado 110 anos de sua criação, sendo reconhecida como o maior poder de combate da Força Terrestre.

 
 


A centenária Banda de Música da 3ª DE, sob a regência do 1º Tenente José Pinho de Oliveira, marcou o início do desfile militar, seguida dos ex-combatentes da Força Expedicionária Brasileira, Senhores Taltíbio de Melo Custódio e Aribides Rodrigues Pereira, representando os heróis da nossa Pátria, que, com coragem, não hesitaram em colocar suas vidas em risco em solo italiano, na defesa dos ideais de liberdade e da democracia. Reverenciando os feitos do passado, o povo prestou a esses digníssimos cidadãos uma justa homenagem.

Na sequência do desfile, comandados pelo Coronel Frederico Guido Bieri, desfilou um grupamento de militares da reserva do Exército Brasileiro, que, após anos de serviço dedicados ao Exército Brasileiro e ao Brasil, constituem a reserva mobilizável em casos de necessidade extrema, agressão externa ou convulsão interna. Nessa oportunidade, renovam sua disposição em bem servir ao País.

Seguindo os veteranos de ontem e de hoje, desfilou um dos maiores símbolos da nossa Pátria, a Bandeira Nacional, que estava ladeada do Estandarte Histórico da 3ª DE e seguida por um grupamento de alunos do Colégio Militar de Santa Maria, que conduziam as 12 bandeiras históricas do Brasil Colônia; do Reino Unido de Brasil, Portugal e Algarves; do Brasil Império; e a Primeira Bandeira da República.

Encerrando o desfile das bandeiras e insígnias, a Base Administrativa da guarnição desfilou conduzindo os 57 símbolos das Grandes Unidades que integram a Divisão Encouraçada, e também das organizações militares diretamente subordinadas.

 
 

Iniciando o desfile dos Estabelecimentos de Ensino militares, uma representação composta por 30 Cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), instituição que, há mais de dois séculos, cumpre a missão de formar os oficiais combatentes de carreira do Exército Brasileiro, desfilou trajando o tradicional o uniforme histórico, na cor azul ferrete, que remonta ao Período Imperial do Brasil, seguida de três alunos da Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), sediada na cidade se Campinas (SP).

Após a AMAN e a EsPCEx, desfilarem mais de 740 alunos do Colégio Militar de Santa Maria, conhecido como o “Colégio do Vagão”, que, desde sua fundação, em 1994, vem educando jovens de ambos os sexos.

Os grupamentos militares do Exército, sediados na guarnição, participaram do desfile com um efetivo de mais de 3.000 participantes. Dentre as organizações militares, coube destacar o Centro de Instrução de Blindados, que é um vetor de modernização e a mola propulsora do profissionalismo das tropas blindadas do Brasil e, também, o 29º Batalhão de Infantaria Blindado, unidade militar vocacionada para a defesa externa, possuidora da denominação “Batalhão Cidade de Santa Maria", em homenagem ao povo que o acolheu.

Das organizações militares nível Subunidade, o 6º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado destaca-se por ser a única tropa mecanizada subordinada à 6ª Bda Inf Bld, enquanto que a 6ª Bateria de Artilharia Antiaérea Autopropulsada é destacada devido à dotação da viatura blindada de combate Gepard, com armamento moderno, grande mobilidade e flexibilidade de emprego.

O desfile das tropas à pé, foi encerrado pela Bateria Histórica do 3º Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado, Regimento Mallet, representando a artilharia brasileira de outrora, que, na campanha de 1851/52, durante a Guerra contra Oribe e Rosas, quando nosso Exército marchava com frio e chuva, na pior estação do ano, atravessando banhados e arroios, os condutores dos canhões usavam compridas e pesadas perneiras de couro com guarnições metálicas presas às pernas por atadores de sola, que lhes faziam o passo tardo e lembravam os bois das peças de artilharia.

O desfile motorizado contou com diversas viaturas militares, com destaque para as motocicletas militares do 26º Pelotão de Polícia do Exército e viaturas de transporte leve Marruá tática, do grupo de exploradores. Os blindados, dentre outros, estavam representados pela viatura de reconhecimento Cascavel, de transporte de pessoal Urutu e pelo Guarani, que faz parte dos Projetos Estratégicos do Exército.

Após os desfiles, a extinção do Fogo Simbólico marcou o encerramento oficial das comemorações alusivas à Semana da Pátria do corrente ano.

Os versos de Dom Pedro I, no Hino da Independência, sintetizam a alma brasileira e afirmam a nossa determinação: “já podeis, da Pátria filhos, ver contente a mãe gentil, já raiou a liberdade no horizonte do Brasil, ou ficar a Pátria livre ou morrer pelo Brasil”.

 
 

Fotos: Sd Henckes / Sd Marques / João Vilnei - 3ªDE / CMS - EB


ÚLTIMAS

Terrestre

MAIS LIDAS