25 de Agosto, 2011 - 12:21 ( Brasília )

Terrestre

GCV - BAE Systems escolhida para Desenvolver o Sucessor do M2/3 Bradley

Equipe da BAE Systems–Northrop Grumman ganha contrato no valor de 449,9 milhões de dólares para programas de veículo de combate terrestre

Informe Distribuído pela BAE Systems

ARLINGTON, Virgínia – A BAE Systems fechou um contrato no valor de 449,9 milhões de dólares, prevendo sua participação na fase de desenvolvimento de tecnologia (TD) do programa do Veículo de Combate Terrestre (GCV) do Exército Americano. A BAE Systems se associou à Northrop Grumman Corporation na oferta de um veículo que viabiliza um crescimento e taxa de sobrevivência excepcional a um preço acessível.
 
A fase de desenvolvimento de tecnologia do programa GCV compreende 24 meses dedicados à maturação da proposta GCV por meio de uma análise preliminar do projeto, feita antes da construção de protótipos, durante a fase de desenvolvimento da engenharia e manutenção do programa.  A equipe da BAE Systems-Northrop Grumman foi uma das duas equipes que fecharam o contrato TD.
 
“O avanço nesta fase da concorrência deixa-nos um passo mais perto de fornecer aos nossos soldados um veículo com preço acessível, que confere proteção máxima e está preparado para acomodar futuros avanços tecnológicos”, disse Mark Signorelli, vice-presidente e gerente geral da área de Sistemas de Armas na BAE Systems. “É com prazer que recebemos a notícia da seleção pelo Exército e Departamento de Defesa dos EUA, que permite amadurecer nossa solução de veículos de combate terrestre, uma capacidade imprescindível para modernizar o Exército e conferir aos soldados uma vantagem decisiva contra qualquer adversário. Na BAE Systems, temos orgulho de poder proteger aqueles que nos protegem; com nossos parceiros e colegas de equipe assumimos total compromisso com o sucesso deste programa”.

O veículo da BAE Systems-Northrop Grumman tem uma plataforma adaptável que permanecerá significativa durante os próximos anos, oferecendo maiores taxas de sobrevivência, mobilidade e versatilidade ao Exército, com níveis de proteção que podem ser ampliados em função da demanda de uma variedade de missões.

“A equipe da BAE Systems-Northrop Grumman aplicou seu conhecimento especializado e as lições aprendidas em uma década de guerras para desenvolver um veículo 100% integrado e pronto para operar em rede, com muito mais capacidade, para que as forças americanas possam travar combate e se sair bem em todos os tipos de operações atuais e futuras”, informou Joe G. Taylor, Jr., vice-presidente de área de Sistemas de Combates Terrestres, na Northrop Grumman Information Systems.

A oferta da equipe inclui um sistema de propulsão híbrido elétrico, viabilizando proteção excepcional e mobilidade em um veículo mais leve, mas prevendo aumento futuro do fornecimento de energia, à medida que novas tecnologias amadureçam e sejam integradas na plataforma. Com esta tecnologia, o veículo de combate terrestre pode atender às demandas de operações em curto prazo e ainda viabilizar uma plataforma robusta que admite futuras integrações tecnológicas e crescimento a baixos custos e riscos.

A equipe da BAE Systems-Northrop Grumman, dedicada ao Veículo de Combate Terrestre, inclui: QinetiQ, iRobot Corporation, MTU e Saft. Na qualidade de contratada principal, cabe à BAE Systems liderar a gestão geral do programa, a integração de sistemas, o projeto do veículo, o suporte logístico e estrutural, assim como a prontidão e a sustentabilidade da plataforma.  A Northrop Grumman atuará como líder do C4ISR. A QinetiQ fornecerá o principal componente do sistema de propulsão híbrido elétrico, o E-X-Drive®. iRobot se encarregará do integrador de veículo terrestre não-tripulado, cabendo à empresa também o aprimoramento de futuras operações autônomas. A MTU deverá suprir o motor e o sistema de geração de energia para o GCV e a Saft fornecerá o sistema de armazenamento de energia e bateria.
 
O trabalho na fase de desenvolvimento tecnológico será realizado nas instalações da BAE Systems e da Northrop Grumman, em Sterling Heights e Troy (Michigan), Santa Clara e Carson (Califórnia), York (Pensilvânia), Minneapolis (Minnesota) e Huntsville (Alabama).

DefesaNet

O Programa Ground Combat Vehicle

A origem  do Ground Combat Vehicle Program  está no Programa FCS (Future Combat Systems), que tinha o subprograma Manned Ground Combat Vehicle. Com o cancelamento do FCS, em Abril de 2010, o US Army iniciou o  substituto Ground Combat Vehicle.

O objetivo é desenvolver um substituto para as famílias M2/3 Bradley e remanescentes do M113 nas funções de transporte de tropas e veículos de combate de infantaria. Serão adquiridos 1.700

O protótipo deverá estar pronto em 2015 e começar a ser entregue a tropa em 2017.

Um fato importante é que o US Army não está limitando as dimensões do GCV à capacidade de transporte no C-130 Hercules.

A expectativa do US Army é de que muitas tecnologias desenvolvidas para o FCS possam ser incorporadas ao GCV.

Dois consórcios foram os escolhidos NorthropGrumman/ BAE Systems e General Dynamics Land Systems /SAIC. O consórcio BOEING/KMW não foi selecionado nesta fase.

DefesaNet

LAAD Bastidores 3 - A Modernização dos M-113 B do Exército Brasileiro Link