26 de Julho, 2016 - 10:20 ( Brasília )

Terrestre

Exército torna mais rigoroso controle do transporte e uso de explosivos

Portarias foram editadas mirando Olimpíada e assaltos a caixas eletrônicos. Fabricantes terão até 24 horas para dar retorno a pedidos de rastreamento.

A 11 dias da abertura da Olimpíada do Rio, o comando do Exército tornou mais rigoroso o controle do transporte e do uso de explosivos. Entre as mudanças previstas em duas portarias publicadas na edição desta segunda-feira (25) do "Diário Oficial da União", está a exigência de que os fabricantes de explosivos deem retorno, em até 24 horas, ao Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados da Região Militar, a pedidos de rastreamento desses produtos.

O Exército já exigia que as empresas que atuam com explosivos comunicassem em até 24 horas ocorrências de furto, roubo, perda, extravio ou desvio desses materiais, mas com a aproximação da Rio 2016, os militares estão aumentando o monitoramento e a fiscalização.

Além de reforçar a segurança dos Jogos Olímpicos, as mudanças publicadas nesta segunda no "Diário Oficial" têm o objetivo de fechar o cerco contra as quadrilhas que usam explosivos para assaltar, especialmente, caixas eletrônicos. Somente no ano passado, foram registrados quase 1 mil assaltos com explosões pelo país.

Há uma lista com 400 produtos controlados pelo Exército, entre os quais explosivos, armas de fogo e produtos químicos. Em razão da aproximação da Olimpíada, os militares têm intensificado o monitoramento e a fiscalização desses materiais.

Transporte

As portarias assinadas pelo comandante logístico do Exército, general Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, também regulamentaram o transporte de explosivos. Segundo os textos, cabe à Região Militar a decisão de fazer ou não escolta para o transporte desses materiais.

Quando for exigida escolta, destaca a portaria, o transporte terá de ser acompanhado da origem até o destino final.

A escolta da carga será realizada por empresa especializada contratada para esse fim, cabendo ao Exército a fiscalização desta determinação com o auxílio dos Órgãos de Segurança Pública, explicou a assessoria do Exército.

A medida se deve ao fato de que parte significatica dos roubos e extravios de explosivos ocorrem durante o transporte desses produtos.