12 de Março, 2015 - 08:30 ( Brasília )

Terrestre

Exército realiza testes na faixa de 700 MHz

Motorola vê “timing perfeito” no uso da faixa de 700 MHz para serviços públicos

Nelson Valêncio


Investimento de R$ 2 milhões já mostra resultados, com simulações reais feitas até mesmo durante a Copa do Mundo de 2014.

Batista também destaca que o Exército Brasileiro (EB) vem realizando testes na faixa de 700 MHz desde 2012. E pôde fazer isso em situações reais, caso da Copa das Confederações e a Copa do Mundo.

Já os testes em Brasília já envolvem quatro sites, que cobrem toda a Esplanada dos Ministérios e áreas de interesse do Exército, como aeroporto, Estádio Mané Garrincha e infraestruturas críticas.

 

“Timing perfeito” no uso da faixa de 700 MHz para serviços públicos

Para a Motorola Solutions, o processo – ainda em avaliação pela Anatel – é positivo. André Batista, gerente de Relações Governamentais da filial brasileira, explica que o “timing” é perfeito para a adoção de parte da banda da faixa de 700 MHz e cita um estudo da consultoria IDC, realizado em abril do ano passado, focado nas oportunidades para o desenvolvimento de redes de serviços públicos com o uso da rede LTE/4G nessa faixa: “Para elaborar o documento, a consultoria entrevistou órgãos reguladores, organizações do setor e entidades de serviços públicos, além de ouvir especialistas e analisar outras pesquisas já divulgadas sobre o tema”.


Uso da banda de 700 MHz em outros países

Além do EB, há outras agências de segurança da capital federal. “A meta dos testes na faixa de 700 MHz é comprovar a tecnologia em situações práticas”, diz ele.

O rol de experiências inclui aplicações de transmissões de voz, dados e vídeo em tempo real em viaturas em movimento. Outra avaliação é como funciona a ampliação das capacidades de comunicação de voz, possibilidades de interoperabilidade com redes comerciais e rádios padrão P25.

O Exército também quer avaliar melhorias da qualidade do seu centro de operações (COP).  “Os militares também poderão acessar informações de comando e controle em qualquer região do Brasil, por meio de sua rede, a EBnet”, explica Batista. No ano passado, a instituição já havia expandido o trial de LTE, na frequência de 700MHz, para o Rio de Janeiro.

Segundo a Motorola, os investimentos para a avaliação envolveram cerca de R$ 2 milhões e a expansão consistiu em um novo site, instalado no Palácio Duque de Caxias, para cobrir a região do estádio do Maracanã e arredores. A operação carioca também poderá ser movimentada para atender às necessidades de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) do Exército, na “Operação São Francisco”, na região do Complexo da Maré.

Em termos de soluções, a Motorola deve focar na oferta de rádios de comunicação para missão crítica com transmissão de voz, dados, imagens, vídeos e localização. Um diferencial é que esse aparato é integrado a centros de comando e controle inteligentes que recebem informações em tempo real.