31 de Maio, 2011 - 09:18 ( Brasília )

Terrestre

SIAAEB - Projeto Sistema Integrado de Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro

Enfim surge um caminho para a Defesa Antiaérea do Exército Brasileiro.

 
Nelson Düring
Editor-Chefe DefesaNet

 
O Projeto do Sistema Integrado de Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro é um projeto ambicioso, mas com grande dose de realismo. O objetivo do projeto é modernizar os meios de Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro (EB) em função, principalmente, do longo tempo de uso, aliado à defasagem tecnológica em relação aos principais equipamentos existentes no mercado nacional e internacional.
 
A amplitude do Projeto engloba as Baterias de Artilharia Antiaérea, os Grupos Artilharia Antiaérea e a Escola de Artilharia de Costa e Antiaérea, incluindo o desenvolvimento de Material de Emprego Militar pelo EB e pela Indústria Nacional de Defesa.
 

O Timing Surpreende

 
No dia 27 de Janeiro de 2011 foram enviados por SEDEX, para mais de 30 empresas, um pedido de “Request for Information” (RFI) às empresas, nacionais e estrangeiras, que produzem Material de Emprego Militar de Defesa Antiaérea.
 
O período de Carnaval foi ao ritmo de samba de digitação das propostas para as empresas. A amplitude do SIAAEB e suas interações e complexidade. As respostas ao RFI deveriam ser entregues em 15 de Março.
 
No final de Maio ou primeira semana de Abril o Exército deve emitir os "RFP" para as empresas selecionadas e cujas respostas devem ser entregues até o final de Julho ou início de Agosto e a análises ainda neste mês. Anúncio dos vencedores em setembro e assinatura dos contratos em Novembro.
 
Os “Request for Information” (RFI)têm por finalidade obter dadosatualizados sobre as capacitações e possibilidades da Indústria de Defesa, nacional ou estrangeira, onde o Exército especifica, de uma forma geral, os interesses do Projeto.
 
Os RFI, portanto, serão objeto de avaliação inicial por intermédio do Estado-Maior do Exército, dos Órgãos de Direção Setorial envolvidos, do Gerente do Projeto e demais órgãos necessários ao prosseguimento do Projeto.

O Foco

 Os objetivos são dois: aproveitar a Demanda dos Cadernos de Encargos dos eventos, que ocorrerão no Brasil - Copa das Confederações (2013), Copa do Mundo (2014), Olimpíadas (2016) – e modernizar e atualizar a Artilharia Antiaérea e completar as suas lacunas.
 
 São três as linhas principais de ação:
 

1 -    Aquisição de materiais novos;
2 -    Integração a plataformas já existentes, e,
3 -    Reparos de materiais já existentes.

 
O plano original é recuperar todo o material existente no EB e adquirir os inexistentes. O mapa inicial do Projeto é aberto dependendo muito das informações recebidas nos RFI e a capacidade de realizar as ações a tempo de atender a demanda dos eventos.
 
Uma questão é o futuro da artilharia de tubo. Atualmente há dois sistemas. Os canhões Bofors 40L70 40mm e os Oerlikon 35 mm. A tendência inicial era de continuar somente com os Bofors (atualmente BAE Systems).

O SIAAEB

 O Projeto do Sistema Integrado de Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro foca todos os itens integrantes de um sistema de AAe de baixa e média altura (10.000m).
 
A formatação do projeto coube ao  General-de-Exército Sinclair James MAYER (promovido em Março 2011) e atual Chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia. Como ex-comandante  1ª Brigada de Artilharia Antiaérea(1ª BDA AAAe), o Gen MAYER tem conhecimento das principais demandas..
 
O desdobramento da 1ª BDA AAAe, indica a enorme deficiência de cobertura de defesa Aérea do Exército Brasileiro. A Brigada está desdobrada em 4 estados (SP, RS, RJ e MG)  e Distrito Federal.
 
É dado como certo que muitas soluções de compromisso serão necessárias para atender aos exíguos prazos. Lembrar que os eventos começam já, em 2012, com a RIO +20 (evento para comemorar os 20 anos da ECO92).

Os Meios

São previstas a aquisição de dois tipos de sistemas de mísseis. Um tipo MANPADS  para curta distância e outro para média altura.
 
1 – MANPADS – Man Portable Air Defense System – O Brasil emprega dois tipos: o russo Igla, em uso pela FAB e Exército  e o europeu MBDA Mistral em uso pelo Corpo de Fuzileiros Navais. Concorre o Sueco SAAB RBS70.
 
2 – Média Altura – São inúmeras as versões e composições oferecidas:

Rússia - Tor2M,
Suécia  - SAAB BAMSE,  
Europeu MBDA  
França Thales Crotale
Alemanha Diehl IRIS-T
Sem falar nas ofertas israelenses das empresas RAFAEL, IAI e ELBIT. Também participam empresas americanas, coreanas e chinesas.

   
Em muitos casos as plataformas onde estes mísseis podem ser montados e integrados estão em discussão. Lembrar que a plataforma básica e natural a VBTP-MR Guarani ainda está em desenvolvimento. Em especial a versão 8x8 cujo projeto ainda não foi inciada.
 
A intenção é de que o Radar ORBISAT SABER, em suas versões M60 e M200 sejam integrados. Algumas empresas, porém alertam que o SABER é um radar de Vigilância e não de Detecção e Interceptação e o tempo de resposta é maior que o necessário para rastrear mísseis.

     A Expectativa

 
Uma segunda Brigada de AAAe é prevista dentro da Estratégia Braço Forte emitida pelo Exército Brasileiro, em 2009. O assunto ainda não foi discutido, embora conste da Estratégia Nacional de Defesa.
 
Porém não está prevista a sua criação dentro do escopo do SIAAEB.
 
Como parte do Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA), são  inúmeras as interações com as outras forças mostra a complexidade deste projeto. Observar que algumas simetrias podem ser obtidas como o  Programa F-X2. Há ofertas de sistemas de armas que equipam  os caças, como por exemplo o MBDA VL MICA,  versão terrestre do míssil ar-ar  MBDA BVR MICA, que equipa o Dassault Rafale.

Lembrar o míssil Ar-Ar BVR RAFAEL Derby em uso pelos F-5EM que também tem uma versão de defesa aérea, que foi adqurida pela Índia.

Não descartada a hipótese de consórcio MECTRON-DENEL-AVIBRAS oferecer uma versão do míssil ar-ar A-DARTER, projeto conjunto Brasil-África do Sul, com um booster (acelerador).  

O canhão Bofors 40L70 também é usado pela Marinha do Brasil onde uma interação pode ser buscada..
 
Enfim surge um caminho para a Defesa Antiaérea do Exército  Brasileiro.

DNTV

Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA). Link

O SisFron - Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras Link

DefesaNet

“Rosoboronexport” na LAAD 2011 – Defence & Security - Entrevista com o chefe da delegação da Rosoboronexport Serguei Ladiguin Link

MBDA - Pronta para ampliar sua cooperação com o Brasil Link

CTEx cria Exército do futuro Link

FAB assina carta de intenção para compra de quatro radares da Orbisat Link


Embraer Defesa e Segurança em negociações com a ATECH e ORBISAT Link