08 de Agosto, 2013 - 11:26 ( Brasília )

Terrestre

Rússia anuncia desenvolvimento de novo blindado de transporte

No final de julho, a Companhia Militar-Industrial russa anunciou o desenvolvimento e o início dos testes do chassi com rodas para o futuro blindado de transporte.

Andrêi Kisliakov

Se em matéria de construção de carros de combate poucos podem ser comparados com a URSS e agora com a Rússia, o desenvolvimento e a produção de blindados de transporte de pessoal estão longe de ser o ponto forte dos veículos blindados leves nacionais. Por enquanto.

No final de julho, a Companhia Militar-Industrial russa anunciou o desenvolvimento e o início dos testes do chassi com rodas para o futuro blindado de transporte. O novo projeto, chamado de Krimsk, permitirá aos blindados do futuro superar a principal falha desse tipo de veículo, que é o funcionamento imperfeito do sistema de propulsão.

Veículos blindados leves, rápidos e que, na medida do possível, se movem sobre rodas e esteiras (anfíbios) são os que garantirão a rápida implantação de forças especiais, que em tempo hábil levarão para a zona de conflito tudo o que é necessário e cobrirão com segurança as instalações militares. Os mais interessantes nesse contexto são os veículos sobre rodas, em virtude da simplicidade, do baixo custo operacional, da facilidade de executar manobras e da vantagem em termos de velocidade.

Desde o início do novo milênio já foram computadas várias dezenas de conflitos locais, diversos tipos de operações antiterrorismo e missões de manutenção da paz. Um submarino nuclear portador de mísseis e mesmo um tanque de guerra dificilmente poderiam ser boas ferramentas de suporte à segurança e ao abastecimento das grandes e pequenas bases militares que qualquer país desenvolvido em termos militares e econômicos deve possuir espalhadas pelo mundo. Ainda mais uma superpotência.

O projeto

De acordo com o gerente do projeto, Víktor Rúdin, “a máquina experimental está equipada com um sistema de energia híbrido e de transmissão elétrica, que como se espera, poderá trazer vantagens significativas ao ser utilizado”.

A inovação consiste no fato de o motor de combustão interna acionar o rotor do gerador, que produz uma corrente alternada. Em seguida a corrente alternada é convertida em corrente contínua. Depois, através de um sistema de conversores, a energia alimenta os motores de tração, que promovem a rotação das rodas. Em paralelo, a energia elétrica é armazenada na unidade molecular. Durante a frenagem, a energia cinética é convertida em eletricidade e também alimenta a unidade molecular.

Um blindado de transporte assim pode se mover silenciosamente usando a energia acumulada nas unidades moleculares sem que o motor esteja em funcionamento. Por enquanto, a reserva de energia é pequena, mas quando, futuramente, eles passarem a utilizar as baterias de lítio-fosfato de ferro, cuja produção já foi estabelecida na Rússia, esse parâmetro poderá ser melhorado dezenas de vezes. Por sua vez, a ausência de ruído é uma vantagem muito importante desse tipo de blindado, por ocasião da movimentação secreta durante as operações especiais.

As propriedades dinâmicas do novo produto também impressionam muito. Quando testado nas proximidades de Moscou, o veículo, pesando cerca de 22 toneladas, alcançou uma velocidade de 97 km/h, levando apenas 33 segundos para chegar aos 80 km/h.

Existe ainda outro fato importante. A comunidade internacional de especialistas militares está certa de que o futuro dos veículos blindados está nos dispositivos automáticos. Rudin afirma que o Krimsk é uma plataforma de controle remoto praticamente pronta –os recursos de hardware dos sistemas eletrônicos do modelo do protótipo experimental já permitem controlá-lo remotamente. Com pequenos aperfeiçoamentos  e o desenvolvimento dos respectivos algoritmos de controle e de programas, será possível criar uma plataforma robótica.

Longe do ideal
 

Infelizmente, os veículos blindados russos ainda estão longe dos padrões descritos acima. Na classe dos blindados de transporte de pessoal e veículos de combate de infantaria, nós podemos oferecer apenas duas amostras de blindados de transporte de pessoal sobre rodas, o BTR-70 e o BTR-80. Mas eles nada mais são do que uma modernização do blindado de transporte de pessoal da série 60,  desenvolvida ainda no final dos anos 1950.

A principal melhoria dos modelos 70 e 80 consiste na substituição dos dois velhos motores à gasolina por dois motores também à gasolina, mas mais potentes (120 HP), no BTR-70 e por um motor à diesel (210 HP) no BTR-80.

Em 1994, foi realizada uma demonstração para o público do novo BTR-90, desenvolvido em Górki. Planejava-se iniciar a produção em série em 2011, mas o Ministério da Defesa rescindiu os contratos de compra. O coronel-general Serguêi Maiev, que na época era o diretor do Serviço Federal de Contratos de Defesa, avaliava da seguinte maneira aquele veículo:

"A conclusão do desenvolvimento do protótipo experimental aconteceu no final do século 20 e foi realizada em condições de desintegração do complexo militar-industrial e suspenção da aquisição de blindados produzidos em série. Os testes do governo, que começaram em 1996, não confirmaram o pleno desempenho de uma série de parâmetros dos requisitos táticos e técnicos.”

Como podemos observar, os desenvolvedores não conseguiram atender às exigências das forças armadas. A produção do BTR-80 também foi encerrada, mais uma vez de forma gratuita.

Se tudo está suficientemente claro em relação às armas estratégicas russas, cujo papel permanece imutável, as características da futura frota de veículos blindados leves estão sendo determinadas agora por desenvolvimentos do tipo Krimsk.

Especialistas concordam que se trata de um avanço qualitativo na remodelação do exército russo.