09 de Janeiro, 2013 - 11:24 ( Brasília )

Tecnologia

Rohde & Schwarz e o Brasil

Entrevista com Gerhard Geier, Presidente Rohde&Schwarz, e as atividades da empresa no Brasil


 

Herr Geschäftsfüher, ou em bom português,
o Sr. Presidente

 

 

Vianney Jr
Defense and Aerospace Analyst
O Colunista de DefesaNet viajou à convite da
Rohde&Schwarz à Munique




Gerhard Geier - Presidente Rohde&Schwarz


Nota DefesaNet,

Em Dezembro a R&S abriu a sua instalação industrial no Brasil. Leia a matéria Rohde & Schwarz - Inaugura fábrica de transmissores digitais de televisão no Brasil Link

Leia também a matéia sobre a nova tecnologia de rádios lançada pela R&S Link


O Editor


Em entrevista exclusiva à DefesaNet, um dos principais integrantes do board executivo, o presidente da Rohde & Schwarz, Gerhard Geier, falou de investimento em pesquisa e desenvolvimento, e a busca pela criatividade inovativa como DNA do grupo alemão.

Gerhard Geier iniciou suas atividades na R&S como engenheiro, dedicando-se por mais de vinte anos à função de desenvolvimento de produtos da empresa. Passando por praticamente todas as áreas de atuação da Rohde & Schwarz, Herr Geier é responsável no momento, juntamente com os outros dois membros da cúpula executiva, de olhar para o grupo organizacionalmente como um todo. Sobre ele e seus pares recai a responsabilidade pelo futuro da R&S, e por conseqüência, pelo sucesso do novo lançamento que é fruto de constantes pesquisas e baseado no pensamento inovativo do grupo.

DN – Ouvimos há pouco, durante a apresentação do R&S®SDTR que a R&S investe cerca de 20% de sua receita líquida em P&D. Como é construída a base do pensamento inovativo da R&S?

GG – Para começar nós acreditamos na educação como base de tudo. Nossos engenheiros trazem uma boa formação e são recrutados entre os mais talentosos. De outro lado cremos na construção de um bom relacionamento com nossos clientes. Se formarmos uma relação de confiança mútua, podemos acessar as necessidades mais reais destes clientes e assim oferecermos uma solução que possa atender tais demandas com base no talento, adequação técnica e avanços tecnológicos. Nossos engenheiros são estimulados a ir até a realidade do cliente e daí trazer os inputs necessários a nossa busca por respostas inteligentes e inovadoras.

DN – Partindo desta colocação, como a R&S enxerga o cliente Brasil, uma vez que no presente momento importantes decisões tramitam nas diversas esferas tanto no Poder Executivo, bem como, no Legislativo, cite-se as diretrizes de aquisições de equipamentos, Livro Branco e Estratégia Nacional de Defesa, e que oportunidades podem ser exploradas pela empresa no país?

GG
– Estamos no Brasil faz 13 anos e durante este tempo temos contribuído com o desenvolvimento de importantes projetos no âmbito da defesa. Da mesma forma mencionada, oferecemos as soluções mais ajustadas às necessidades do país, no que diz respeito ao nosso relacionamento com cada uma das Forças em específico. Graças a este bom relacionamento e profícua atividade é que estamos ampliando nossa atuação, inaugurando uma fábrica agora em dezembro em São Paulo, desta feita na área dos transmissores de TV, mas é claro que estamos olhando atentamente para estender nosso crescimento em outras linhas de produtos da R&S. O Brasil sem sombra de dúvidas é importante para nós e queremos crescer em cooperação e aumentar nossa participação na região nas diversas áreas em que atuamos.


 

A Rohde & Schwarz no Brasil (e a participação no Link BR-2)


A Rohde & Schwarz do Brasil (RSDB) é a subsidiária da companhia alemã, atuando no apoio gerencial, técnico e logístico nas áreas de Teste e Medição, Radiocomunicações Seguras, Radiomonitoragem / Radiolocalização e Radiodifusão, aos clientes da R&S no Brasil. Ao longo dos 13 anos presentes neste país, tem participado ativamente em vários projetos das Forças Armadas brasileiras, contando com três laboratórios: manutenção, calibração e desenvolvimento, além de uma sala específica para manuseio e manutenção dos rádios aeroembarcados. Atualmente com 45 empregados, apresentou faturamento de € 25 Milhões (FY 10/11).

Recentemente, notícias sobre o Link BR-2 ganharam destaque na impressa especializada. Importante saber, a participação da R&S do Brasil neste desenvolvimento:

A-29 - Entre 1996 e 1997 participou do processo realizado pela COPAC/Embraer para seleção do fornecedor dos rádios de UHF para o Sistema de Enlace de Dados (Data Link) das ANV AL-X, sendo que entre 1998 e 2009 forneceu os rádios VHF/UHF da série XT6010 (ex-série 6000), incluindo rádios SECOS, para aeronaves A-29.

99 aeronaves A-29, cada uma com:    1 rádio tipo XT6313D
                                                             1 rádio tipo XT6013

O Data Link desenvolvido pela EMBRAER foi baseado no TDMA do SECOS.



R-99 e E-99 - Em agosto de 1997 a R&S foi selecionada para fornecer os sistemas de comunicações seguras em VHF/UHF (SECOS 2/12) para o Data Link da FAB, acontecendo entre 1997 a 2002 o fornecimento de Sistema de Radiocomunicações Seguras em VHF/UHF (SECOS 400U) para o Data Link das aeronaves do SIVAM (atuais R-99 e E-99)

5 aeronaves E-99, cada uma com:  5 canais SECOS 400U
                                                         3 controles remotos GB406S1

3 aeronaves R-99, cada uma com:   5 canais SECOS 400U
                                                          3 controles remotos GB406S1




No Segmento Terrestre do Data Link (STDL) a R&S realizou o fornecimento e implantação entre 1999 e 2005 de:

Sistema de Comunicações Seguras de VHF/UHF - 27 Data Link Remote Stations (DLRS) - CINDACTA IV

Rede de Gerenciamento do SECOS (SMNet)
-1 Secos Management Station (SMS) - Brasília
-1 Remote Stations Control Center (RSCC) – CINDACTA IV
-5 Key Receiver and Loader Stations (KRLS) – BAMN, BAPV, BAAN, BABV, BABE
-1 IPSec Network

Datalink BR1 - O Data Link ponto-a-ponto (Link BR1) foi desenvolvido pela Ericsson e Raytheon, baseado no SECOS.

A R&S apoiou o desenvolvimento do Algoritmo Brasileiro notadamente entre 2001 e 2008 atuando junto ao CISCEA no desenvolvimento do algoritmo brasileiro para os rádios, e no desenvolvimento de Cadeia Reduzida para o ITA.

Na área de Testes e Medição avaliou, de 2005 a 2008, a interoperabilidade entre os rádios SECOS da série XT6010 (A-29 e F-5M) e os rádios da série 400U (E-99, R-99 e DLRS).

Em 2009, atuou em apoio à CISCEA no desenvolvimento do Link BR-2.

F-5M - Para os F-5M modernizados a empresa forneceu rádios VHF/UHF das séries XT6010, incluindo rádios SECOS.

46 aeronaves F-5M, cada uma com:   1 rádio tipo XT6313D
                                                             1 rádio tipo XT6013

O Data Link desenvolvido pela ELBIT, foi baseado no TDMA do SECOS.

C-105 e P-3AM - A R&S também forneceu os rádios para as aeronaves C-105 Amazonas e P-3AM. No presente momento, estas aeronaves só contam com comunicações de voz, por enquanto.

12 aeronaves C-105, cada uma com:   2 rádios tipo XT6313D
                                                              1 unidade de controle remoto GB6500

9 aeronaves P-3AM, cada uma com:    2 rádios tipo XT6313D   

Os rádios para aeronaves AH-2 Sabre são SECOS de VHF/UHF da série MR6000R, tipo XT6313D – Aeronaves sem barramento MIL-STD 1553B (Mil-Bus).

Mi-35M  - 12 helicópteros AH-2 Sabre (Mi-35M), cada um com:   1 rádio tipo XT6313D e
                                                                                       1 controle remoto GB6500

H-16 (EC-725) - De 2011 a 2015 a R&S é a responsável pelo fornecimento dos rádios SECOS de VHF/UHF da série MR6000R, tipo XM6313D para os H-16 (Eurocopter EC-725).

16 helicópteros H-16 (Eurocopter EC-725), cada um com:   2 rádios tipo XM6313D

A-1 (AMX) -  No processo de modernização, os rádios para aeronaves A-1M serão SECOS VHF/UHF da série MR6000R, tipo XM6313D.

43 aeronaves A-1M, cada uma com:   1 rádio tipo  XM6313D

O Data Link será desenvolvido pela EMBRAER, baseado no TDMA do SECOS.

KC-390 - A Rohde & Schwarz foi selecionada para a fase de desenvolvimento das Aeronaves KC-390. Para as aeronaves-protótipo KC-390 serão instalados rádios SECOS de VHF/UHF da série MR6000R, tipo XM6313D.

2 aeronaves protótipo KC-390, cada uma com:   2 rádios tipo XM6313D

Nota: Conforme questionamos em Munique, não há, até o momento, entendimentos para uma possível adoção dos rádios de nova geração, previstos para entrarem em operação em 2015. No caso, a versão aeroembarcada do recém lançado R&S®SDTR.

  

Algumas definições importantes sobre o SECOS 2/12 da Rohde & Schwarz:

SECOS =   Secure EPM Communication System
2/12 =   200 saltos por segundo em média, 12 kbps de taxa de transmissão de dados
EPM:   Electronic Protection Measures
ECCM:   Electronic Counter Counter Measures
COMSEC:   Communications Security
TRANSEC:   Transmission Security