06 de Fevereiro, 2012 - 19:17 ( Brasília )

Tecnologia

BLOWTECH - Boeing Encontra Falhas no B787

Boeing descobriu problemas de laminação do material composto que causa delaminação na seção de traseira da fuselagem de alguns B787 Dreamliners

DefesaNet

Há um termo em inglês chamado de BLOWBACK. É a consequência imprevista que atinge aqueles, que tenham empreendido ações de vulto. Sempre mencionado como em relação a ações das potências militares e políticas.

Agora DefesaNet cria oo termo BlowTech. Ou conseqüência imprevistas do emprego de High Tech em projetos, notadamente os militares e aeronáuticos.

No caso do B787, foi a decisão de adotar a maior parte de sua estrutura e praticamente 100 das asas em material composto. Especialmente fibra de carbono. Uma decisão arojada que tem alguns percalços na sua fase inicial.

Otimista a Boeing prevê superar as dificuldades com rapidez. Mesmo asssim o projeto atrasou 3 anos, particularmente pelo emprego de materiais compostos.


O Editor

Por Dominic Gates,
Seattle Times


Boeing irá inspecionar todos os aviões já construídos para avaliar a  extensão do problema.
Em uma breve declaração domingo, a Boeing afirmou: "Nós temos o problema bem definido e estamos fazendo progressos no plano de reparos. Não há nenhuma preocupação quanto à segurança de curto prazo."

A declaração da Boeing não reconheceu que a  questão envolva delaminação. Ela disse que os danos não especificada resultaram de "calços incorretos realizados na estrutura de suporte da fuselagem traseira de alguns aviões B787."

O processo mecânico de instalar calços, ou espaçadores, para preencher pequenas falhas que ocorrem entre partes que não se encaixam perfeitamente.

Um problema surgiu em 2010, com calços defeituoso no trabalho realizado pela Alenia, Itália,  no leme  horizontal do B787 . Eles haviam aplicado torque demasiado quando de aperto dos  fixadores e a compressão conseqüente dos calços degradou o material composto.

Naquele momento, essas questões de qualidade de fabricação, com o leme horizontal ocasionaram meses de atraso no cronograma do B787. Muitas aeronaves tiveram que ter sua estrutura extensamente retrabalhadas.

Desta vez, a delaminação está acontecendo em uma seção da fuselagem traseira, perto de onde a cauda horizontal está montada.

A Boeing já completou a montagem de cerca de 50 Dreamliners até esta data, e entregou cinco aeronaves para o cliente All Nippon Airways (ANA), do Japão. O avião entrou em serviço em 2011, após mais de três anos de atraso no crongrama.

Foi informado que  as hastes de reforço estrutural, que tinham sido levadas ao forno em conjunto com a fuselagem em enormes autoclaves, havia parcialmente se separada do material composto..

A seção da fuselagem traseira do  Dreamliner é fabricada em Charleston, SC, na fábrica da Vought , ex-Boeing, desde 2009.

No domingo, o Boeing minimizou o problema, afirmando que "os reparos,que são necessários, serão aplicados da maneira mais eficiente possível."

No entanto, se os reparos da fuselagem são necessários em um grande número de aviões, que poderia desacelerar ainda mais o ritmo lento das entregas do Dreamliner.

De acordo com técnico com conhecimento do assunto, qualquer aeronave  em que esta falha foi descoberta não está autorizada a operar além de "carga limite", o limite para a carga máxima projetada em serviço normal.

No entanto, os planos devem ser certificados para sustentar a 1,5 vezes a carga, um padrão chamado de "carga máxima", para a certificação e entrega.

O técnico  disse que a descoberta do problema atrasou  alguns testes de vôo necessários para certificar a versão do Dreamliner equipada com motores General Electric.

O modelo inicial com turbinas Rolls-Royce já está certificada.

A Boeing não forneceu detalhes além de sua breve declaração sobre o assunto.

Não foi esclarecido se a delaminação foi encontrada em algum  dos cinco Dreamliners já entregues e em serviço de passageiros para a All Nippon Airways.



ÚLTIMAS

Tecnologia

MAIS LIDAS