30 de Setembro, 2014 - 23:00 ( Brasília )

Tecnologia

Rheinmetall celebra o seu 125 º aniversário





De um tempo em que era uma fábrica de munições e canhões no império alemão aos dias de hoje uma empresa de alta tecnologia atinge os 125 anos de existência, a  Rheinmetall mantem-se fiel às suas raízes de tecnologia de defesa.

O nome Rheinmetall tem sido associado com o estado da arte (state-of-the-art),  de tecnologias de defesa e mais recentemente a área automotiva.

No setor de defesa, a Rheinmetall fornece às forças armadas da Alemanha, aos seus parceiros da OTAN  e outras nações amigas equipamento com avançada  tecnologia para o exército, bem como soluções para  forças navais e aéreas.

Este ano, a empresa comemora o seu 125 º aniversário. Fundada em 1889, como uma Aktiengesellschaft (AG), ou  sociedades anônima, tem sido uma AG desde então, e listada na bolsa de valores. Esta é uma história de sucesso quase única no mundo, com  poucas empresas na Alemanha - sociedades por ações, especialmente - são capazes de olhar para trás e ver uma longa história como esta. Isto é ainda mais notável ainda dado que a empresa teve que começar do zero, em circunstâncias difíceis, em 1918 e 1945, após as duas guerras mundiais.

Atualmente com as duas áreas:  defesa e automotiva, da Rheinmetall AG, é  um empregador importante, com uma força de trabalho global de cerca de 25.000 pessoas, em 34 locais em todo o mundo, sendo responsável por cerca de 10.500 postos de trabalho só na Alemanha. O Grupo possui instalações de produção e unidades de vendas em numerosos países, mesmo fora da Europa, que se estende ao Canadá e os Estados Unidos, ao Brasil, e da China à Austrália e África do Sul.

A gama de produtos da área de  Defesa do Rheinmetall engloba uma grande variedade de produtos:  caminhões militares blindados e veículos blindados sobre rodas, armamento de  médio e  grosso calibre  e munições, bem como sistemas de torre, de defesa aérea e de proteção da força.

Rheinmetall Defence também é líder em tecnologia de simulação, sistemas chamados sistemas “soldado do futuro”, soluções de sensores e tecnologia de controle de fogo.

Tudo começou com uma grande encomenda de munições

Fundada em 1889 por Horder Bergwerks und Hüttenverein ( empresa de mineração e fundição de aço), tinha como primeiro objetivo da Rheinmetall  completar uma grande encomenda de munição concedida ao Horder Verein pelo Reich alemão. O contrato de parceria para a nova empresa, conhecida como "Rheinische Metallwaaren-Maschinenfabrik Actiengesellschaft ", foi assinado em 13 de abril de 1889; seu nome foi  inscrito no Registro Comercial menos de um mês depois, em 7 de maio.
 
A empresa recém-fundada iniciou suas operações, em 03 de setembro de 1889, em instalações alugadas, em Talstrasse no distrito de Bilk, de Düsseldorf, a munição produzida era para  o "Gewehr 88 ", um fuzil de ferolho amplamente utilizado por um número de fabricantes de armas alemãs, incluindo a fábrica Real de Rifle da Prussia, Spandau.

No processo de inovação foi o importante o papel de Heinrich Ehrhardt - da Turíngia, inventivo e empreendedor engenheiro que por muitos anos ficou no comando da empresa e a guiou ao processo de desenvolvimento do recuo de canhões. Isto provou ser um ponto importante na história da tecnologia da artilharia de campanha, permitindo a introdução de armas de campo com maior cadência de fogo.

Ao final da Primeira Guerra Mundial, a Rheinmetall surgiu como a segunda produtora de armamentos, armas pesadas e munições para o exército alemão e da Marinha do Reich,  depois da Krupp. Após 1918, a empresa foi forçada a mudar para produção civil, incluindo locomotivas a vapor, arados e máquinas de escritório; a partir de 1921, no entanto, produção de armamentos recomeçou.

A fusão com Borsig, um antigo fabricante de locomotivas, de Berlim, levou à criação de Rheinmetall-Borsig AG e do estabelecimento de uma rede de produção com instalações em todo o Reich.  A Rheinmetall-Borsig assumiu um papel de liderança na Indústria de armamentos alemã, embora rapidamente tenha caido sob o domínio total dos Nazistas, que nacionalizaram o grupo, integrando-a na enorme conglomerado Reichswerke Hermann Göring.
 
Na época da Segunda Guerra mundia produziu uma versão do canhão 88, cujo desenho original era Krupp. Também participou da produção de veículos blindados. Seu canhão de 75 mm equipou o Panzer Panther.
 
Durante os dois últimos anos da Segunda Guerra Mundial, muitas de  suas fábricas foram destruídas. A ocupação da Alemanha pelos vitoriosos  Aliados, a perda dos territórios alemães no leste e não menos importante, a divisão de do país, levou à perda de várias fábricas que estavam na Polônia e na República Democrática Alemã, agravando os problemas, uma proibição da produção  de armamentos e do congelamento de seus ativos.
 
Rheinmetall equipa a recém-fundada Bundeswehr

Após a reprivatização através da venda de ações da Rheinmetall em poder do governo o Grupo Röchling, bem como a separação da Borsig em Berlim, em 1956,  a  Rheinmetall ficou livre para retornar à sua competência  tradicional: tecnologia de defesa.
 

Metralhadora G3, herdeira da famosa MG42 da Segunda Guerra Mundial, que foi o resursigimento da Rheinmetall no pós-guerra



E isso é precisamente o que o governo alemão tinha em mente. Junto com o controle de Rheinmetall, ao Grupo Röchling, foi dada a missão expressa de estabelecer-se como um produtor eficiente de equipamentos de tecnologia de defesa, na Alemanha.
 
A contribuição da empresa para armar a nova Bundeswehr começou com a
produção de armas de infantaria: a  metralhadora MG 42 / MG 3,  o fuzil de assalto  G3 bem como o canhão automático de 20 mm para o primeiro veículo de combate de infantaria da Bundeswehr.

Um marco importante na história Rheinmetall foi a participação da empresa nos Programas de carros de combate da Bundeswehr.
 
Em 1964 Rheinmetall retomou a produção de canhão, com base em suas longas décadas de  experiência. Primeiramente com a produção sob licença dos ingleses de milhares de canhões raiados  L7A3, de 105mm, que equiparam todos os modelos do Leopard 1. Assim como o desenvolvimento de munição avançada para melhor performance do carro de combate no campo de batalha.

Em uma segunda etapa iniciou o desenvolvimento do canhão  de alma lisa de 120 milímetros,  que tornou-s  o padrão internacional de excelência técnica e tática - e ainda o faz no alemão Leopard 2A7. Também equipa o americano M-1A2 Abrams, e em outros países como, Japão,Turquia e Israel, entre outros.
  
Além de munições de alta performance com a tecnologia flecha (APFDS).
 
A Rheinmetall também participou da integração de torres de carros de combate, tanto nos Projetos Leopard 1 e 2.
 
Produtos de alta tecnologia para proteger os soldados

Produtos e serviços Rheinmetall ajudam a de que nossos homens e mulheres em  uniforme podem exercer as suas funções com segurança, mesmo durante as operações. Por exemplo, veículos altamente protegidos, como os blindados de rodas Fuchs / Fox, e a nova geração com veículo blindado Boxer multifunção fornecer pessoal com excelente proteção contra uma ampla gama de ameaças simétricas e assimétricas.
 
A Rheinmetal também participa do veículo blindado de infantaria de lagarta Gladius, o mais avançado sistema de soldado do mundo, está a ser introduzidas nas Unidades de combate da Bundeswehr. Em uma classe própria, ultramoderno Puma da Alemanha  infantaria veículo de combate vão substituir gradualmente o Marder, iniciado primeiramente cerca de quarenta anos atrás.
 
A Rheinmetall adquiriu o grupo suiço Oerlikon-Contraves . Incluido toda a linha de canhões de 35mm.

O sistema Mantis da Rheinmetall é um sistema de defesa aérea única, concebida para proteger militar  bens e infra-estruturas civis iguais de ameaças aéreas, incluindo foguete e morteiro ataques. No domínio de simulação e treinamento, as soluções do Grupo garantir que usuários militares e civis estão bem preparados para lidar com sistemas altamente complexos de forma segura e corretamente - em terra, no mar e no ar.
 
Por exemplo, Rheinmetall opera uma dos maiores e mais importantes centros de treinamento do Bundeswehr, o exército alemão Centro de treinamento de combate na região de Altmark da Saxônia-Anhalt, onde até 15.000 soldados passam por um treinamento a cada ano.

Com um orçamento anual de mais atual € 70 milhões, de pesquisa e desenvolvimento é outra área em que Rheinmetall faz uma contribuição valiosa para garantir a eficácia das forças armadas de amanhã, que vão desde a tecnologia de proteção de força para  o hardware necessário para alcançar resultados de sucesso, contribuindo para um abordagem responsável para a segurança nacional e internacional.




A história da Rheinmetall é praticamente única nas empresas de defesa. Ativa por mais de uma década.

Na Inglaterra a importantes Vickers-Armstrongs, Ltd., artilharia e construção naval, em  1935,antes do rearmament pré Segunda Guerra Mundiaç, era o terceiro maior empregador na Inglaterra após a Unilevere o ICI. Hoje uma parte do que restou de sucessivas nacionalizações e erráticas políticas de Governos Trabalhistas está na BAS Systems. O nome Vickers cessou em 2003.

Na França o grupo Schneider-Creusot, ou Schneider et Cie, em ação na área de siderurgia e  tornou-se  importante  produtor de armas. Também sofreu forte nacionalização passando para a área estatal em especial após a Segunda Guerra Mundial.

Na Suécia talvez a única empresa que aproxima-se de história centenária.  O Grupo Bofors, fundada em 1646. Partes do grupo tem guarida atualmente dentro da SAAB AB.